sexta-feira, 30 de abril de 2010

Recordar: A solidariedade do Leça - 2002

(Autocarro do Leça FC foi colocado à disposição do U. Lamas.)
A época 2002/2003 ia sensivelmente a meio, e o plantel do União de Lamas, já tinha três meses de salário em atraso. A juntar aos problemas financeiros, o U. Lamas tinha apenas duas pessoas a zelar pelo funcionamento normal do clube.
Sensibilizados com todos estes problemas, os jogadores do Leça, que competiam no mesmo escalão do U. Lamas - na Liga de Honra -, uniram-se para ajudar o clube lamacense a tentar superar algumas das dificuldades, e tomaram iniciativas no sentido de ajudar o Lamas a sair da crise em que se encontrava.
Os jogadores leceiros disponibilizaram-se para a realização de jogos amigáveis, com o objectivo de angariar fundos a favor do União de Lamas, e pediram também auxilio à Comissão Administrativa que geria o Leça, para que ajudassem o U. Lamas dentro das possibilidades.
A resposta da CA foi afirmativa e ao dispor do U. Lamas, ficou o autocarro do Leça (incluindo combustível e motorista) para que o clube lamacense marcasse presença em Vila do Conde, onde iria enfrentar o Rio Ave, na jornada doze.
Os leceiros decidiram ainda doar 50% da receita obtida na venda dos bilhetes aos adeptos visitantes, na partida entre Leça e Felgueiras.
O União de Lamas ocupava na altura o último lugar com apenas oito pontos, e veio a descer com dezanove, sem nunca deixar a última posição do campeonato.
Já o Leça, curiosamente, também desceu, apesar de na altura estar acima da linha de água, com doze pontos. No fim da prova os leceiros contabilizaram trinta e nove pontos, e terminaram o campeonato na penúltima posição.
Foi, sem dúvida, um gesto muito bonito dos jogadores e da Comissão Administrativa do Leça, que se uniram em torno do União de Lamas, um clube do mesmo escalão e com dificuldades semelhantes às que vivia o clube matosinhense.
Gestos e acções como esta, devem ser sempre recordadas.

quinta-feira, 29 de abril de 2010

CA Felgueiras

A extinção do FC Felgueiras em 2005, levou a que um grupo de amigos fundasse em 2006, o Clube Académico de Felgueiras.
A cidade e o povo estavam sem futebol há cerca de um ano, e o CAF estreou-se em 2006/2007 no último escalão do futebol português: na II Divisão Distrital da AF Porto.
A época de estreia, valeu também o primeiro título oficial do clube, que acabou por conquistar o campeonato sem derrotas, apesar de ter andado toda a época com "a casa às costas" devido a não ter o seu próprio estádio.
Actualmente, o CA Felgueiras disputa a I Divisão Distrital da AF Porto, campeonato onde chegou em 2007/08. No último fim de semana, o CAF sagrou-se campeão, e irá jogar na Divisão de Honra na próxima temporada.
No plantel, o nome "mais sonante" é o de Raúl, médio formado no FC Felgueiras, e que esteve também na última época do FC Felgueiras nos campeonatos profissionais.
Fazem também parte do plantel, vários jogadores oriundos da formação do FC Felgueiras, como é o caso do capitão Jorge Ferreira.
O CAF utiliza o Estádio Dr. Machado de Matos (agora pelado) para efectuar os seus jogos caseiros, e além da equipa sénior conta ainda com cinco equipas de formação, espalhadas pelos diversões escalões.
O objectivo principal, é que a equipa sénior ingresse nos campeonatos Nacionais, o mais rapidamente possível.

Históricos do Nosso Futebol: FC Felgueiras

Futebol Clube de Felgueiras. Fundado em 1933, na cidade de Felgueiras, o FCF é presidido actualmente por Miguel Ribeiro.
Da data da sua fundação até 1982, o FC Felgueiras disputou os Distritais da AF Porto, onde venceu a II Divisão Distrital por uma ocasião.
Em 1982, o Felgueiras venceu a I Divisão Distrital (hoje designada Divisão de Honra), e ascendeu aos Campeonatos Nacionais.
Na III Divisão Nacional (Série A), o Felgueiras esteve apenas duas temporadas. Na época de estreia (82/83) os felgueirenses terminaram o campeonato no 10º lugar final, enquanto que na época seguinte terminaram a temporada no 2º lugar, e ascenderam à II Divisão.
Na II Divisão Zona Norte, o Felgueiras esteve durante seis temporadas, tendo a melhor classificação sido o 4º lugar obtido em 85/86.
Em 1990, a reformulação dos campeonatos nacionais, "baixou" o Felgueiras para o terceiro escalão do futebol português, que se designava II Divisão B.
Depois de uma tranquila primeira temporada, o Felgueiras apostou na subida e conseguiu-a.
Foi no fim da temporada 91/92 sob o comando de Mário Reis, que os felgueirenses ascenderam à Liga de Honra.
Na Liga de Honra, o Felgueiras esteve três temporadas consecutivas, e todas elas foram sempre em crescendo. 10º lugar em 92/93, 6º em 93/94 e 3º em 94/95.
Foi precisamente em 1995, com a conquista do 3º lugar final, que o clube duriense ascendeu à Primeira Divisão.
Com Jorge Jesus no comando, o Felgueiras apenas subiu ao terceiro lugar na penúltima jornada, aproveitando a derrota do Estoril.
Na última jornada, o adversário foi precisamente o Estoril, que acabou derrotado por 1-0.
Na Primeira Divisão os "Durienses" chegaram a ser o clube sensação depois de realizarem uma boa primeira volta, ocupando sempre os lugares da primeira metade da tabela.
Com um plantel composto por jogadores bastante experientes como Leal (ex jogador do Sporting, e do E. Amadora) e Abel Silva (campeão pelo Benfica), e que contava ainda com Sérgio Conceição, na altura um jovem cedido a título de empréstimo pelo FC Porto, o Felgueiras acabou por realizar uma segunda volta completamente desastrosa, tendo amealhado apenas três vitórias em 17 jogos.
Aos 11 pontos conseguidos na segunda volta, se juntarmos os vinte e dois conseguidos na primeira, dá um total de 33 pontos conquistados pelo Felgueiras. 33 pontos esses, que foram insuficientes para que o clube duriense permanecesse na I Divisão.
Um ano depois, o Felgueiras regressava a II Divisão de Honra.
Na Liga de Honra, o Felgueiras esteve depois nove temporadas consecutivas, com dois pormenores (bastante) interessantes.
Em três dessas nove temporadas, o clube quedou-se no 16º lugar, que dá direito a despromoção à II Divisão B, mas nunca acabou despromovido.
Em 2000/2001, o 16º lugar final do Felgueiras, acabou por ser "ocupado" pelo FC Marco, após um processo administrativo ocorrido entre estes dois clubes; em 2001/2002, o Felgueiras "safou-se" às custas da extinção do Campomaiorense; e finalmente em 2002/2003, o clube duriense beneficiou da descida administrativa do Farense à II Divisão B.
Depois de três "salvamentos" impensáveis seguiram-se duas temporadas tranquilas, coincidindo com a obtenção de dois 11ºs lugares.
Isto tudo foi obtido no meio de uma grave crise financeira.
Para 2005/2006, o plantel estava formado e contava apenas com três jogadores oriundos da temporada passada: Pedro Miguel, Bacari e Raúl. A que se juntavam jogadores experientes, como o central Marco Almeida e o médio Barrigana, bem como jogadores jovens com bastante potencial (André Soares, Bruno Magalhães, Cristopher, etc.).
No entanto, a LPFP (Liga Portuguesa de Futebol Profissional) impediu o clube duriense de participar na Liga de Honra, por dívidas ao Fisco e à Segurança Social, bem como a existência de salários em atraso a ex-jogadores.
A participação na II Divisão B seria o destino, mas nem no terceiro escalão os felgueirenses conseguiram participar, já que a FPF (Federação Portuguesa de Futebol) não aceitou a inscrição do FC Felgueiras.
Além das graves dificuldades financeiras que o clube atravessava, a situação piorou depois que foi instaurado à presidente da Câmara Municipal de Felgueiras, um processo-crime por alegadamente servir indevidamente o clube, em determinados montantes.
Depois de todos estes problemas, e devido à falta de soluções, os sócios do FC Felgueiras decidiram proceder à extinção do clube.
No entanto, em 2007/2008 o FC Felgueiras "apareceu" para competir na Série 2 da 2ª Divisão da AF Porto, tendo obtido um 4º lugar final.
O futebol sénior voltou a ser extinto e actualmente o clube, funciona apenas com as camadas jovens, tendo cinco equipas em actividade (uma por cada escalão), além da equipa sénior feminina que compete na II Divisão Nacional.
O clube disputa os jogos caseiros no Estádio Dr. Machado de Matos, e usa como equipamento principal, camisola azul e vermelha com listas verticais, calção azul e meia azul.

Palmarés do FC Felgueiras:
Campeonato Nacional da II Divisão B: 1 (1991/1992);
Campeonato da Divisão de Honra da AF Porto: 1 (1981/1982);
Campeonato da I Divisão Distrital AF Porto: 1 (1965/1966);

quarta-feira, 28 de abril de 2010

D. Aves: João Silva no Everton.

O jovem jogador do D. Aves, João Silva (na foto) será jogador do Everton na próxima temporada.
A cumprir apenas a primeira época como sénior (tem 19 anos), João Silva é o segundo melhor marcador da Liga Vitalis, com 14 golos.
O Everton de Inglaterra, ganhou a corrida pelo jovem avançado, numa lista onde "entravam" os nomes de FC Porto, Sporting, Benfica, Sp. Braga, Dep. Coruña entre outros.
Segundo o órgão de comunicação inglês "SkySports" os "Toffees" desembolsaram cerca de 850 mil euros pelo passe de João Silva, que se mostrou "feliz" por esta evolução na sua carreira, pois irá jogar na "melhor liga do Mundo" citou o jogador.
Sobre o seu próximo clube, João Silva classifica o Everton como "um grande clube", e que "tem excelentes jogadores".
O avançado do D. Aves afirmou ainda acreditar que se irá dar bem em Inglaterra:
"Pelas minhas características, acredito que será perfeita para mim. Vai ser uma grande mudança, mas tenho ambição e vou manter uma atitude positiva" disse.
João Silva participou até ao momento em 27 dos 28 jogos que o clube avense realizou na Liga Vitalis.
Titular em 20, leva já 14 golos e ambiciona ser o melhor marcador da prova, pois está a apenas um golo de distância do melhor marcador, que é Reguila do Trofense.

terça-feira, 27 de abril de 2010

Eslovénia: FC Koper campeão.

A notícia já vem tarde, mas ainda vem a tempo.
Na Eslovénia, o campeonato ficou decidido no passado sábado.
O FC Koper, venceu por 2-0 o Rudar Velenje e aproveitou o empate a zero do campeão em título, Maribor, para festejar a conquista do primeiro campeonato esloveno da sua história.
O Koper dispõe agora de 15 pontos de vantagem para o Maribor, quando faltam quatro jornadas para o fim da prova.
Esta conquista além de ser especial para "Os Canários", torna o Koper a quinta equipa a vencer o campeonato em 18 anos.
Resta dizer, que um dos grandes motores do Koper, é o também esloveno e ex-jogador do FC Porto, Miran Pavlin.
Aos 38 anos, e depois de "recuperar" o "seu" Olimpija Ljubljana, que entretanto havia caído nos Distritais eslovenos, Pavlin tornou-se jogador do Koper, e que ajuda tem dado aos "Canários".

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Liga Sagres: Belenenses despromovido.

Está encontrada a primeira equipa despromovida da Liga Sagres.
O Belenenses, perdeu esta noite em Guimarães, frente ao Vitória local, por 2-0, e viu confirmada a descida de divisão.
Este cenário era previsível há já bastante tempo, dado que os Homens de Belém nunca conseguiram abandonar os últimos lugares do campeonato.
Esta noite, em Guimarães, a equipa do emblema da "Cruz de Cristo" era obrigada a vencer, dado que estavam provisoriamente a oito pontos da salvação. Uma derrota hipotecaria definitiva e matematicamente as hipóteses do Belenenses em se manter na Liga Sagres.
Em 28 jornadas, o Belenenses apenas averbou duas vitórias, tendo empatado por onze ocasiões, destacando-se os empates em casa do (ainda) campeão FC Porto e o empate no Restelo frente ao Sporting.
As vitórias foram averbadas frente à Naval (casa) e Olhanense (fora).
Nos dois jogos que restam para o fim do campeonato, o Belenenses recebe a União de Leiria e desloca-se na última jornada ao terreno do Vitória de Setúbal.
Resta aos jogadores do Belenenses, tentarem vencer estes dois jogos, para darem mais algum "colorido" a uma época bastante cinzenta.

Holanda: Makaay termina carreira

O ponta de lança holandês Roy Makaay, anunciou esta segunda-feira o ponto final na sua carreira.
Aos 35 anos, Makaay terminará a carreira no fim da temporada, passando depois a desempenhar a função de treinador. O clube holandês prepara já, uma grande festa de despedida.
Makaay, começou a sua carreira no Vitesse em 1995, de onde saiu rumo ao Tenerife de Espanha, no ano de 1997.
De 1999 a 2003, representou o Corunha também de Espanha, clube pelo qual venceu a Bota de Ouro, troféu que premeia o melhor marcador da Europa. Apontou vinte e nove golos em 02/03.
Saiu em 2003, para o Bayern de Munique da Alemanha, clube que representou até 2007, altura em que voltou ao seu País, para representar o Feyenoord, onde permaneceu até agora.
Makaay foi ainda internacional pela "Laranja Mecânica" em quarenta e três ocasiões, tendo apontado seis golos. A sua estreia ocorreu em 1996, frente ao País de Gales.
Em conferência de imprensa, realizada nesta segunda-feira, Makaay explicou a sua decisão e mostrou-se motivado para o seu futuro como treinador.
Depois de tirar o curso, o mais certo é que assuma uma das equipas de formação do Feyenoord.

sábado, 24 de abril de 2010

"A foto do dia": Olha quem são eles...

Hoje na "foto do dia" recordo a passagem de Jesualdo Ferreira pelo Benfica.
A foto acima exibida, mostra também o adjunto José Gomes, que curiosamente é agora adjunto do Professor no FC Porto.
Além de José Gomes e Jesualdo Ferreira, aparece Fernando Chalana, que também integrava a equipa técnica dos "Encarnados".
Curioso, é o facto de esta foto ser relativa ao último jogo de Jesualdo pelo Benfica. Foi para a Taça de Portugal, num jogo em que os "Encarnados" acabaram eliminados pelo Gondomar da II Divisão B, como eu já aqui recordei.
Jesualdo Ferreira completou 30 jogos como treinador do Benfica, sendo que 29 jogos contaram para o Campeonato. Averbou 16 vitórias, 7 empates e 7 derrotas.
É caso para dizer "olha quem são eles" e por onde eles andavam em 2002....

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Acredita Simão!

Um golo de Forlán, logo aos 9' minutos, permitiu ao Atlético de Madrid vencer ontem à noite, o Liverpool, na primeira mão das Meias Finais da Liga Europa.
Um cruzamento de Jurado, permitiu ao avançado uruguaio rematar para uma primeira defesa de Reina, tendo na recarga Forlán feito o gosto ao pé.
No entanto, os "Reds" podem queixar-se de um golo mal anulado ao israelita Benayoun, que partiu em posição legal (aos 18'). O jogo no seu geral, teve poucas opurtunidades de golo, e a vitória do Atlético acaba por não sofrer contestação.
Simão acabou por ser substituído aos 78' por Valera, numa altura, em que Quique pretendeu "segurar" o resultado.
Quique Flores apostou em jogar pelas alas, e aí Reyes e Simão tiveram um papel proponderante no estratagema do clube madrileno. Já o Liverpool, revelou pouca ambição e algum cansaço.
Curiosamente, defrontaram-se os carrascos de Sporting e Benfica, e a vitória sorriu para a equipa que conta com jogadores lusos nas suas fileiras.
A segunda mão disputar-se-á em Anfield Road, na próxima quinta-feira, 29 de Abril.
Caso o Atlético siga para a final de Hamburgo, será a segunda vez consecutiva que Portugal terá um jogador "seu" na final, depois de Hugo Almeida, na temporada passada ter perdido a Taça UEFA para o Shakthar, ao serviço do Werder Bremen.

Nota final: O meu título deve-se ao facto de Tiago, não poder participar nas competições europeias pelo Atlético de Madrid.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Sporting: Sinama Pongolle não joga mais esta temporada.

Sinama Pongolle não jogará mais esta temporada, com a camisola do Sporting.
O francês atravessa um grave problema familiar, devido à doença da filha mais velha. Doença essa que o obrigou a ausentar-se dos treinos nos primeiros dias do presente mês.
O avançado regressou, esta quinta-feira aos treinos, mas deverá ausentar-se novamente.
A direcção do Sporting esclarece a situação em comunicado:
"A Sporting SAD vem, uma vez mais, manifestar a sua compreensão pela situação difícil que o jogador Sinama-Pongolle enfrenta, aproveitando para esclarecer o seguinte:
1 - O jogador regressou hoje aos treinos mas, atendendo aos factores já conhecidos e ao seu estado psicológico, o Sporting assume que o atleta não jogará mais esta época;
2 - Atendendo à especificidade do problema familiar que está a viver, o Sporting entende e aceita que o jogador possa ter de se ausentar por curtos períodos de tempo e tudo fará para o ajudar a ultrapassar da melhor forma esta situação;
3 - O jogador segue um programa de treino individualizado e específico, com vista à manutenção da sua condição física e preparação da próxima temporada."
Pongolle que esta temporada já participou em cinco jogos na Liga Sagres, e marcou um golo, tendo ainda jogado por duas ocasiões na Taça de Portugal, fica assim afastado dos últimos três jogos da formação leonina.
O "Conversas Redondas" faz votos, para que o estado de saúde da filha de Pongolle, melhore.

AF Porto: Troca de identidades ou puro engano?

O Nun'Álvares, equipa que compete na Série 2 da I Divisão Distrital da AF Porto, deu hoje entrada no referido organismo, um protesto relativo ao jogo do passado domingo frente ao Zezerense, que terminou com a vitória dos Homens de Santa Marinha do Zêzere.
Tudo isto porque, a formação da casa (Zezerense) terá trocado a identidade de um dos seus jogadores.
O Nun'Álvares alega que o Zezerense utilizou o jogador César Alves de forma ilegal, visto que este atleta havia sido expulso há duas jornadas atrás.
Segundo os dirigentes do Nun'Álvares, o Zezerense fez alinhar César com a ficha de inscrição de Leandro Silva, outro jogador da equipa.
"Fomos avisados perto do final da partida e informámos o árbitro. Ele chamou a GNR, para que o César fosse identificado, e o jogador fugiu. Ainda o agarrámos, mas ele tinha já um carro à espera e mais ninguém o viu. Quem não deve não teme" citou Belmiro Sousa, presidente do Nun'Álvares, ao "MaisFutebol".
O Nun'Álvares argumenta a sua tese com algumas explicações:
"Durante todo o jogo, os colegas tratavam o número 24 (na foto) por César, apesar de na ficha do jogo estar identificado como Leandro Silva. Até os dirigentes do Zezerense se enganaram. Aos órgãos de comunicação social presentes entregaram a equipa com o César incluído e sem o tal Leandro Silva" disse o presidente do Nun'Álvares.
Certo é que, a partida terminou com a vitória do Zezerense por 1-0, sendo o golo da autoria de...César (ou Leandro?).
Do lado da equipa de Santa Marinha do Zêzere, o treinador Luís Miguel, argumenta que César não jogou por opção técnica, pois havia sido castigado com apenas um jogo, e cumpriu-o frente ao Folgosa da Maia, no passado dia 11 de Abril.
"Fotos, testemunhas? Tenho de colocar a veracidade de tudo isso em causa. Não entendo este protesto. O que é grave é saber que há outros emblemas que fazem alinhar jogadores que nem sequer estão inscritos" referiu.
Sobre a alegada fuga do atleta César após o término da partida e, depois de as autoridades terem sido alertadas sobre uma eventual troca de identidade, Luís Miguel respondeu:
"Ele reagiu assim porque ficou incrédulo, tal como as restantes pessoas presentes. Se não tínhamos qualquer atleta castigado, por que razão havia alguém de ser identificado?"
No meio de tudo isto, uma coisa é certa.
César Alves foi castigado com um jogo de suspensão, depois de ter sido expulso frente ao Sobrado a 28 de Março, e cumpriu essa punição frente ao Folgosa da Maia, há cerca de duas semanas.
Resta dizer, que o Nun'Álvares é líder a uma jornada do fim, embora em igualdade pontual com mais duas equipas: Baião e Ac. Felgueiras.
Quanto ao Zezerense, ocupa o 16º lugar, estando portanto um lugar acima da linha de água, que é ocupada por Aliança de Gandra e Crestuma.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Recordar: Pedro Dimas no Newcastle.

Poucos devem ser aqueles que se lembram da passagem de Pedro Dimas, pelo Newcastle de Inglaterra.
Este ribatejano de gema (nasceu em Vila Franca de Xira), começou a carreira ao serviço do Louletano, com apenas 6 anos.
Ingressou então nas Escolinhas do clube tendo permanecido até aos Juvenis, altura em que deu nas vistas e reforçou os Juniores do FC Porto, em 1999.
Em 2000, depois de uma boa temporada ao serviço da equipa júnior dos "Dragões", recebeu um convite "aliciante" do Newcastle de Inglaterra, para prestar provas.
Dimas, aceitou e com as devidas autorizações por parte do FC Porto, viajou até ao Norte de Inglaterra, acabando por realizar apenas um único jogo amigavel, o que foi suficiente para convencer Bobby Robson (esse mesmo !), a oferecer-lhe um contrato nos "Magpies".
Assinou, e cumpriu o seu segundo ano de Júnior, a jogar pelas reservas do Newcastle, enfrentado grandes nomes do futebol internacional, como David Ginola, Alan Smith ou Jermaine Defoe.
Também, se pode "orgulhar" de ter partilhado o balneário com Olivier Bernard, um defesa esquerdo francês que fez grande parte da sua carreira ao serviço dos "Magpies".
A temporada 2000/2001 terminou, veio a seguinte, e com ela veio uma excelente notícia para Pedro Dimas.
O jovem que chegou como médio a Newcastle, mas rapidamente foi adaptado a extremo, integraria a equipa principal dos "Magpies" na temporada 01/02.
No entanto, uma série sucessiva de lesões impediram que Pedro Dimas se estrea-se na Premier League, e o jovem jogador jogou mais uma vez pelas Reservas. No entanto, esteve sempre "à espreita" quanto a uma possível chamada a equipa principal.
Algo que não aconteceu.
No fim da temporada, Dimas, terminou a ligação ao Newcastle, por opção dos responsáveis do clube inglês.
Regressou a Portugal e ao seu clube "de sempre" Louletano, tendo representado depois Farense, Imortal e Lousada, antes de chegar ao Sp. Espinho em 2006, onde ainda se mantém.
Curioso, é o facto de Dimas, ter começado como médio, ter representado o Newcastle como extremo, ter recuado para defesa esquerdo no Lousada, e passar a defesa central no Sp. Espinho.
Polivalência não lhe falta....

Barcelona: A culpa é de Olegário ?

Para começar, não me posso adiantar muito sobre a actuação do árbitro Olegário Benquerença no jogo de ontem, pois não vi o jogo, na sua totalidade.
Mas, por aquilo que li hoje no diário desportivo "O Jogo", fiquei com a ideia, que colocar a culpa da derrota em Olegário, não fica bem aos "blaugrana". É de uma indelicadeza total.
No já referido diário desportivo, a crónica sobre a equipa de arbitragem do jogo de ontem, é da autoria do ex-árbitro português Jorge Coroado.
Coroado, frisa que a equipa portuguesa, esteve concentrada e fez uma boa arbitragem, tendo ajuizado bem uma alegada simulação de Daniel Alves, apesar de ter agido mal em termos disciplinares. Os dois primeiros cartões amarelos que foram exibidos devido a protestos, e uma falta sobre um jogador do Inter (aos 38') que justificava cartão, são os casos evidenciados por Coroado.
Depois de ler a crónica do ex-árbitro, fiquei com a sensação que a comitiva do Barcelona bem como os jornais desportivos espanhóis, culpam o árbitro, não só por ser português mas também porque não querem reconhecer o mérito de Mourinho.
Mourinho definiu uma estratégia que fosse capaz, de parar Messi, Pedro e companhia. E essa estratégia, resultou na perfeição, pois pelo que já li e ouvi, o Inter fez um jogo excepcional e mereceu a vitória.
Veremos na segunda mão, caso a equipa "blaugrana" não siga em frente na "Champions", de quem terá sido a culpa.

terça-feira, 20 de abril de 2010

FC Porto: Rúben Micael parte o pé e termina temporada

Acabou o sonho de Rúben Micael, em estar presente no Mundial. O médio madeirense do FC Porto, fracturou o pé direito durante o treino desta terça-feira, que se realizou no Olival.
Alegadamente, terá sido numa jogada normal entre Micael e um colega de equipa. O jovem madeirense deverá ser operado ainda hoje.
O período de paragem é ainda desconhecido, mas certo é que o jogador não jogará mais esta temporada.
Rúben Micael, é o segundo jogador dos "Dragões" a ficar de fora do Mundial, devido a problemas físicos. Em Março, Silvestre Varela, fracturou o perónio na véspera do jogo frente ao Benfica, para a Carlsberg Cup.
O médio madeirense, chegou ao FC Porto em Janeiro, vindo do Nacional e pegou de "estaca" no onze de Jesualdo.
Curiosamente, falhou o jogo do último domingo, frente ao V. Guimarães, devido a castigo federativo.
Agora, falhará o Mundial, bem como os quatro jogos que restam ao FC Porto.

segunda-feira, 19 de abril de 2010

II Divisão: Quatro descidas confirmadas.

À medida que a época caminha para o fim, começam-se a conhecer os primeiros despromovidos.
Na II Divisão, são já quatro equipas que sabem que na próxima temporada, disputarão a III Divisão.
A Norte, o Vieira (na foto contra o Moreirense) é a única equipa que matematicamente já desceu. Os minhotos empataram na tarde de ontem com o Tirsense a um golo, e "carimbaram" a descida.
Restam conhecer as duas equipas que irão acompanhar o Vieira na "viagem" até ao quarto escalão do futebol português.
Depois da desistência do Atlético de Valdevez, a meio da temporada, Lourosa, Merelinense e Padroense, parecem ser os mais sérios candidatos à descida.
Mas atenção, pois até ao 5º classificado (Sp. Espinho), todas as equipas têm hipótese de serem despromovidas.
Dos "Tigres da Costa Verde" para a linha de água a diferença é de 5 pontos, numa altura em que faltam disputar 2 jogos (6 pontos).
Só com um milagre é que o Espinho desceria, mas...nunca é de fiar muito.
A Centro, é que vai uma grande guerra.
O Vitória do Pico, dos Açores, passou grande parte da época "enterrado" na última posição, mas nas últimas jornadas tem vindo a dar um ar da sua graça, tal como demonstra a vitória de ontem sobre o também "aflito" Ac. Viseu, por 1-0.
No entanto, o clube da Ilha do Pico, está a 5 pontos (soma 28) da linha de água, e o mais certo é que disputará a III Divisão na próxima temporada.
Também com 28 pontos, está o Monsanto, que ocupa a 15ª posição. A derrota de ontem em casa do Sertanense, terá hipotecado definitivamente, as esperanças dos ribatejanos em permanecerem na II Divisão.
Os dois outros lugares, que valerão a descida à III Divisão, são ocupados por Marinhense e Ol. Bairro, que somam 31 e 30 pontos respectivamente.
A equipa da região de Aveiro, que disputa a II Divisão desde a temporada 99/00 perdeu ontem em casa do União da Serra, por uma bola a zero, resultado que valeu aos "Serranos" a manutenção.
O Ol. Bairro, tem nas duas últimas jornadas, testes complicadíssimos: na próxima jornada, desloca-se aos Açores, para defrontar o Operário, que ainda não está a salvo; enquanto que na última jornada recebe o Tourizense, equipa que ocupa o 3º lugar.
Parece-me completamente condenada à descida, a equipa "bairradina".
A última vaga, será ao que tudo indica, ocupada por Marinhense ou Ac. Viseu.
A equipa da Marinha Grande, perdeu ontem na deslocação ao terreno do Eléctrico, e está agora numa posição bastante instável, apesar do seu grande rival, Ac. Viseu, também ter sido derrotado.
Os viseenses que foram surpreendidos na casa do último classificado, Vitória do Pico, recebem na próxima jornada o Eléctrico que já está completamente a salvo da descida, e podem dar um passo decisivo.
Ainda com possibilidades matemáticas de descida, está o Operário dos Açores, embora isso não deva acontecer.
A derrota de ontem dos açoreanos, frente ao líder Arouca, terá apenas adiado a festa da permanência.
Quanto a mim, serão os quatro actuais últimos a descerem.
A Sul, praticamente tudo resolvido.
Santana, Odivelas e Igreja Nova, sabiam há já algum tempo que a descida de divisão seria inevitável. Agora, resta encontrar quem acompanhará este trio na descida à III Divisão.
E, o mais que provável "acompanhante" das três equipas referidas em cima, será o Aljustrelense. Os alentejanos perderam ontem na recepção ao também alentejano, Atlético de Reguengos, e estão a um ponto de descerem.
Acima dos homens de Aljustrel, estão Marítimo B e Real, que somam ambos 35 pontos. Os alentejanos somam 29, e faltam apenas disputar dois jogos. Basta um ponto aos madeirenses e aos homens de Massamá para que a manutenção seja alcançada.
Nestes dois últimos jogos, veremos também se o plantel do Santana alcançará a tão desejada vitória. Em 28 jogos, a turma madeirense soma apenas 3 empates, e 25 derrotas.
Depois deste "breve" resumo, estão despromovidos à III Divisão:

Vieira (Zona Norte)
Igreja Nova (Zona Sul)
Odivelas (Zona Sul)
Santana (Zona Sul)

Bélgica: Anderlecht Campeão.

Há mais um campeão na Europa.
Na Bélgica, o Anderlecht voltou a conquistar o título que lhe fugia desde 2007, depois de perder as duas últimas edições da Jupiler League, para o Standard de Liège.
Ontem, na 6ª jornada do play-off que decide quem irá representar a Bélgica nas competições europeias da próxima temporada, e que serve também para "encontrar" o campeão, o Anderlecht venceu em casa do 2º classificado, Club Brugge por 2-1, e conquistou o seu 30º título de campeão belga.
Van Damme aos 30' e Suárez aos 87' foram os autores dos golos do agora campeão, tendo Sonck reduzido para os da casa já em período de descontos.
O Anderlecht é sem dúvida a melhor equipa do campeonato belga, como evidencia a classificação: a distância entre o primeiro e o segundo lugar é de 14 pontos.
No seu plantel, destacam-se os nomes dos argentinos Lucas Biglia e Matías Suárez, mas também dos belgas De Sutter e Lukaku.
Lukaku, que aos 16 anos, é a grande estrela da equipa. Sim, leu bem, 16 anos !
Em 29 jogos, Lukaku já apontou 14 tentos, e promete não ficar por aqui. Já há quem fale numa mais que provável transferência, deste jovem prodígio, para um grande Europeu.
À frente do Anderlecht, está Ariël Jacobs, um treinador belga que no passado orientou os modestos La Louvière, Lokeren e Excelsior.
Com a conquista do campeonato, o Anderlecht garantiu também, a presença na 3ª pré-eliminatória da Liga dos Campeões.

domingo, 18 de abril de 2010

AF Aveiro: Ovarense Campeã

Recorde histórico para a Ovarense: em duas temporadas, o clube de Ovar, alcançou duas subidas consecutivas, e não sofreu uma única derrota em jogos a contar para os campeonatos distritais.
A Associação Desportiva Ovarense Futebol, substituiu a AD Ovarense que competiu anos a fio na Liga de Honra, e foi fundada em 2008.
Tudo se mantém igual (estádio, emblema, etc.), à excepção do nome, dado que a Associação Desportiva Ovarense, extinguiu o seu departamento de futebol sénior, e não pode inscrever novos contratos enquanto não regularizar as suas dívidas.
Logo, a "criação" de um "novo clube" serviu apenas para reactivar o futebol sénior.
Na temporada passada, a época de estreia, não podia ter corrido melhor: na III Divisão Distrital da AF Aveiro, o clube "vareiro" com um plantel apenas composto por elementos da formação (onde se destacava o nome do médio Fábio, que havia representado a "outra" Ovarense na Liga de Honra), sagrou-se campeão com a estupenda marca de vinte pontos de avanço para o segundo classificado.
Em trinta jogos, a Ovarense averbou vinte e seis vitórias e quatro empates. Apesar de terem sido derrotados, precisamente contra o segundo classificado (Severense), na última jornada, os "Vareiros" conquistaram os três pontos devido a uma irregularidade que custou o triunfo aos Homens de Sever do Vouga.
Já esta temporada, o plantel sofreu poucas alterações, e comandava até hoje a Série B da II Divisão Distrital com dezasseis vitórias e quatro empates, em vinte jogos.
Hoje, o jogo da consagração foi frente ao Beira Vouga, e terminou com a vitória vareira por 4-2.
Em apenas dois "anos de vida", a AD Ovarense Futebol, sagrou-se campeã nas duas ocasiões, e está cada vez mais perto dos Nacionais. Para já, na próxima época, disputará a I Divisão Distrital de Aveiro (a ponte de acesso aos Nacionais).
A noite promete ser de festa para os lados de Ovar.
Também na II Divisão Distrital de Aveiro, o Carregosense (disputa a Série A) assegurou hoje a subida à I Divisão Distrital, enquanto na Série C, o Oiã já há muito havia carimbado a subida.

Michel Preud'Homme.

Michel Georges Jean Ghislain Preud'Homme, nasceu em Ougree, na Bélgica, a 24 de Janeiro de 1959.
Conhecido por Preud'Homme no mundo do futebol, Michel iniciou-se no futebol ao serviço do Standard Liège, com apenas 10 anos.
Fez toda a sua formação ao serviço dos "Les Rouches" tendo se estreado na equipa principal em 1977.
De 1977 a 1986, representou o Standard, tendo sido bi-campeão belga (temporadas 81/82 e 82/83).
Em 1986 transferiu-se para o Malines, também da Bélgica, onde permaneceu até 1994.
Na temporada 87/88 contribuiu para a vitória da sua equipa na Taça das Taças, na final frente ao Ajax.
Preud'Homme era considerado um dos melhores guarda-redes do Mundo, e foi sem surpresas que em 1994 foi o titular da selecção belga que disputou o Mundial.
As excelentes intervenções que efectuou no decorrer da competição, valeram-lhe o "Troféu Lev Yashin", que coroa o melhor guarda-redes do Mundial.
A tudo isto, não ficou indiferente o presidente do Benfica, Manuel Damásio que tratou de o contratar.
Preud'Homme tornou-se o primeiro guarda-redes estrangeiro, a defender as cores dos "Encarnados".
Passou cinco temporadas no Benfica, e curiosamente, apenas conheceu um clube campeão na sua passagem por Portugal: o FC Porto, que como se sabe foi PentaCampeão entre 1994 e 1999.
De Preud'Homme ficou a célebre frase: "Tenho pena de não ter sido campeão pelo Benfica."
Nessas cinco épocas de Águia ao peito, realizou um total de 147 jogos no Campeonato, tendo sido sempre o Nº1 dos encarnados.
O único troféu que conseguiu ao serviço do Benfica, foi a Taça de Portugal em 95/96.
Colocou um ponto final na sua carreira em 1999, ao participar num jogo amigável entre Benfica e Bayern de Munique, onde acabou por ser substituído por Carlos Bossio.
Pela Bélgica, participou em 58 jogos, entre 1979 e 1995, tendo apenas estado numa grande fase final: o Mundial de 1994.
Depois de finda a carreira de futebolista, assumiu o cargo de Director de Relações Internacionais do Benfica, a convite de Vale e Azevedo.
A experiência foi curta (apenas uma temporada, 99/00), e Preud'Homme regressou ao seu clube de sempre: o Standard.
Foi treinador da equipa principal em 00/01 e 01/02, abraçando depois o cargo de director desportivo entre 02/03 e 05/06.
Voltou a ser treinador do Standard nas temporadas 06/07 e 07/08, sagrando-se campeão em 2008, terminando com um período de "jejum" que durava há 25 anos.
Actualmente, Preud'Homme orienta o Gent (clube que já orientava na temporada passada), tendo terminado o campeonato em 3º lugar, disputando agora o acesso às competições europeias, onde o Gent também é 3º com 8 pontos.
É também o fundador da marca de luvas "MPH" que simboliza as iniciais do seu nome.
Preud'Homme foi dos melhores guarda-redes que passaram por Portugal nos últimos anos. Há quem diga que tanto o belga, como Enke, chegaram à Luz nos anos errados.

sábado, 17 de abril de 2010

Recordar: Leixões na Taça de Portugal 2001/2002

Por estes dias, Chaves vive dias de glória, depois de assegurada a presença na final da Taça de Portugal.
Final essa que em 2002, o Leixões alcançou. Os matosinhenses eram apenas um "simples" clube da 2ª Divisão B, que pretendia ascender à Liga de Honra.
Se no campeonato, acabaram superados pelo FC Marco, embora o número de pontos tenha sido o mesmo, na Taça os leixonenses fizeram uma campanha extraordinária.
A campanha na Taça de Portugal 01/02, começou frente ao Pevidém equipa que disputava a III Divisão, mas as dificuldades dos leixonenses para seguirem em frente foram algumas: a partida iniciaria-se às 14h30, mas todo o plantel e staff do Leixões pensava que seria apenas às 15h; vários jogadores leixonenses vomitaram durante a partida, mas um golo de Pedras logo aos 10' bastou para o Leixões seguir em frente.
Na eliminatória seguinte (3ª), foi precisamente o Chaves quem enfrentou o Leixões. Os flavienses ocupavam o 4º lugar na Liga de Honra, mas "caíram" em Matosinhos.
Foi já nos instantes finais do prolongamento, que Pedras deu a vitória aos leixonenses. Mais uma vez, o Leixões venceu por 1-0.
Na 4ª Eliminatória, quis o sorteio, que o Leixões voltasse a enfrentar uma equipa da Liga de Honra. Desta feita, o adversário foi o Varzim, e o jogo foi na Póvoa.
Mais uma vez, o Leixões "forçou" uma equipa da Liga de Honra a jogar o prolongamento. Foi já no tempo extra, que os poveiros se adiantaram. Paulo Piedade inaugurou o marcador aos 105', mas prontamente o Leixões deu a reviravolta.
Detinho (107') e Antchouet (114') marcaram os golos, que permitiram às gentes de Matosinhos, "sonhar" com a próxima eliminatória.
No entanto, Vítor Manuel empatou a partida aos 118', e foi preciso novo jogo para desempatar a eliminatória.
Na "segunda mão" em casa o Leixões não perdoou, e venceu por categóricos 3-1. Pedras bisou (35' e 72') e Antchouet também fez o gosto ao pé (65'). Pelos forasteiros, marcou Mendonça (42'), num golo que até permitiu, empatar a partida.
Na 5ª Eliminatória, novamente uma equipa da Liga de Honra no caminho dos "Bebés do Mar". O adversário seria o Moreirense, que era apenas e só o líder da prova.
Em Moreira de Cónegos, Antchouet marcou um golo madrugador: logo aos 7'. Os da casa responderam, e aos 18' Roberto empatou.
O Leixões forçou depois, pela terceira eliminatória consecutiva uma equipa da Liga de Honra a disputar o prolongamento.
E à beira do fim do primeiro tempo, o defesa direito Barros correspondeu da melhor maneira a um cruzamento de Besirovic, e cabeceou para o fundo das redes.
O Leixões, voltava a eliminar uma equipa da Liga de Honra. E já iam três.
Os campeões precisam de sorte, e os matosinhenses não fogem à regra. Para os Oitavos de Final, quis o sorteio que o Leixões ficasse isento. E assim, o próximo passo na Taça seriam os Quartos de Final.Seguiu-se novamente uma equipa da Liga de Honra. E mais uma vez, uma equipa dos lugares cimeiros: o Portimonense.
Os algarvios ocupavam então a 5ª posição, mas do outro lado estava o Leixões, líder da Zona Norte da 2ª Divisão B e que já havia afastado três equipas do escalão do Portimonense.
Aos 35' Antchouet aproveitou uma falha dos centrais algarvios, e marcou o primeiro golo do jogo.
Já na segunda parte (aos 65') Detinho aumentou a vantagem leixonense, para 2-0.
O Portimonense ainda conseguiu reduzir por intermédio de Toni, aos 72' mas de imediato Antchouet bisou e colocou um ponto final na eliminatória.
Nas Meias Finais, o adversário era agora da Primeira Liga: o Sp. Braga, que havia eliminado o FC Porto, em pleno Estádio das Antas, nos Quartos de Final.
Em Braga, o primeiro tempo terminou sem golos. No entanto, na segunda parte um "Super Leixões" dizimou por completo a equipa da casa.
Primeiro, Abílio abriu o activo aos 49' na marcação de um livre directo e já perto do fim (aos 80'), Antchouet isolado na cara de Marco, tocou a bola ao lado onde estava Nené, que completamente solto, empurrou para o fundo das redes. 0-2 e adivinhava-se festa matosinhense.
Os bracarenses reagiram, e de livre directo, marcaram. Foi Barroso aos 83'.
No minuto seguinte, Barata falhou o empate, atirando escandalosamente por cima.
Já nos últimos segundos, Detinho ganhou um ressalto e driblou Marco, ficando depois com a baliza completamente à sua mercê. Sozinho, encostou tranquilamente para o 1-3.
Segundos depois, ouviu-se o último apito do árbitro. O Leixões estava na Final da Taça.
Final essa, que seria disputada contra o campeão Nacional, Sporting, de Mário Jardel, João Pinto e companhia.
No Jamor, o Sporting chegou ao golo aos 40' minutos. Mário Jardel inaugurou o marcador após passe de João Pinto. No entanto, o brasileiro encontrava-se fora de jogo, no momento do passe.
O Leixões, enviou ainda duas bolas aos ferros: primeiro foi Abílio aos 66' na marcação de um livre directo, e já perto do fim, Antchouet de cabeça atirou a bola ao poste.
A partida terminou minutos depois, e o Leixões acabou derrotado.
Ainda hoje, os leixonenses dizem que se Rui Jorge tem sido expulso aos 10' a história, provavelmente teria sido outra.
Treinador do Leixões ? Carlos Carvalhal...Jogadores utilizados pelo Leixões ao longo dos 8 jogos:
Ferreira (8 Jogos); José António (8 Jogos); Marco Aleixo (2 Jogos); Nuno Silva (8 Jogos); Nené (2 Jogos/1 Golo); Odé (8 Jogos); Abílio (8 Jogos/1 Golo); Rochinha (1 Jogo); Besirovic (8 Jogos); Pedras (7 Jogos/4 Golos); Antchouet (8 Jogos/5 Golos); Detinho (7 Jogos/3 Golos); Calica (5 Jogos); Armando (5 Jogos); Barros (7 Jogos/1 Golo); Thierry (5 Jogos); Tozé (6 Jogos); Bruno China (3 Jogos); Ramalho (1 Jogo); Lucas (1 Jogo); Cerqueira (2 Jogos);

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Jogos com história: Benfica 0-1 Gondomar (2002/2003)

Hoje, recuo até 2002, para falar de um célebre jogo a contar para a Taça de Portugal.
O jogo a que me refiro, foi disputado entre Benfica e Gondomar e, disputou-se no antigo Estádio da Luz.
A 24 de Novembro de 2002, os Gondomarenses chegavam à Luz, depois de eliminarem Serzedelo (III Divisão) e Neves (Distrital); enquanto os encarnados se estreavam na competição, pois disputava-se a quarta eliminatória.
No campeonato, o Gondomar era oitavo classificado (disputava a Zona Norte da II Divisão B), enquanto o Benfica era terceiro classificado, a sete pontos do líder, FC Porto.
A partida começou com o Benfica ao ataque, e logo no primeiro minuto, Nuno Gomes permitiu o corte da defensiva gondomarense, para canto.
A partida arrefeceu, até que aos onze minutos, o Gondomar ganhou um livre em zona frontal à baliza de Nuno Santos. O brasileiro Cílio Souza, ajeitou o esférico e disparou uma "bomba", que só parou no fundo das redes. 0-1, e a surpresa estava feita.
Dez minutos volvidos, e de novo na sequência de um lance de bola parada, foi o Benfica a criar perigo. Petit acabou por atirar por cima.
Aos 26' o benfiquista Roger, através de uma jogada individual esteve perto de empatar, mas a bola passou perto do poste esquerdo da baliza de Nuno Claro.
O domínio encarnado acentuava-se, e aos 29' o saudoso Miki Fehér, atirou de cabeça ao lado.
Aos 36', Nuno Gomes estava mais do que preparado para empatar o jogo, mas "do nada" apareceu Vítor Fróis que de cabeça, cortou o esférico.
A última oportunidade do primeiro tempo, pertenceu aos encarnados, mas Zahovic na marcação de um livre directo, atirou contra a barreira.No segundo tempo, o Gondomar apareceu mais desinibido, e aos 51' Cílio dentro de área, atirou a bola às malhas laterais.
Aos 54' de novo o Benfica ao ataque, com Petit a cruzar e novamente Fehér no cabeceamento, mas desta vez a bola a embater no poste.
Onze minutos depois (65'), Nuno Gomes voltou a estar perto do empate, através de um remate de cabeça mas desta vez apareceu Mendão em cima da linha, a salvar a equipa nortenha.
O jogo estava um pouco "adormecido", e aos 76' o Gondomar quase fez o 0-2. Paulinho atirou forte, Nuno Santos defendeu, mas a bola ainda embateu no poste.
O mesmo Paulinho, que cinco minutos depois, acabaria por ser expulso, "vítima" de acumulação de amarelos.
Aos 85' a última oportunidade de golo do jogo: Mantorras disparou forte, mas Nuno Claro opôs-se, negando o empate com uma excelente intervenção.
A partida terminou com forte contestação dos adeptos encarnados ao técnico Jesualdo Ferreira, que acabou por ser despedido no rescaldo desta partida.
O Gondomar, orientado por Jorge Regadas acabou afastado da Taça na eliminatória seguinte, ao ser derrotado em Paços de Ferreira, por uma bola a zero.Ficha de Jogo:

Benfica: Nuno Santos; Armando, João Manuel Pinto, Hélder e Cabral (Mantorras 45'); Petit, Andrade, Roger (Drulovic 33') e Zahovic (Andersson 70'); Nuno Gomes e Fehér;
Treinador: Jesualdo Ferreira. Suplentes Não Utilizados: Moreira; Ricardo Rocha, Miguel e Carlitos;

Gondomar: Nuno Claro; Miguel, Vítor Fróis, Mendão e Hélder; Guedes, Souzé e Tanou; Ernesto (Paulinho 39'), Cílio Souza (Seninho 83') e Pintinho (Quim 73');
Treinador: Jorge Regadas. Suplentes Não Utilizados: Rui; Rómulo, Fílipe Oliveira e Toni;

Disciplina:
Amarelos: Mantorras 47'; Tanou 56'; Paulinho 72' e 81'; Quim 83'; Seninho 91'; Souzé 93;

Vermelhos: Paulinho 81';

Marcador: 0-1 Cílio Souza 11';

quinta-feira, 15 de abril de 2010

"A foto do dia": Portugal no Euro 96

Estreio esta nova rubrica, com uma foto do jogo, entre Portugal e República Checa, a contar para os Quartos de Final, do Euro 96.
Portugal vinha de uma excelente campanha na fase de grupos, onde somou duas vitórias e um empate em três jogos: o empate frente à Dinamarca e as vitórias sobre Turquia e Croácia que valeram a Portugal o primeiro lugar no grupo D, à frente dos croatas, que somaram seis pontos.
Portugal chegava aos Quartos de Final, sem ter um melhor marcador. Dos cinco golos apontados na primeira fase, todos eles foram de jogadores diferentes: Sá Pinto, Fernando Couto, Luís Figo, Domingos e João Pinto.
Como habitual nas competições entre selecções, o primeiro de um grupo enfrenta o segundo de outro grupo,
e no "nosso" caminho, ficou a República Checa. Os checos ficaram naquele que podia muito bem ser apelidado de "grupo da morte", pois os adversários eram Alemanha, Itália e Rússia.
Na primeira jornada a equipa de Pavel Nedved (que na altura representava o Sparta de Praga) e companhia, enfrentou a Alemanha, e saiu derrotada por 2-0.
Na jornada seguinte os checos bateram a Itália, por 2-1. Os italianos que eram vice-campeões Mundiais, depois da derrota frente ao Brasil, nos Estados Unidos em 1994.
À entrada para a última jornada, a Alemanha já estava apurada enquanto a última vaga seria disputada entre República Checa e Itália. Os italianos empataram a zero com a Alemanha, enquanto a República Checa concedeu uma igualdade (3-3) frente à Rússia, que somou o seu primeiro ponto.
Estes dois empates, permitiram a qualificação à República Checa, que havia vencido a Itália na jornada anterior.
Nos Quartos de Final, o sonho português morreu aos pés de um senhor chamado Karel Poborsky, que anos mais tarde, viria jogar para Portugal.
Vítor Baía saiu da baliza, e o checo "deu-lhe" um chapéu. Acabou assim a campanha portuguesa em Inglaterra.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Fora de campo: Os "Reis" do fair-play

(Reinaldo Ventura atirou ao lado na conversão do penalti.)
A equipa de hóquei em patins do FC Porto, bem pode ser chamada de "equipa fair-play".
Ontem, o octacampeão, recebeu e cilindrou por claros 9-3 o último classificado Paço de Arcos, e está a um pequeno passo de ser novamente campeão (falta apenas um ponto para a consagração).
Mas, o que interessa, é que os Dragões venciam por 8-1, quando aos 34' minutos, o guarda-redes da equipa do Paço de Arcos, viu o cartão azul por cometer falta sobre Reinaldo Ventura, o que originou a entrada do seu suplente, João Serra.
No entanto, e para azar do lanterna vermelha da 1ª Divisão, o jovem Serra, cometeu dois erros consecutivos: saiu duas vezes da baliza antes do tempo. Posto isto, foi sancionado pelo árbitro da partida, e ficou sentado no banco por dois minutos.
Criou-se desde logo, algum "sururu", acabando por ser o médio Rui Pereira, a ir para a baliza.
Num puro acto de fair-play e desportivismo, o capitão azul e branco, Reinaldo Ventura, na marcação da grande penalidade atirou a bola ao lado. O público presente no "Dragão Caixa" aplaudiu, e seguiram-se dois minutos de passes, para que o tempo de suspensão de um dos guarda-redes do Paço de Arcos, se esgotasse.
A partir daqui, o jogo continuou a ser uma espécie de treino para os Dragões, que recebem no próximo sábado, o Follonica de Itália, para a Liga dos Campeões.
Quanto, ao Paço de Arcos, recebe os açorianos do Candelária, em jogo a contar para o Campeonato Nacional da 1ª Divisão.

Abram alas ao D. Chaves !

Fez-se história.
O Desportivo de Chaves, que compete na Liga Vitalis, apurou-se ontem pela primeira vez no seu palmarés para a final da Taça de Portugal, e tornou-se a terceira equipa de escalões secundários, a conseguir chegar ao Jamor. (Farense em 1990 e Leixões em 2002, também o haviam conseguido.)
Os "flavienses" venceram na Figueira da Foz, casa do primidivisionário Naval, por 2-1.
Ambos os golos do Chaves foram apontados já no prologamento (na primeira mão o Chaves venceu por 1-0), por intermédio do ex-júnior flaviense, Edu.
Os figueirenses, tiveram uma entrada forte no jogo e, aos 15' Fábio Júnior, fez o primeiro golo, com um belíssimo pontapé de bicicleta, a fazer lembrar o de Falcao ao Marítimo.
Anulada a vantagem do Chaves, os Homens da Naval, recuaram um pouco no terreno, permitindo que os transmontanos subissem.
O D. Chaves, por intermédio de Samson, num pontapé de ressaca, respondeu, mas não foi suficiente.
A estratégia da Naval, passava essencialmente por atrair o adversário, a subir no terreno, para chegar ao segundo golo através de um contra-ataque, mas do Marão veio uma equipa, que não foi na cantiga dos figueirenses.
Na segunda parte, e como seria de esperar, a equipa da casa, assumiu o controlo da partida e assediou por várias vezes a baliza de Rui Rêgo.
A Naval procurou o golo, mas sempre com cuidados defensivos, para evitar surpresas. Isto é, um golo flaviense complicaria, e de que maneira, as contas da eliminatória.
Tulipa mexeu na equipa, refrescando o ataque, e o Chaves tornou-se mais veloz no último terço do relvado, mas faltava a tranquilidade necessária, para dar o toque final.
Do lado dos da casa, Fábio Júnior, continuava à procura do bis, mas ora por oposição de Rêgo, ora por culpa própria, não conseguiu concretizar.
E assim chegou o prolongamento.
Os transmontanos, começaram o tempo extra, com o pé no acelerador, e Edu ficou a reclamar grande penalidade, após lance dividido na área figueirense.
Vítor Silva, dava velocidade e outra personalidade ao ataque flaviense, mas continuava a faltar a finalização.
Augusto Inácio, não estava a gostar, e reforçava a sua linha da frente cada vez mais, embora sem resultados práticos, porque os flavienses mostravam estar super-concentrados na defesa.
Foi justamente, concentração, aquilo que faltou a Camora, ao minuto 111'.
Já nos "segundos" quinze minutos, o esquerdino tentou atrasar o esférico para Peiser, mas acertou mal na bola. Edu, estava à espreita, e não teve dificuldades em roubar-lhe a bola, e ultrapassar Peiser, encostando depois tranquilamente, para o 1-1.
Já perto do fim, Vítor Silva recolheu uma bola batida por Rui Rêgo, e iniciou uma jogada de ataque, sendo travado por Camora, que segundos depois, entregou mal a bola.
Flávio Igor, recepcionou o esférico, e partiu depois, para uma excelente jogada individual que culminou com o cruzamento atrasado, onde apareceu o "menino" Edu, que com um cabeceamento "à peixe" selou a vitória flaviense.
Foi o delírio, dos muitos adeptos do Chaves, presentes no estádio. Depois de 120' minutos de sofrimento e de uma reviravolta histórica no prolongamento, os flavienses cheios de problemas financeiros, e a lutarem para não descerem à II Divisão B, eliminaram uma Naval, que aparentemente está tranquila na tabela.
E, quis o destino, que o herói dos transmontanos, fosse de Chaves. Aliás, Edu não conheceu mais nenhuma camisola, a não ser a do Desportivo.
Ficha de jogo:

Naval: Peiser; Carlitos, Gomis, Diego Ângelo e Daniel (Kerrouche 90'); Bruno Lazaroni, Godemèche e Hauw (Davide 45'); Marinho (Michel Simplício 75'), Fábio Júnior e Camora;
Treinador: Augusto Inácio; Suplentes Não Utilizados: Jorge Baptista; Real, Giuliano e Zé Mário;

D. Chaves: Rui Rêgo; Danilo, Lameirão, Ricardo Rocha e Eduardo; Bamba, Bruno Magalhães, Samson e Castanheira (Flávio Igor 77'); Clemente (Edu 69') e Diop (Vítor Silva 64');
Treinador: Tulipa; Suplentes Não Utilizados: Daniel Casaleiro; Nélson, Hesley e João Fernandes;

Disciplina:
Amarelos: Fábio Júnior 35'; Bamba 42'; Clemente 56'; Samson 66'; Bruno Lazaroni 67'; Eduardo 90'; Camora 109';

Vermelhos: Castanheira 93' (já depois de ter sido substituído);

Golos: 1-0 Fábio Júnior 15'; 1-1 Edu 111'; 1-2 Edu 120';

terça-feira, 13 de abril de 2010

Piadas envolvendo jogadores de futebol

Hoje, abordarei o futebol pelo lado mais cómico.
Grande parte das piadas que se seguem, ouvi-as, e outras, foram inventadas por mim.
Cá fica:

Compras a tua própria roupa? O Bruno Gama.
Como é que a bola, vai do Helton para o Fernando, sem ir pelo ar? Rolando.
Matavas alguém? O Juan Manuel Mata.
Dás muitas quedas? O Malouda.
Vales 20 Milhões? O Victor Valdés; outra hipótese: o Bruno Vale.
Violas pessoas? O Saviola.
Moras na Figueira da Foz? O Camora.
Entopes alguma coisa? O (Hamit ou Halil, tanto faz) Altintop.
Comes massa? O Rodrigo Arroz.
Em que dias costumavas ir a Udine? O Vincenzo Iaquinta.
Limas as unhas? O Leandro Lima; outras hipóteses: Rui Lima; Léo Lima;
Quando eras miúdo, ias ao pote fazer as necessidades? O Rentería.
Tens a Higuita que Morientes?
Não te metas com os jogadores do Liverpool, senão o Dirk Kuyt em cima.
As tuas cuecas são fio dental? As do Paulo Assunção.
Quantos toques dás na bola? O Iordanov.
Róis as unhas? O Van Nistelrooy.
És tu que metes o DVD ? Não. É o Julius Kmet.
Queres uma bolacha ? O Suker.
Não estás em Setúbal ? O Keita.
Dói-te a perna ? Ao N'Doye.
Quem vai no carro cheio de futebolistas depois de uma noitada? Vai o Fernando Aguiar, enquanto o Phil Babb.
Vamos separar-nos. Tu ficas naquela, e o Alessandro Nesta.
O Farnerud não deve treinar, mas o Pandev.
Eu faço snowbord, e o Poborsky.
Mexes-te bem? O Godemèche.
Estás a achar piada? O Iniesta.
Marras muito para os exames? O Gamarra.
O Valencia procura contratar um avançado (Nonda, Kalou e Saviola são as opções), mas todas as tentativas de contratação falham. Se Nonda, Kalou, agarrem Saviola.
Há dois anos, quem ia todos os dias a casa de Jesualdo? O Baía.
Ele está sempre do Contra, e feito Chivu foi dizer ao Niculae, que eu lhe dei uma Dica.
Hoje há pão quente, amanhã há Panduru.
Há quem não sinta nada, mas o Diego Placente.
O Maldini usa manga comprida, mas o Costacurta.
Há alguem aqui que tenha problemas? O Raúl Tamudo.
Em Inglaterra há equipas boas, mas há outras que não Preston.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Boavista: Carlos Miguel dispensado

43' minutos de jogo: Moreirense 3-1 Boavista. Os boavisteiros jogam em casa do vencedor da Zona Norte da II Divisão, e tentam pontuar, na luta pela fuga à despromoção.
Carlos Miguel falha um passe que origina o quarto golo do Moreirense, e tem uma reacção que surpreende todos os presentes no estádio: baixou a cabeça, colocou os olhos no chão e tentou abandonar o campo. Vítor Paneira, treinador do Boavista que se encontra suspenso, desceu de imediato ao relvado para impedir que o atleta abandonasse a partida, mas o jogador chegou mesmo a abandonar o recinto de jogo, voltado depois para cumprir os poucos minutos que faltavam do primeiro tempo.
No balneário, é informado pelo presidente Álvaro Braga Júnior, da sua dispensa.
"Não podemos aceitar o que ele fez. Aceitamos um passe errado ou uma má exibição. Manchar a honra do emblema do Boavista é que não" disse o presidente do Boavista, ABJ.
Carlos Miguel, já nem sequer regressou com os companheiros ao Porto, tendo terminado a sua ligação ao Boavista, ali mesmo, em Moreira de Cónegos.
Em comunicado a direcção boavisteira explica as razões, que levaram à dispensa do jogador:
"Devido a uma atitude de indisciplina inaceitável do nosso futebolista sénior Carlos Miguel, no decorrer do jogo desta tarde com o Moreirense, para o C. N. II Divisão, o Conselho de Administração da Boavista FC, Futebol, SAD, reunido extraordinariamente, decidiu prescindir da colaboração do mencionado atleta"
Carlos Miguel tem 24 anos (30/07/1985), e representou Naval, Sporting e Académica nas camadas jovens. Já como sénior conheceu as camisolas de Pampilhosa, Marialvas, Tocha, Tondela e At. Valdevez, antes de chegar ao Boavista em Julho de 2009. É médio centro.

Rui Borges

Rui Fernando Nascimento Borges, nasceu em Lisboa a 14 de Dezembro de 1973. Futebolisticamente conhecido apenas pelo primeiro e último nome (Rui Borges), este 'pequenino' jogador, começou a jogar futebol no Estrela da Amadora, tendo representado os 'Tricolores' nos escalões de Infantis e Iniciados.
Saiu já Juvenil, rumo ao Futebol Benfica, onde cumpriu uma temporada. O seu segundo ano de juvenil foi cumprido no Damaiense, tendo depois abandonado o clube da Damaia rumo ao Casa Pia, para cumprir os dois anos que lhe restavam para concluir a etapa da formação.
Fez sucesso nos juniores do clube casapiano, tendo sido aposta da equipa técnica sénior, para a temporada 92/93, numa altura em que o Casa Pia competia na III Divisão Nacional. Na época seguinte, Rui Borges ajudaria os casapianos a ascenderem à II Divisão B.
Na II Divisão B, Rui Borges deu nas vistas, tendo sido um dos pilares da equipa, que terminou o campeonato na sexta posição. Nessa equipa, jogavam também Pedro Simões (ex Estrela da Amadora) e Cavaco (ex Farense e Boavista).
As suas boas exibições, valeram-lhe uma transferência para a cidade do Porto, mais concretamente para representar o Boavista. Na I Divisão, estreou-se à jornada três, ao entrar aos 75' minutos no Bessa frente ao Gil Vicente, numa partida que os axadrezados venceram por 3-0. Antes, havia sido suplente não utilizado nas duas primeiras jornadas da Liga: Belenenses (casa) e Sporting (fora).
No entanto, aquele que terá sido o grande momento de Rui Borges, enquanto jogou de xadrez, foi à jornada trinta, na recepção ao Marítimo, quando o esquerdino apontou à passagem do minuto 17', o único golo da partida.
Tudo somado, Rui Borges participou em dez jogos pelo Boavista na I Divisão, e apontou um golo.
Em 1996, saiu para o Ac. Viseu que disputava a Liga de Honra, tendo apontado dois golos, em vinte e oito jogos. O Académico manteve-se, mas Rui Borges saiu.
O destino foi o União de Lamas, que vinha de uma temporada tranquila (foi sexto em 96/97). Ao serviço dos lamacenses, Rui Borges, participou em vinte e nove jogos e apontou cinco golos, mas desta feita, o U. Lamas não ficou nos lugares cimeiros da prova (foi décimo quarto).A Liga de Honra costuma ser uma espécie de 'montra' para a I Divisão, e Rui Borges, que vinha de uma boa temporada, reforçou o Alverca que se iria estrear no primeiro escalão.
Ao serviço dos ribatejanos, Rui Borges, completou quatro temporadas, todas elas na I Divisão, tendo participado num total de cento e dezanove jogos e marcado treze golos.
A descida do Alverca em 01/02, fez com que Rui Borges se mudasse para Belém, para representar o Belenenses. Alinhou pela turma do Restelo durante duas temporadas, tendo participado em trinta e nove jogos, e apontado apenas um golo na principal liga do nosso futebol.
Pouco utilizado em 03/04, saiu rumo ao clube que o viu nascer para o futebol: o Estrela da Amadora, que competia na Liga de Honra. Rui Borges participaria em vinte e cinco jogos, tendo marcado quatro golos, ajudando de forma preciosa à subida dos 'Tricolores' à SuperLiga.
Manteve-se na Reboleira por mais duas temporadas (05/06 e 06/07), ajudando o 'seu' Estrela a conseguir a manutenção em ambas as ocasiões.
Porém, em 2007, partiu em direcção ao Norte, para abraçar um desafio chamado Trofense: os da Trofa queriam ascender à Liga Sagres, e reforçaram-se com um vasto leque de jogadores experientes, como Bessa, Ricardo Nascimento, Paulo Lopes, Pinheiro entre outros.
Rui Borges participou em vinte e seis jogos, e marcou dois golos, que ajudaram à tão desejada subida do Trofense. Na Liga Sagres 08/09, Rui Borges, fez curiosamente o mesmo número de jogos e golos, como aquando da sua passagem pelo Bessa em 94/95: dez jogos (três como titular) e um golo.
Esta temporada, reforçou o Vizela que compete na II Divisão B, mas problemas com a direcção do clube vizelense, mais concretamente com o presidente do clube, levaram Rui Borges a rescindir o contrato. O jogador participou em quatro jogos, não tendo apontado qualquer golo.
Depois de ultrapassada a situação problemática com o Vizela, Rui Borges colocou um ponto final na sua carreira, sendo agora o responsável pelas Escolinhas do Colégio da Trofa.
Rui Borges era de baixa estatura (apenas 1,66 de altura), mas compensava na sua atitude, na sua entrega ao jogo e no seu esforço. Usava preferencialmente o pé esquerdo (o seu mais forte) e jogava na posição de extremo esquerdo.

Agradecimento: ForaDeJogo.net pelas fotos

domingo, 11 de abril de 2010

Ernesto Farías: o 'salvador' do FC Porto

É inevitável dizer-se que, Farías não tem lugar no FC Porto, porque tem.
Esta temporada, Farías já participou em dezasseis dos vinte e seis jogos, que os azuis e brancos já completaram na Liga. Desses dezasseis, apenas em três ocasiões, "El Tecla" foi titular: em Paços de Ferreira, no arranque do Campeonato, saiu aos 60'; frente ao Belenenses, na Jornada nove, esteve em campo os 90' minutos, e apontou o golo que valeu o empate; e com o Vitória de Setúbal, no Dragão, voltou a completar a partida, juntando mais um golo à sua conta.
Nos jogos em que foi suplente utilizado, apontou quatro golos: na Figueira da Foz, frente à Naval, entrou aos 71', para aos 77' fazer o 1-3 a favor dos portistas, selando definitivamente as contas do marcador; no Dragão frente à Académica, entrou "em cena" aos 57', quando o placar assinalava 0-0, marcando dois golos (68' 2-0; 82' 3-1); e por fim, ontem em Vila do Conde, na dificílima vitória do FC Porto sobre o Rio Ave, Farías foi "lançado" por Jesualdo aos 60', e volvidos apenas cinco minutos, apontou de cabeça o único tento da partida, voltando uma vez mais a ser decisivo.
E convém referir que, Farías já não jogava desde o dia 16 de Janeiro, quando foi suplente utilizado frente ao Paços de Ferreira, na Jornada dezasseis (entrou aos 60').
"El Tecla" precisa de muito pouco tempo em campo, para apontar um golo. Os jogos frente a Naval e Rio Ave, são alguns bons exemplos.
Nas restantes competições em que o FC Porto está/esteve inserido, apenas por uma vez Farías saltou do banco para marcar: foi em Aveiro, na Supertaça, quando entrou no início da segunda parte, para abrir o activo aos 59', após erro de Cássio.
Marcou ainda dois golos ao Sertanense, para a Taça de Portugal, mas começou a partida como titular.
Somando todos os jogos em que participou esta temporada, Farías já "leva" vinte e quatro jogos, mas em apenas cinco, foi titular.
Os adversários foram Sertanense (Taça), Paços de Ferreira, V. Setúbal e Belenenses (Campeonato), e Académica (Taça da Liga). Nestes cinco jogos, apontou quatro golos.
Foi suplente utilizado em dezanove ocasiões, tendo apontado cinco golos.
Na temporada anterior, participou em trinta jogos (catorze como suplente utilizado), tendo apontado quinze golos: dez na Liga Sagres, quatro na Taça de Portugal, e um na Taça da Liga.
Desses quinze golos que marcou, apenas por uma ocasião, saiu do banco para marcar. Foi frente ao V. Guimarães, na Jornada oito da Liga Sagres, quando entrou aos 46', apontando o golo aos 87'.
Na sua época de estreia no Dragão (07/08), Farías participou em vinte e três jogos (doze como suplente utilizado) e apontou nove golos: seis na Bwin Liga e três na Taça de Portugal.
Apenas por duas ocasiões, "El Tecla" saltou do banco para marcar. As "vítimas" foram: Sp. Braga para o Campeonato (entrou aos 80', marcou aos 90'), e V. Guimarães, também para o campeonato (entrou aos 69' e marcou aos 77').
Esta temporada, Farías tem melhor índice de aproveitamento, quando é suplente utilizado, em comparação com as temporadas anteriores.
Ernesto Antonio Farias, nasceu nos arredores de Buenos Aires, a 29 de Maio de 1980. Em 1998, aos dezoito anos, já era uma das figuras do Estudiantes de La Plata, clube que representou até 2004, quando foi vendido ao Palermo de Itália.
Pelo Estudiantes, participou em duzentas e vinte e duas partidas, em jogos a contar para o Campeonato Argentino, tendo apontado cento e três golos.
Chegou à Sicília, rotulado de goleador, mas nos treze jogos em que participou na Serie A (apenas um como titular), não conseguiu marcar qualquer golo, tendo saído em Janeiro de 2005 para o River Plate.
Ao serviço do River, apontou trinta e cinco golos no campeonato (repartidos pelas épocas 04/05, 05/06 e 06/07), tendo reforçado o FC Porto em 2007.
Em Janeiro deste ano, esteve perto de ser reforço do Cruzeiro do Brasil, e ainda esta semana, foi apontado como estar perto de reforçar o Palmeiras, também do Brasil.
Ontem, após o final da partida que opôs FC Porto e Rio Ave, Farías disse ao "flash-interview" da RTP: "Sabem que podem contar comigo", referindo-se aos adeptos do FC Porto, bem como à SAD portista.
No Dragão, odiado por uns, amado por outros, "El Tecla" lá vai resolvendo.

sábado, 10 de abril de 2010

Fernando Almeida completa 43 anos.

Goiás, 10 de Abril de 1967: nasce Fernando da Silva Almeida. Simplesmente, Fernando Almeida no mundo do futebol.
Passados 43 anos, este goianense, que chegou ao nosso País em 1994, para representar o Salgueiros, parece não se querer ir embora.
Proveniente do Atlético Goianiense, "aterrou" em Vidal Pinheiro, para a temporada 94/95.
De 1994 a 2000, representou o Salgueiros, tendo participado em 126 jogos a contar para o Campeonato, tendo apontado 20 golos.
Saiu rumo ao Maia, então na Liga de Honra, onde participou apenas em 13 jogos, marcando 1 golo.
A experiência, no Maia, não foi lá muito famosa, e Fernando Almeida, "partiu" rumo ao Ermesinde, que disputava a II Divisão B.
Em duas temporadas, alinhou em 67 jogos pelo Ermesinde, tendo apontado 19 golos: 9 em 01/02, e 10 em 02/03.
A manutenção foi assegurada, em ambas as temporadas, embora em 02/03, o "Zinde" tenha sido 16º com apenas mais dois pontos (fez 42), que a primeira equipa que desceu de divisão, que foi o Vila Real (somou 40).
Saiu depois, para o Rio Tinto, da III Divisão, onde permaneceu apenas uma temporada.
Regressou, então ao Ermesinde, que entretanto, havia sido despromovido à III Divisão.
Completou, mais duas temporadas ao serviço dos ermesindenses: 04/05 e 05/06, ambas na III Divisão.
Pôs um ponto final na sua carreira de futebolista, passando a integrar a equipa técnica do Guilhabreu, chegando mesmo a ser o treinador da equipa em 2007/08.
Em 2008, o ressurgimento do Salgueiros, fez com que Fernando Almeida regresasse aos relvados.
Contribuiu para a subida do clube Salgueirista à I Divisão Distrital da AF Porto, ao participar em 28 jogos, tendo marcado 13 golos.
Actualmente, Fernando Almeida já participou em 18 jogos, tendo apontado apenas 1 golo.
O Salgueiros ocupa o 2º lugar, da I Divisão Distrital Série 2 da AF Porto, estando a seis pontos do líder, Custóias.
Fernando Almeida, completa hoje 43 anos.
Parabéns Fernando, não só pelo aniversário, mas também pela carreira.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Históricos do Nosso Futebol: E. Amadora

Fundado a 22 de Janeiro de 1932, o Clube de Futebol Estrela da Amadora, tem a sua sede tal como o próprio nome indica, na Amadora.
Fundado por um grupo de sete jovens amadorenses, reza a história que um deles (Júlio Conceição) apontou para as estrelas que brilhavam no Céu, dando a ideia para o nome do clube.
O primeiro jogo dos "Tricolores", foi disputado frente ao Palmelense, tendo o Estrela vencido por 2-1.
De 1932 a 1978, o Estrela da Amadora, andou pelos Distritais de Lisboa, tendo na temporada 77/78 conseguido a promoção para os campeonatos Nacionais.
Em época de estreia, as coisas não podiam ter corrido melhor, e os Amadorenses, terminaram o campeonato no 2º lugar, conseguindo nova promoção, desta feita para a II Divisão.
Na II Divisão, durante três temporadas, o Estrela regressou à III Divisão em 82/83, depois de na temporada anterior ter descido em igualdade pontual com o 12º classificado, Cova da Piedade.
No regresso ao terceiro escalão, os "Tricolores" dominaram por completo a Série E da III Divisão, e regressaram assim à II Divisão Nacional.
Seguiram-se depois, cinco temporadas consecutivas, no segundo escalão, sempre com classificações entre os cinco primeiros.
5º lugar em 83/84, 3º em 84/85 e 85/86, 2º em 86/87, e finalmente, a conquista da II Divisão, em 87/88 que valeu uma promoção histórica do Estrela da Amadora, à I Divisão.
Em 88/89, época de estreia, entre os "Grandes" o conjunto tricolor, conseguiu um honroso 8º lugar final entre 20 equipas.
Seguiu-se depois, um 13º lugar em 89/90, e o 18º e antepenúltimo lugar em 90/91 que valeu a descida do Estrela à II Divisão de Honra.
Foi precisamente, em 89/90, que se deu o ponto mais alto da história do clube, que foi a conquista da Taça de Portugal, sob a batuta de João Alves.
Na caminhada rumo ao Jamor, caíram aos pés do Estrela da Amadora: Estoril, Sp. Braga, FC Marco, Tirsense e V. Guimarães.
Na final, frente ao Farense, o jogo terminou empatado a um golo, sendo necessário, a disputa de uma "finalíssima", que os tricolores acabaram por vencer, dias depois, por 2-0.
Na temporada seguinte, as coisas a nível interno não correram lá muito bem (descida de divisão), mas a temporada foi histórica para o Estrela, que se estreou nas competições europeias, neste caso na já extinta, Taça das Taças.
O "apadrinhamento" do Estrela, na Europa foi feito pelos suíços do Neuchâtel Xamax. Em ambos os jogos, o marcador foi de 1-1, tendo o Estrela vencido na Suiça, através do desempate de grandes penalidades, por 4-3.
Na eliminatória seguinte, os tricolores caíram aos pés do RCF Liège, da Bélgica. Na 1ª mão, disputada em território belga, o Estrela acabou derrotado por 2-0.
Na 2ª mão, no estádio José Gomes, os tricolores venceram por 1-0, mas o resultado foi insuficiente para o Estrela seguir para a próxima eliminatória.
A caminhada europeia dos tricolores, terminou com uma vitória inglória.
Voltemos então, às competições internas.
Na II Divisão de Honra, durante duas temporadas, os tricolores, conseguiram um 11º lugar final em 91/92, e o 1º lugar que valeu o título de campeão, e consequente subida à I Divisão, em 92/93.
Seguiram-se depois, oito temporadas consecutivas do Estrela da Amadora, no primeiro escalão.
A melhor classificação obtida pelos tricolores, foi o 7º lugar em 97/98, sob o comando de Fernando Santos. Classificação essa, que é mesmo, a melhor de sempre do Estrela na 1ª Divisão.
A pior, foi em 2000/01, com a "conquista" do 18º e último lugar, que valeu a descida estrelista à Liga de Honra.
Na Liga de Honra, durante duas temporadas, os tricolores terminaram no 4º lugar, a temporada em que regressaram ao segundo escalão (01/02).
Tendo, na época seguinte, terminado o campeonato, em 3º lugar, o que valeu novo regresso à SuperLiga.
Na temporada 2003/2004, o regresso do conjunto amadorense, ao principal palco do futebol português não foi lá muito feliz.
Apenas 17 pontos conquistados, e 25 derrotas, em 34 jogos, valeram novo 18º lugar e nova descida, ao Estrela.
Em 04/05, novamente na Liga de Honra, o Estrela da Amadora, voltou a ser 3º classificado, e claro, regressou à SuperLiga.
Seguiram-se depois, dois 9ºs lugares consecutivos, um 13º lugar em 07/08, e o 11º lugar final, na temporada passada.
Os problemas financeiros, levaram no entanto, à despromoção do Estrela da Amadora à II Divisão Nacional.
Recorde-se, que o plantel tricolor, não recebeu sequer um único mês de salário completo, o que serve para "explicar" as dificuldades que o Estrela atravessou/atravessa.
A não aprovação de um PEC (Plano Extrajudicial de Conciliação), que permitia resolver de forma faseada, as dívidas do clube tricolor ao Fisco e à Segurança Social, levou a que o clube tentasse constituir uma SAD (Sociedade Anónima Desportiva), com o intuito de resolver todos os problemas financeiros.
No entanto, a LPFP (Liga Portuguesa de Futebol Profissional), entendeu que a SAD não existia, por não estar registada, rejeitando assim, a inscrição do Estrela nas competições profissionais.
Actualmente, o Estrela, ocupa o 5º lugar, da II Divisão Zona Sul, com 41 pontos somados, em 26 jogos.
Esta temporada, o plantel já equacionou fazer greve, visto que as penhoras, "tiraram" tudo ao Estrela, faltando apenas as bolas e os equipamentos, como referiu há alguns dias à comunicação social, o capitão, Sérgio Marquês.
O Estrela da Amadora, disputa desde 1957, os seus jogos caseiros no Estádio José Gomes, também conhecido por Estádio da Reboleira (zona onde se situa o estádio).
O clube, usa camisola branca com uma risca vermelha e outra verde, ambas na vertical, calção branco e meia branca.

Palmarés do CF Estrela da Amadora:
Taça de Portugal: 1 (1989/1990)
Campeonato Nacional da II Divisão (ou Liga de Honra): 2 (1987/1988; 1992/1993)
Campeonato Nacional da III Divisão: 1 (1982/1983)

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Inglaterra: Newcastle regressa à Premier League

O histórico inglês, Newcastle United, carimbou na passada segunda-feira, o regresso à Premier League.
Esse regresso foi confirmado, mesmo sem os "Magpies" entrarem em campo. Tudo isto porque, o Nottingham Forest (outro histórico) que ocupa o 3º lugar, empatou em casa com o Cardiff City.
Também na segunda-feira, o Newcastle, já depois de saber que estava de regresso à Premier League, recebeu e venceu por 2-1 o Sheffield United.
Os "Magpies" lideram o Championship, com 89 pontos, mais seis que o segundo, que é o West Bromwich, clube do ex-portista Marek Cech.
Nos lugares que dão direito à disputa de um play-off de acesso ao primeiro escalão, estão Nottingham Forest, Cardiff City, Swansea (clube treinado pelo português Paulo Sousa) e Leicester.
Recorde-se que na temporada passada, o Newcastle terminou a "Premier League" no décimo oitavo e antepenúltimo lugar, tendo sido despromovido ao "Championship", depois de dezasseis temporadas consecutivas entre os "Grandes".

terça-feira, 6 de abril de 2010

Recordar: Jimmy Hasselbaink em Portugal

Quem não se recorda de Jimmy Hasselbaink, poderosíssimo ponta de lança holandês que passou por clubes como Leeds e Atlético de Madrid, antes de chegar ao Chelsea em 2000, a troco de 22 milhões e 500 mil euros ?
Formado nas escolas do Zwolle (clube holandês por onde passaram alguns portugueses nos últimos anos), Jimmy nunca teve uma opurtunidade para se estrear na equipa principal.
Passou depois, sem grande sucesso por Telstar e pelo (agora conhecido) AZ Alkmaar. Em 1993, depois do contrato com o AZ terminar, tornou-se jogador do Neederlandia, clube dos arredores de Amsterdão, que militava no terceiro escalão holandês, clube que representou durante duas temporadas.
No Verão de 1995, surgiu do nada no Alentejo, para se submeter a um período experimental de cinco dias, no recém-promovido à I Divisão, Campomaiorense.
Foram precisos, apenas dois dias, para Jimmy convencer o técnico Manuel Fernandes a contratá-lo.
O Campomaiorense desceu, mas o holandês foi apenas e só, o melhor marcador da equipa com 12 golos apontados.
Na temporada seguinte e com os alentejanos na Liga de Honra, Jimmy rumou ao Boavista, já que os "Grandes" tiveram medo de arriscar a sua contratação.No Bessa, formou uma dupla extraordinária com Nuno Gomes. Juntos apontaram 35 dos 62 golos que os "axadrezados" marcaram no Campeonato.
Convém dizer, que 20 desses 35, pertenceram ao holandês.
O Boavista de 96/97, teve quatro treinadores, e acabou o campeonato num decepcionante 7º lugar (havia sido 4º na temporada anterior), mas a glória chegou através da Taça de Portugal.
Na final contra o Benfica, a vitória sorriu aos do Bessa (3-2), mas estranhamente Jimmy que até então havia sido titular, foi relegado para o banco de suplentes pelo técnico Mário Reis, tendo entrado aos 78' minutos.
Bastante pretendido, quer em Portugal quer no estrangeiro, saiu em 1997 para o Leeds United de Inglaterra a troco de dois milhões de libras.
Do Leeds seguiu para o Atlético de Madrid, de onde saiu rumo ao Chelsea. Representou ainda Middlesbrough e Charlton, até terminar a carreira em 2008, ao serviço do Cardiff City do País de Gales.
Apesar de ter nascido no Suriname (27/03/1972), Jimmy naturalizou-se holandês, e vestiu a camisola da "Laranja Mecânica" em 23 ocasiões, tendo apontado nove golos.
Números de Jimmy em Portugal (sem contar com a Taça de Portugal):

95/96 - Campomaiorense: 31 Jogos - 12 Golos.
96/97 - Boavista: 29 Jogos - 20 Golos.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Jogos com história: Liverpool 0-2 Benfica (Capítulo III)

Porque é já na próxima quinta-feira que o Benfica se desloca a Anfield Road, aqui fica o célebre jogo que os "encarnados" venceram em Liverpool, por claros 2-0.
Nunca é demais recordar, que o Benfica já foi feliz na cidade dos Beatles, e tem tudo para voltar a sê-lo.
Voltemos então ao Passado.
O Benfica havia vencido na primeira mão dos Oitavos de Final da Liga dos Campeões, aquele que era o actual campeão europeu em título.
Para o jogo da segunda mão (8 de Março de 2006), previa-se um grande inferno sobre os "encarnados", que entraram em campo completamente desinibidos e indiferentes às pressões.
O jogo começou com a equipa da casa ao ataque, pois o resultado obtido no Estádio do Luz, não "servia".
Logo aos 4' minutos, Morientes fez o primeiro remate da partida, embora sem sucesso.
Aos 11', foi a vez de Peter Crouch rematar à baliza. Desta vez, valeu Moretto ao Benfica, que com uma grande defesa, desviou a bola, que acabou por embater na barra.
Com o passar dos minutos, era visível, que a defesa benfiquista estava mais do que preparada para suster a enorme avalanche dos "Reds".
Caso a linha defensiva, falhasse, havia Moretto na baliza, a provar que tinha sido uma boa aposta dos dirigentes encarnados.
O primeiro remate da equipa portuguesa na partida, surgiu apenas aos 30', por intermédio do brasileiro Geovanni, que fez a bola passar perto da trave da baliza, à guarda de Reina (tal como estará quinta-feira).
A partir daqui, o Benfica surgiu mais "espevitado" e foi assim que conseguiu inaugurar o marcador.
Aos 36', e após passe de Nuno Gomes, Simão Sabrosa "bailou" perante a defesa inglesa, até que conseguiu arranjar espaço para o remate, e colocou a bola no ângulo superior esquerdo da baliza do Liverpool.
0-1, e o Benfica reforçava ainda mais a vantagem que havia conseguido na primeira não.
No entanto, os da casa não se deixaram abalar pelo golo sofrido, e carregaram à procura do empate.
Aos 43' Beto, por pouco, não fez auto-golo; e de seguida, foi Crouch quem na sequência de um pontapé de canto, mandou nova bola à trave.
Na segunda parte, apenas aos 57' surgiu uma grande opurtunidade de golo.
Xabi Alonso, atirou bem de longe (a cerca de 35 metros da baliza), mas viu Moretto com uma grande intervenção, negar-lhe o golo.
Completamente desesperados, os jogadores do Liverpool, tornaram-se presas fáceis para o Benfica, que apenas via o seu adversário a chegar à sua área, através de "chuveirinhos" e remates de longa distância.
Aos 83', o espanhol Luís Garcia ainda empatou a partida, mas o golo foi anulado, devido a ter existido falta sobre Moretto.
Até que aos 89' e na sequência de um contra-ataque rápido, o italiano Fabrizio Miccoli, num remate acrobático, selou o jogo e a eliminatória.
Era o 0-2, e o ajoelhar definitivo do Liverpool, que nada tinha a fazer.
Agora, não há Miccoli, nem Simão, mas há jogadores com capacidade para repetirem o feito da equipa de 2005/2006.
Dos catorze jogadores do Benfica, que participaram neste jogo, apenas Luisão e Nuno Gomes, se mantêm nos encarnados.Ficha de Jogo:

Liverpool: Reina; Finnan, Carragher, Traoré e Warnock (Hamann 70'); Xabi Alonso, Kewell (Cissé 63'), Luís García e Gerrard; Crouch e Morientes (Fowler 70');
Treinador: Rafa Benitez. Suplentes Não Utilizados: Dudek; Barragan, Paul Anderson e Hyypia;

Benfica: Moretto; Alcides, Luisão, Anderson e Léo; Beto, Manuel Fernandes, Geovanni (Karagounis 60') e Robert (Ricardo Rocha 70'); Simão Sabrosa e Nuno Gomes (Miccoli 76');
Treinador: Ronald Koeman. Suplentes Não Utilizados: Quim, Nélson, Karyaka e Marcel;

Disciplina:
Amarelos: Robert 1'; Crouch 31'; Xabi Alonso 41'; Nuno Gomes 62'; Gerrard 71'; Manuel Fernandes 92';

Golos: 0-1 Simão Sabrosa 36'; 0-2 Miccoli 89';

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Polémica: V. Guimarães vai protestar o jogo.

O presidente do V. Guimarães, Emílio Macedo, disse hoje na conferência de imprensa depois do derby com o Sp. Braga, que o seu clube vai protestar o jogo.
O Vitória saiu derrotado por 3-2, num jogo envolto de muita polémica. Dos cinco golos da partida, quatro foram através da marcação de grandes penalidades, e todas elas deixam algumas dúvidas.
Segundo, o presidente vimaranense, o árbitro da partida Artur Soares Dias mostrou o cartão vermelho ao central bracarense, Rodríguez, mas este continuou em campo. Para Emílio Macedo, este é um motivo mais que suficiente para que o jogo seja protestado.
Além disto, logo aos 6' minutos foi assinalada uma grande penalidade a favorecer o V. Guimarães, mas por indicação de um dos seus auxiliares, Artur Soares Dias, voltou atrás na decisão, e o penalty ficou "sem efeito".
Estes, eram então, os motivos de tanta "fúria" vimaranense. Leia o que disse, Emílio Macedo na conferência de imprensa:
"Hoje entendi que devia vir aqui, porque assisti a tão triste cena neste jogo. Nunca vi um árbitro marcar um penalty e, passar minuto ou minuto e meio, voltar atrás, através das novas tecnologias, penso eu que através do árbitro. O terceiro penalty, quem viu as imagens, não tem dúvidas, e quanto a mim o primeiro também não existe. Vou ter de dizer ao Andrezinho para cortar ao braço. Assistimos a uma triste cena. Foi uma arbitragem desastrosa, sem nível, sem critérios, vergonhosa. Agora quero ver quem vai ressarcir o Vitória por ter acabado com sete em campo. Eu sei que o Vitória está a incomodar muita gente, mas não é desta forma que o futebol ganha credibilidade. Foi uma vergonha para o futebol português."
Já sobre a expulsão de Rodríguez, o presidente vimaranense teceu duras críticas à equipa de arbitragem, alegando ainda que o capitão do Vitória (Flávio Meireles), não recebeu nenhuma justificação sobre a continuação do jogador do Braga em campo:
"O Vitória vai protestar o jogo. Vimos um vermelho no ar para o Rodriguez e ele continuou a jogar. É um erro técnico! O nosso capitão não recebeu nenhuma justificação do árbitro. Foi um jogo correcto, bem disputado. A equipa de arbitragem foi a única a manchar o espectáculo. Julgo que o árbitro perdeu a cabeça, desde que marcou o penalty ao Braga e voltou atrás."
Fora das quatro linhas, as decisões de Artur Soares Dias, originaram alguns problemas entre a claque do V. Guimarães, White Angels, e alguns adeptos do Sp. Braga, tendo sido vísiveis algumas trocas de cadeiras.
A partida terminou com a vitória bracarense por 3-2, e com a expulsão de quatro jogadores do V. Guimarães, além da já referida expulsão de Rodríguez.