quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Mensagem

Sobre 2007, não me recordo de momentos marcantes relacionados com o futebol português.
Já, sobre 2009, há a destacar a conquista do TetraCampeonato por parte do FC Porto, bem como a descida do Boavista à II Divisão B.
Podia, ainda referir muitas outras coisas, mas com certeza terei oportunidade para relembra-las mais a frente.
A todos, um Bom Ano de 2010, e entrem com o pé direito !
E claro...até pro ano se Deus quiser.

Acontecimentos da década em Portugal: 2008 - Cristiano Ronaldo, o melhor do Mundo

Cristiano Ronaldo, fechou o ano de 2008, em grande.
O português, foi eleito o melhor jogador do Mundo pela FIFA, tornando-se assim, o segundo jogador português a vencer este troféu, já que o primeiro havia sido Luís Figo, no ano de 2001.
Cristiano Ronaldo, teve em 2008, um ano verdadeiramente inesquecível, pois venceu o campeonato inglês, ficando à frente do Chelsea, e venceu a Liga dos Campeões, derrotando na final, o...Chelsea.
Numa final, em que Ronaldo falhou mesmo uma grande penalidade, na altura mais decisiva.
No campeonato, 'CR' foi o melhor marcador, com 31 golos marcados, enquanto que nas competições europeias fez oito golos.
Cristiano Ronaldo, começou a sua carreira no "pequeno" CF Andorinha (actualmente milita na III Divisão Nacional a nível sénior), tendo saído depois para o Nacional.
Em 1996, tornou-se jogador do Sporting (tinha idade de Infantil), e na temporada 2001/02, então com idade juvenil, já se treinava com os Seniores, chegando mesmo a ser utilizado na II Divisão B, pela equipa B sportinguista.
Em 02/03, com idade júnior, tornou-se uma das principais figuras do clube leonino, tendo efectuado vinte e cinco jogos no campeonato português, e marcado três golos.
Rumou ao Manchester United, em 2003/04 clube onde permaneceu até ao fim da temporada 2008/09, altura em que se mudou para o Real Madrid.

Acontecimentos da década em Portugal: 2008 - Selecção: Não conseguimos derreter o gelo

Portugal partiu para a Suiça com o mesmo objectivo dos últimos anos: vencer. Mas mais uma vez, voltamos a ser "traídos" por erros próprios.
Num grupo aparentemente complicado, com Suiça, Turquia e República Checa, Portugal resolveu cedo e fácil a qualificação.
Logo a abrir, vitória 2-0, sobre os turcos. Pepe aos 61' e Raúl Meireles aos 91' fixaram o resultado final.
Na segunda jornada, o jogo teoricamente mais difícil. Frente a uma República Checa, que viria a ser uma das desilusões da prova, Portugal começou bem o jogo, e logo aos 8' minutos, Deco abriu a contagem. Os checos reagiram, e aos 17', Sionko empatou.
Só no segundo tempo, Portugal conseguiu desbloquear a situação. Cristiano Ronaldo aos 63' e Quaresma aos 92', aumentaram o "score" para 3-1, e estávamos apurados.
No último jogo do grupo, frente à selecção anfitriã, a Suiça, Scolari aproveitou para dar minutos aos menos utilizados, e deu-se mal. Derrota, por 2-0, com dois golos de Hakan Yakin: primeiro aos 71', segundo aos 83'.
Nos Quartos de Final, o adversário era sinónimo de muitas dificuldades. Quis Deus, que Portugal enfrentasse a Alemanha...
A "Manschaft" era claramente favorita, e dentro de campo provou-o: 22' minutos e Schweinsteiger a abrir o marcador; 26' e Klose a fazer o 2-0.
Antes do intervalo, Nuno Gomes reduziu, fazendo 1-2. Para o segundo tempo, Portugal apostou tudo em chegar ao empate, mas Ballack "matou"o jogo aos 61' ao fazer o 1-3.
Hélder Postiga aos 87' fez de cabeça o 2-3 final. Portugal estava fora do Europeu, num jogo em que Ricardo tem culpas no resultado final.
Mais uma vez, Portugal inteiro ficava desiludido.
Jogadores presentes na fase final do Euro'2008: Ricardo (4 Jogos); Paulo Ferreira (4 Jogos); Bruno Alves (1 Jogo); Bosingwa (3 Jogos); Fernando Meira (3 Jogos); Miguel (1 Jogo); Jorge Ribeiro (1 Jogo); Pepe (4 Jogos/1 Golo); Ricardo Carvalho (3 Jogos); Raúl Meireles (3 Jogos/1 Golo); Petit (3 Jogos); João Moutinho (4 Jogos); Miguel Veloso (1 Jogo); Nani (3 Jogos); Deco (3 Jogos/1 Golo); Cristiano Ronaldo (3 Jogos/1 Golo); Hugo Almeida (2 Jogos); Simão Sabrosa (3 Jogos); Quaresma (2 Jogos/1 Golo); Nuno Gomes (3 Jogos/1 Golo); Hélder Postiga (2 Jogos/1 Golo).
Não somaram qualquer minuto: Nuno e Rui Patrício (ambos guarda-redes). Treinador: Luiz Felipe Scolari.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Acontecimentos da década em Portugal: 2006 - Selecção: Novamente os franceses...

Portugal encarava o Mundial 2006, que se disputava na Alemanha, como uma forma de conquistar o Mundo, já que em 2004, tinhamos ficado perto de conquistar a Europa. Grande parte da equipa manteve-se, e os resultados não foram melhores porque...bom, mais a frente, perceberá.
O sorteio ditou que, Portugal encontrasse Angola na fase de grupos. Angolanos esses que faziam a sua estreia em Fases Finais do Mundial. As outras selecções no Grupo D, eram o México e o Irão.
Portugal começou o torneio com uma vitória sobre Angola, por 1-0. Pauleta marcou logo aos 4'.
Na segunda jornada, o adversário foi o Irão, e estava difícil Portugal marcar. Deco conseguiu-o aos 63', e aos 80' Cristiano Ronaldo fez o 2-0 final, através de uma grande penalidade.
Na última jornada, Portugal já com o apuramento resolvido, entrou de rompante, e aos 25' já vencia por 2-0. Maniche aos 6' e Simão Sabrosa aos 24' marcaram.
Kikín Fonseca (que se tornou jogador do Benfica meses depois) aos 29' reduziu para os mexicanos, e fixou o resultado final.
Nos Oitavos de Final, o adversário foi a Holanda, e foi um jogo que eu arrisco a dizer, ter sido o jogo com maior índice de agressividade de todo o Mundial: dezasseis cartões amarelos e quatro cartões vermelhos. Expulsos Deco e Costinha, do lado de Portugal. Portugal venceu por 1-0, com golo de Maniche aos 23'.
Para os Quartos de Final, a "sorte" de Portugal voltou a ser a mesma de 2004: Inglaterra pela frente.
Mais um empate no fim dos 120'. Desta vez, 0-0. Nos penaltis, o herói voltou a chamar-se...Ricardo.O guardião português defendeu duas grandes penalidades, mas desta vez foi Cristiano Ronaldo a confirmar o apuramento de Portugal. 3-1, vencemos nós.
Nas Meias Finais, o adversário voltava a ser a França, seis anos depois.
Portugal fez um jogo de bom nível, mas voltou a ser traído, por uma arbitragem falsa, muito falsa.
Aos 33' Henry caiu na área, e o árbitro do encontro, assinalou penalti por alegada falta de Ricardo Carvalho sobre o mestre batoteiro francês. Zinedine Zidane, não desperdiçou a grande penalidade, e fez o 1-0.
Portugal continuou a carregar, e perdeu duas boas opurtunidades no segundo tempo.
Hélder Postiga aos 77' rematou de cabeça por cima, e Fernando Meira aos 92' quis fazer um golo bonito, mas mandou a bola para a bancada.
O jogo chegava ao fim, e Portugal estava fora da final do Mundial, eliminado ainda não, pois tinha o jogo de atribuição de 3º e 4º lugar.
Nesse jogo, que não serviria de mais que um prémio de consolação, Portugal enfrentou a Alemanha.
Em cinco minutos, os alemães colocaram-se a ganhar por 2-0. Schweinsteiger abriu a contagem aos 56' e Petit fez um auto-golo aos 61'.
O mesmo Schweinsteiger, bisou no encontro, ao fazer o 3-0, aos 78'. O máximo que Portugal conseguiu foi reduzir aos 89' por Nuno Gomes. 3-1, resultado final, e fomos 4ºs no Mundial.Jogadores utilizados na campanha: Ricardo (7 Jogos); Paulo Ferreira (3 Jogos); Caneira (1 Jogo); Ricardo Costa (1 Jogo); Fernando Meira (7 Jogos); Miguel (6 Jogos); Nuno Valente (6 Jogos); Ricardo Carvalho (6 Jogos); Costinha (5 Jogos); Figo (7 Jogos); Petit (6 Jogos); Hugo Viana (2 Jogos); Maniche (7 Jogos/2 Golos); Tiago (5 Jogos); Deco (4 Jogos/1 Golo); Pauleta (6 Jogos/1 Golo); Simão Sabrosa (7 Jogos/1 Golo); Cristiano Ronaldo (6 Jogos/1 Golo); Boa Morte (1 Jogo); Nuno Gomes (2 Jogos/1 Golo); Hélder Postiga (3 Jogos);
Não somaram qualquer minuto: Quim e Paulo Santos (ambos guarda-redes). Treinador: Luiz Felipe Scolari.

Acontecimentos da década em Portugal: 2005 - Sporting esteve perto de ser feliz

O Sporting 04/05, foi uma equipa que mostrou que sabia sofrer, mas também, que sabia quando estava na altura de resolver o jogo (em certos casos, a eliminatória).
O sorteio da primeira eliminatória da Taça UEFA, foi "simpático" e colocou na frente dos "Leões" o Rapid de Viena, da Áustria. Vitória por 2-0 em Alvalade, e empate a zero em casa dos austríacos. Eliminatória resolvida facilmente.
Na fase de grupos, o Sporting teria pela frente Newcastle e Sochaux, duas equipas de bom nível, e ainda Dinamo Tbilisi da Geórgia e Panionios da Grécia.
Seriam cinco jornadas, e cada equipa efectuaria quatro jogos. Quis o sorteio que o Sporting folgasse na primeira jornada. Na segunda, recepção ao Panionios, e vitória folgada por 4-1.
Na Jornada três, na visita ao Dinamo Tbilisi, mais uma vitória folgada. Desta vez os Leões venceram por 4-0.
A primeira derrota, surgiu na quarta Jornada, com a vitória dos franceses do Sochaux em Alvalade. 1-0, foi o resultado.
No fecho da fase de grupos, empate no St. James Park, casa do Newcastle, a um golo. Custódio foi o autor da "proeza".
Resumindo, o Sporting quedou-se pelo terceiro lugar, com sete pontos, e segurou a passagem para os 16-Avos-de-Final. O adversário seria o Feyenoord.
Pensou-se desde logo, que os leões não teriam vida fácil. E não tiveram, mas acabaram por vencer ambos os jogos por 2-1.Seguiram tranquilamente para os Oitavos-de-Final, e o adversário desta feita voltava a ser inglês: Middlesbrough.
O Sporting venceu categoricamente em Inglaterra por 3-2, e em casa, na segunda mão, limitou-se a controlar o jogo, acabando por vencer por 1-0. Estava nos Quartos.Nos Quartos, o adversário voltava a ser o Newcastle. Derrota em Inglaterra por 1-0. Alan Shearer fez o golo aos 37' minutos.
Em Alvalade, o Sporting estava "proibido" de sofrer golos, mas começou o jogo...a sofrer. Kieron Dyer aos 20' abriu o placard e o Sporting estava em situação muito complicada.
Antes do intervalo, o romeno Marius Niculae empatou a partida, estavam decorridos 40' minutos.
Só a entrada para os últimos vinte minutos, os leões passaram para a frente do marcador. Aos 71' Sá Pinto fez o 2-1, que ainda não bastava para seguir em frente, dado que o Sporting tinha sido derrotado em Inglaterra por 1-0.
Aos 76' coube ao central Beto, aumentar para 3-1, e já em período de descontos, Fábio Rochemback, fixou o 4-1 final. O Sporting, estava nas Meias Finais!
Para as meias finais, o adversário voltava a ser holandês. Desta vez, foi o AZ Alkmaar.
Em Alvalade, Daniel Landzaat deu vantagem aos forasteiros, aos 36'. Segundos depois, Douala marcou, e o jogo voltou a ficar empatado, até aos 80'. À entrada para os últimos dez minutos, o chileno Pinilla, marcou o 2-1, que deu a vitória ao Sporting.
Na Holanda, já se previa que o Sporting não teria vida fácil. Tal como aconteceu: seis minutos decorridos, e golo do AZ, por intermédio de Kenneth Perez.
Em cima do intervalo, resposta leonina, com o golo de Liedson. Os holandeses, forçariam o prolongamento, quando aos 79' Huysegems fez o 2-1.
Já no prolongamento, aos 108' Jaliens, aumentou para 3-1, e o Sporting estava perto de ficar de fora da Taça UEFA.
Minuto 122' (já estávamos no período de descontos), canto a favor do Sporting, e Miguel Garcia, ao segundo poste a encostar. O Sporting marcava e estava na final!
Enorme alegria, e mais uma vez, Portugal mostrava à Europa, que os seus clubes sabem jogar futebol!
Na Final, os leões teriam pela frente o CSKA de Moscovo, da Rússia. O CSKA, que tinha eliminado o Benfica nos 16-Avos-de-Final, e tinha enfrentado o FC Porto na Fase de Grupos da Liga dos Campeões da mesma temporada.
Os leões começaram melhor o jogo, e aos 29' inauguraram o marcador por intermédio de Rogério, numa "bomba" de fora de área. Na segunda parte daria-se a reacção russa, e que reacção!
Aleksei Berezutskiy empatou aos 56', Zhirkov fez 1-2 aos 65', e Vagner Love fechou a contagem aos 75'. 1-3, derrota leonina, e Taça UEFA perdida, numa final disputada no Estádio...José de Alvalade.
Jogadores utilizados na campanha: Ricardo (15 Jogos); Miguel Garcia (6 Jogos/1 Golo); Mário Sérgio (1 Jogo); Rogério (12 Jogos/1 Golo); Paíto (3 Jogos); Rui Jorge (13 Jogos); Polga (10 Jogos); Hugo (5 Jogos); Enakarhire (12 Jogos); Beto (9 Jogos/1 Golo); Carlos Martins (7 Jogos); Custódio (9 Jogos/3 Golos); Tello (6 Jogos); Rochemback (13 Jogos/2 Golos); Hugo Viana (10 Jogos/2 Golos); Tinga (4 Jogos/1 Golo); João Moutinho (9 Jogos); Danny (3 Jogos); Sá Pinto (9 Jogos/1 Golo); Paulo Sérgio (1 Jogo); Pedro Barbosa (13 Jogos/2 Golos); Douala (12 Jogos/3 Golos); Niculae (4 Jogos/1 Golo); Liedson (14 Jogos/9 Golos); Pinilla (4 Jogos/1 Golo); Mota (1 Jogo).
Convocados, e não utilizados: Tiago (Guarda-Redes, 7 Jogos) e Nélson (Guarda-Redes - 8 Jogos). Treinador: José Peseiro.

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Acontecimentos da década em Portugal: 2004 - Euro passou-nos mesmo ao lado

Portugal recebia o Euro 2004, de braços abertos e com a "promessa" de que o torneio seria uma enorme festa do futebol. E foi.
A nossa selecção, contava com seis jogadores campeões europeus pelo FC Porto, e ainda com Figo, Rui Costa, Simão, Pauleta entre outros. Ou seja, as expectativas eram elevadas.
Portugal, no entanto, começou muito mal o torneio. No jogo de abertura, no Estádio do Dragão, derrota com a Grécia por dois a um.
Os gregos entraram melhor, e aos 7', Karagounis fez o 1-0. Coube depois a Basinas, na segunda parte, fazer o 2-0, através de uma grande penalidade.
O máximo que Portugal conseguiu, foi marcar aos 92', num golpe de cabeça de Cristiano Ronaldo. O tal "puto maravilha" na altura.
Na segunda jornada, na Luz frente à Rússia, Portugal não facilitou e venceu por tranquilos 2-0. Maniche aos 7' e Rui Costa aos 90' fizeram os golos. Ovchinnikov, ex guarda-redes do FC Porto, Benfica e Alverca, viu o vermelho neste encontro.
O terceiro e último jogo da fase de grupos era decisivo, e o adversário era a sempre forte, Espanha.
"Nuestros hermanos" tinham já amealhado quatro pontos, e mais um ponto bastaria para seguirem em frente.
Portugal tinha de vencer, e não foi em cantigas. Vitória por 1-0, sem espinhas, com golo de Nuno Gomes aos 57' minutos. A Espanha ficava de fora.Para os Quartos de Final, o adversário seria a Inglaterra de Beckham e companhia.
Jogo de muito sofrimento. Os ingleses estavam em peso no Estádio da Luz, e viram a sua Selecção inaugurar o marcador. Foi Michael Owen logo aos três minutos'.
O Homem, que viria a "salvar" Portugal, só entrou aos 75', bem a tempo de empatar aos 83': falo de Hélder Postiga, que fez depois outro golo, que seria anulado.
O prolongamento, ninguém o evitou, e foi já neste período que Portugal chegou à vantagem. Rui Costa, que tinha entrado aos 79', apontou um belíssimo golo aos 110'.
No entanto, a Inglaterra respondeu por Lampard aos 115', e o jogo voltava a ficar empatado.
Com o resultado em 2-2, seguimos para o desempate por pontapés de grande penalidade.
Beckham, Rui Costa e Vassell não conseguiram concretizar, e coube ao guarda-redes Ricardo, converter a grande penalidade decisiva. Portugal venceu por 6-5.
Nas Meias Finais, Portugal venceu a Holanda, por 2-1. Cristiano Ronaldo inaugurou o marcador aos 26' e Maniche aos 58' fez o 2-0. Jorge Andrade fez auto-golo aos 63' e fixou o resultado final.
Na grande final, o adversário era o mesmo da primeira jornada: a Grécia.
Nunca vi na vida, uma equipa tão bem organizada defensivamente como aquela que surpreendeu o Mundo em 2004. Comandados por Dellas na defesa, segurados a meio campo por Basinas, impulsionados para a frente por Karagounis, e na área Charisteas fazia o resto. Não jogavam um futebol bonito, é certo, mas que conseguiram resultados, ninguém o pode negar.
Portugal lutou, lutou e lutou, mas não conseguiu marcar, e derrubar o muro grego.
Os gregos, tal como os conhecíamos, ficaram fechados durante grande parte do jogo na sua defensiva, e na sequência de um pontapé de canto, Charisteas marcou aos 57', com a ajuda de Ricardo, que teve uma saída em falso. 1-0, e a Grécia foi campeã da Europa.
Enorme desilusão, por todo o país. Tivemos uma oportunidade fabulosa de sermos os "Reis" da Europa, mas não a soubemos agarrar.Jogadores presentes na Fase Final do Euro'2004: Ricardo (6 Jogos); Paulo Ferreira (2 Jogos); Rui Jorge (1 Jogo); Jorge Andrade (6 Jogos); Fernando Couto (3 Jogos); Miguel (5 Jogos); Nuno Valente (5 Jogos); Ricardo Carvalho (5 Jogos); Costinha (6 Jogos); Luís Figo (6 Jogos); Petit (2 Jogos); Rui Costa (4 Jogos/2 Golos); Maniche (6 Jogos/2 Golos); Deco (6 Jogos); Simão Sabrosa (3 Jogos); Pauleta (5 Jogos); Cristiano Ronaldo (6 Jogos/2 Golos); Nuno Gomes (6 Jogos/1 Golo); Hélder Postiga (1 Jogo/1 Golo).
Não somaram qualquer minuto: Quim e Moreira (ambos guarda-redes); Beto (defesa central) e Tiago (médio ofensivo). Treinador: Luiz Felipe Scolari.

Acontecimentos da década em Portugal: 2004 - FC Porto Campeão Europeu

Meses depois de ter feito história com o FC Porto, ao vencer a Taça UEFA, José Mourinho dava início à pré-época para a temporada 2003/04.
Benni McCarthy, reforço dos dragões para essa época, disse em tom firme: "Comigo, o FC Porto pode ser Campeão Europeu". E a verdade é que o foi.
A campanha europeia do FC Porto, que viria a ser brilhante, iniciou-se com um empate em Belgrado, frente ao Partizan, na jornada inaugural da fase de grupos.
Costinha deu vantagem ao FC Porto aos 22' minutos, mas Delibasic (que viria a jogar no Benfica), empatou aos 54'. 1-1, foi o resultado final.
Na segunda jornada, recepção calorosa ao Real Madrid, nas Antas. O FC Porto entrou forte, e novamente Costinha a inaugurar o marcador aos 7' minutos.
A resposta do Real não demorou, e em dez minutos, os "Merengues" deram a volta ao resultado: Solari empatou aos 27' e Helguera fez o 1-2 aos 37'. Aos 67' Zidane fechou a contagem. 1-3, foi o resultado.
Na visita a Marselha, era "obrigatório" o FC Porto vencer, para ficar numa situação mais confortável.
Desta vez a situação inverteu-se: Foi a equipa adversária, a inaugurar o marcador: aos 24' por intermédio de Didier Drogba, os marselheses abriram o activo
A reacção portista não se fez esperar, e em quatro minutos o FC Porto deu a volta: aos 31', Maniche empatou, e aos 35', Derlei fez o 1-2.
No segundo tempo, Alenitchev aumentou a contagem aos 81', e dois minutos depois, Steve Marlet fixou o resultado final: 2-3, vitória portista.
Nas Antas, na quarta jornada, o FC Porto venceu o Marselha por 1-0, e ficou mais perto da qualificação. Alenitchev aos 21' minutos, fez o golo.
Na quinta jornada, na recepção ao Partizan de Belgrado, o FC Porto "vingou" o empate da primeira volta: aos 24', McCarthy abriu o marcador, e aos 50', o mesmo McCarthy aumentou a vantagem portista para 2-0.
Já em tempo de descontos, Delibasic reduziu para 2-1. Vitória do FC Porto, naquele que foi o último jogo a contar para as competições europeias, disputado no Estádio das Antas.
Na última jornada, e já com o lugar nos Oitavos de Final, "reservado", o FC Porto visitou Madrid, e mostrou que não foi lá apenas em passeio.
Empate a um golo: 1-0 por Solari aos 9', e 1-1 por Derlei aos 35'.
Nos Oitavos, a "fava" saiu ao FC Porto. Pela frente, estava o "temível" Manchester United. Já se sabia, que a sorte dos portugueses com equipas inglesas não era muita, mas o FC Porto 'contornou' essa sorte.No Dragão, na primeira mão, o Man. United colocou-se em vantagem logo aos 13' por Fortune. Aos 28' McCarthy empatou a partida, e o mesmo McCarthy deu a vitória ao FC Porto aos 77'. Vitória azul por 2-1, com toda a justiça.
Em Old Trafford, a equipa da casa, entrou decidida a resolver a partida, e aos 32' Scholes fez o 1-0. Um golo bastava, para o United seguir em frente. Antes do intervalo, golo anulado a Ryan Giggs, por fora de jogo (duvidoso).
O FC Porto veio para a  segunda parte, com vontade de decidir a eliminatória a seu favor, e isso aconteceu aos 92', na última oportunidade que tinha: McCarthy bateu o livre, Howard não segurou e Costinha, completamente solto na pequena área, marcou e apurou o FC Porto para os Quartos de Final.
O adversário seguinte, viajava de França e era o Lyon. No Dragão, vitória 'fácil' do FC Porto, por 2-0. Deco aos 44' e Ricardo Carvalho aos 71' foram os autores dos golos.
Em Lyon, na segunda mão, os azuis entraram ainda mais fortes do que aquilo que tinham sido em casa, e Maniche inaugurou o marcador aos 6'. Luyindula empatou aos 14', e Maniche bisou aos 47'. Já bem perto do fim, Elber empatou o jogo. 2-2, foi o resultado final.
Nas Meias Finais, o adversário do FC Porto, foi o Deportivo da Coruña, de Espanha. Os espanhóis, que nos Quartos de Final, foram goleados em Milão em casa do AC Milan por 4-1, e que se vingaram na segunda mão, no Riazor, goleando por 4-0.
O jogo da primeira mão, no Dragão terminou empatado a zero, e o ex-jogador azul e branco, Jorge Andrade foi expulso aos 87'.
Na segunda mão, em Espanha, mais um bom jogo do FC Porto, que venceu por 1-0, e seguiu para a final. Golo apontado por Derlei aos 59', na conversão de uma grande penalidade.
26 de Maio de 2004. A grande final. Pela frente, o FC Porto, tinha o Monaco de França, que tinha eliminado Lokomotiv Moscovo, Real Madrid e Chelsea.
Na final, o sinal mais pertenceu sempre ao FC Porto, que viria a inaugurar o marcador aos 39' pelo "miúdo" Carlos Alberto.
Na segunda parte, o domínio portista manteve-se, e em quatro minutos, mais dois golos: Deco aos 71' e Alenitchev aos 75'. Resultado final: FC Porto - 3 AS Monaco - 0.
O FC Porto, 17 anos depois, era Campeão Europeu.Jogadores Campeões Europeus: Vítor Baía (13 Jogos); Paulo Ferreira (13 Jogos); Nuno Valente (11 Jogos); Mário Silva (1 Jogo); Jorge Costa (9 Jogos); Pedro Emanuel (7 Jogos); Ricardo Carvalho (13 Jogos/1 Golo); Ricardo Costa (2 Jogos); Costinha (12 Jogos/3 Golos); Bosingwa (8 Jogos); Maniche (12 Jogos/3 Golos); Pedro Mendes (10 Jogos); Deco (12 Jogos/2 Golos); Alenitchev (9 Jogos/3 Golos); Carlos Alberto (7 Jogos/1 Golo); Ricardo Fernandes (4 Jogos); Marco Ferreira (3 Jogos); César Peixoto (1 Jogo); Jankauskas (10 Jogos); Bruno Moraes (2 Jogos); Hugo Almeida (2 Jogos); McCarthy (11 Jogos/4 Golos); Derlei (8 Jogos/3 Golos);
Foram convocados, mas nunca utilizados os seguintes jogadores: Nuno (Guarda-Redes - 13 Jogos); Secretário (Defesa Direito - 2 Jogos); Tiago (Médio Defensivo - 1 Jogo).
Treinador: José Mourinho.

Acontecimentos da década em Portugal: 2004 - Morte de Miki Fehér

2004, era ano de Europeu, o "nosso" Europeu, mas começou da pior maneira possível.
Dia 25 de Janeiro: jornada dezanove do campeonato português, em Guimarães, Vitória e Benfica, enfrentavam-se.
O jogo não corria como Camacho (treinador do Benfica), desejava, e este viu-se "obrigado" a mudar o seu esquema. Lançou Miki Fehér, um jovem húngaro, humilde e lutador.
Fehér entrou aos 59' para o lugar de João Pereira (agora no Sporting), e já perto do fim, após uma jogada de insistência de Simão Sabrosa pelo flanco esquerdo, "Miki" acabou por tocar a bola para Fernando Aguiar, que empurrou o esférico para o fundo das redes. O Benfica chegava ao golo aos 91', e preparava-se para somar mais três pontos.
Aos 92', Fehér, numa"velha" técnica para queimar tempo, fez uma falta, levou cartão amarelo, sorriu perante Olegário Benquerença (árbitro do jogo), debruçou-se, e acabou por cair desamparado no relvado.
As tentativas de reanimação, não surtiram efeito, e o jogador acabou por falecer já no hospital de Guimarães.
Ainda no relvado, Miki deu sinal de vida, o que acalmou por pouco tempo, todos os adeptos presentes no estádio que gritavam em uníssono "Miklos Fehér".Nada a fazer. Miki, faleceu as 23h10, deixando de rastos o País e a "Família Benfiquista".
Nunca mais, nenhum jogador do Benfica, envergará a camisola "29".
Portugal, chorou durante dias (senão meses), a morte de um dos "seus". Aquele jovem, que em 1999, chegou ao nosso país para representar o FC Porto, e que estava sempre de sorriso no rosto, tinha falecido.
Formado no Gyor Eto, manteve contrato com o FC Porto de 98/99 a 01/02. Pelo meio, passagens pela equipa B portista, e por Salgueiros e Braga, ambas por empréstimo.Tinha assinado com o Benfica em 2002.
Aos vinte e cinco anos, perdeu a vida no país que o acolheu, tinha ele dezanove anos. Foi internacional A pela Hungria, em vinte e cinco ocasiões, tendo marcado sete golos.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Ricardo Silva reforça Vit. Setúbal

Interrompo esta "edição especial" dos melhores da década que agora chega ao fim, para dar conta do regresso a Portugal, de Ricardo Silva.
O defesa central, de 34 anos, até agora, jogador dos russos do Shinnik, vinculou-se hoje ao Vitória de Setúbal.
Em declarações ao jornal "A Bola", o central mostra-se "cansado", e "há 2 anos que não tem férias":
"Estou parado há mês e meio mas desde que fui para a Rússia que não tive férias. Foram dois anos e meio sempre a jogar. Sai do Boavista com metade da época decorrida e fiz o ano completo na Rússia e ainda a época passada toda. Agora vou entrar numa nova fase da minha vida. É trabalhar para chegar ao ritmo que é preciso para ajudar o Vitória de Setúbal".
Finalizou, referindo que todo o plantel está a trabalhar para tirar o Vitória da situação incómoda, em que o clube se encontra: "Sabemos que o clube está numa situação difícil mas vamos acreditar que vai melhorar. É para isso que vamos trabalhar todos, para fazer uma segunda volta diferente. As pessoas no Vitória estão a fazer tudo para que assim aconteça".
Formado no Boavista, Ricardo Silva assinou contrato com o FC Porto no seu primeiro ano de sénior, sendo depois emprestado sucessivamente a Esposende, Felgueiras, Marítimo e U. Leiria.
Fez três temporadas na equipa principal do FC Porto, entre 99/00 e 01/02, ficando, naturalmente, a mágoa de nunca ter sido campeão nacional.
Rescindido o contrato com os azuis e brancos, seguiu para o V. Guimarães em 02/03, voltando depois "a casa", ao assinar pelo Boavista para a temporada 2003/04.
Saiu, no entanto, no fim da temporada, para o Beira-Mar, acabando por regressar ao Bessa para 05/06, onde permaneceu até Janeiro de 2008, altura em que assinou pelo Shinnik, da Rússia, clube onde jogou até há um mês e meio.
Torna-se agora, reforço do Vitória de Setúbal, e Manuel Fernandes ganha certamente um reforço "de peso" para a linha defensiva, e claro, para as batalhas que se avizinham na luta pela manutenção.
Recorde-se que, Ricardo Silva, é internacional por Portugal, nas selecções jovens.

Acontecimentos da década em Portugal: 2003 - FC Porto vence Taça UEFA

Mourinho chegou ao FC Porto em 2002, a meio da temporada 01/02. Desde logo, implantou os seus métodos, que não deram mais frutos, porque o plantel disponível pecava por excesso de qualidade.
Mas Mourinho, em 02/03 teve a célebre frase: "Em condições normais, nós vamos ser campeões". A verdade, é que, além de levar o FC Porto ao título, cometeu a proeza de vencer uma prova europeia.: falo, claro, da Taça UEFA.
A campanha começou com uma goleada aos polacos do Polónia de Varsóvia, por seis a zero nas Antas: Jankauskas (2), Hélder Postiga (2), Derlei e Maniche foram os autores dos golos.
Na segunda Mão, derrota portista por 2-0, mas qualificação garantida.
Na segunda Eliminatória, o FC Porto "limpou" a Áustria, e venceu em Viena, o Áustria local, por uma bola a zero. Nas Antas, nova vitória, desta vez por 2-0.
Para a terceira Eliminatória, um desafio que se antevia muito complicado. Mas não. O Lens, de França, foi goleado no Porto por 3-0, vingando-se depois na segunda mão, ao vencer por 1-0. Insuficiente para seguir em frente.
As provas europeias regressaram depois em Fevereiro, com a recepção azul-e-branca ao Denizlispor da Turquia. Houve chapa seis nas Antas: 6-1 foi o resultado final.
Na Turquia, empate a dois, com um magnífico golo de calcanhar de Clayton. Momento de pura magia.
Nos Quartos-de-Final, novo desafio extremamente difícil para o FC Porto. O adversário era o Panathinaikos, da Grécia.
Surpresa nas Antas, com a vitória grega, na primeira mão. Olisadebe marcou aos 72', numa equipa grega que contava com Chaínho (ex FC Porto, E. Amadora entre outros), Seitaridis (passou pelo FC Porto em 04/05), Fyssas e Karagounis, que foram depois jogadores do Benfica.
Após o fim do jogo, a festa grega era muita. Sérgio Markarian, treinador do "Pana", festejava eufosivamente como se a qualificação estivesse garantida. Para ele "era impossível alguém passar num estádio com um ambiente daqueles". Porém, Mourinho respondeu de pronto: "Não festejes, que ainda estamos no intervalo".
Dito e feito. Na Grécia, Derlei bisou (o segundo golo foi já no prolongamento), e o FC Porto estava nas meias finais. 0-2, foi o resultado final.
Nas Meias Finais, adivinhava-se mais um desafio complicado para os "Dragões". O adversário era nada mais nada menos, que a Lázio de Itália. Na primeira Mão, nas Antas, o conjunto "laziale" até esteve em vantagem: logo aos 6' minutos, Cláudio López inaugurou o marcador. Maniche "à bomba" empatou aos 10', e Derlei fez o 2-1 aos 27'.
Na segunda parte, mais dois golos azuis: novamente Derlei aos 50' e Hélder Postiga aos 56' a fechar a contagem. 4-1, frente à equipa de Fernando Couto.
Em Roma, o FC Porto limitou-se a "cumprir calendário". Empate a zero, com um jogo muito morno, cabendo sempre ao conjunto da casa, os maiores lances de perigo. Hélder Postiga viu o vermelho, e falhava a final de Sevilla.
21 de Maio de 2003. Dia da grande final: FC Porto - Celtic. Adivinhava-se mais um desafio extremamente complicado para a equipa de Mourinho.
Logo aos 8' Costinha lesionou-se e foi substituído. A fé e a confiança portista, aumentou ainda mais, e à beira do intervalo, Derlei deu vantagem aos azuis: 1-0.No início do segundo tempo, dá-se o empate escocês. Foi o inevitável Henrik Larsson quem empatou aos 46'. O FC Porto não tremeu, voltou à carga, e Alenitchev aos 53', repôs a justiça no marcador. 2-1 para os portistas.
Volvidos três minutos, Henrik Larsson empatou o jogo, estavam então decorridos, 56' minutos. Era um jogo, de parada e resposta.
Até ao fim do tempo regulamentar não houve mais golos. Pelo meio, lesão de Jorge Costa, aos 70'.
Já no prolongamento, Marco Ferreira tem uma excelente iniciativa, entra na área, a bola sobre para Derlei e...golo. 3-2, aos 113', numa final de enorme sofrimento para as hostes portistas.
A poucos segundos do fim, expulsão de Nuno Valente, mas a vitória não mais fugiu aos Dragões.
Ano verdadeiramente memorável e inesquecível para todos os adeptos do FC Porto. Pela primeira vez, uma equipa portuguesa inscreveu o seu nome na lista de vencedores da Taça UEFA.

Recorde a ficha de jogo:

FC Porto: Vítor Baía; Paulo Ferreira, Jorge Costa (Pedro Emanuel 70'), Ricardo Carvalho e Nuno Valente; Costinha (Ricardo Costa 08'), Alenitchev, Maniche e Deco; Derlei e Capucho (Marco Ferreira 97').
Treinador: José Mourinho. Suplentes Não Utilizados: Nuno, Tiago, César Peixoto e Clayton.

Celtic: Douglas; Balde, Valgaeren (Laursen 64') e Mjällby; Agathe, Lambert (McNamara 75'), Thompson, Lennon e Petrov (Maloney 104'); Larsson e Sutton.
Treinador: Martin O'Neill. Suplentes Não Utilizados: Hedman, Sylla, David Fernández e James Smith.

Disciplina:
Amarelos: Valgaeren 08'; Lennon 59'; Nuno Valente 63' e 120'; Balde 80' e 94'; Petrov 102'; Maniche 118'; Marco Ferreira 119';
Vermelhos: Balde 94'; Nuno Valente 120';

Marcador: 1-0 Derlei 45'; 1-1 Larsson 46'; 2-1 Alenitchev 53'; 2-2 Larsson 56'; 3-2 Derlei 113'.
Jogadores utilizados na Campanha: Vítor Baía (11 Jogos); Nuno (2 Jogos); Jorge Costa (12 Jogos); Secretário (2 Jogos); Paulo Ferreira (12 Jogos); Nuno Valente (7 Jogos); Mário Silva (4 Jogos); Pedro Emanuel (8 Jogos); Ricardo Costa (6 Jogos/1 Golo); Ricardo Carvalho (7 Jogos); Costinha (9 Jogos); Paulinho Santos (1 Jogo); Tiago (8 Jogos); Bruno (1 Jogo); Maniche (12 Jogos/2 Golos); Akos Buzsáky (1 Jogo); Deco (12 Jogos/1 Golo); Alenitchev (10 Jogos/2 Golos); Capucho (7 Jogos/1 Golo); Cândido Costa (2 Jogos); Marco Ferreira (4 Jogos); César Peixoto (2 Jogos); Clayton (3 Jogos/1 Golo); Jankauskas (9 Jogos/4 Golos); Hélder Postiga (12 Jogos/6 Golos); Derlei (13 Jogos/11 Golos).
Foi convocado, mas não utilizado: Hilário (Guarda-Redes - 1 Jogo); Treinador: José Mourinho.

domingo, 27 de dezembro de 2009

Acontecimentos da década em Portugal: 2002 - Portugal "de férias" na Coreia

A expectativa sobre o que iria fazer a comitiva portuguesa no Mundial 2002, que se disputou paredes meias entre Coreia do Sul e Japão, era enorme. Afinal, Portugal tinha sido vice-finalista do último Campeonato da Europa.
Um péssimo arranque, fez antever o pior. Os Estados Unidos, país do "soccer", aparentemente, seriam um adversário fácil. Puro engano.
Aos quatro minutos, já Portugal perdia. Até ao intervalo, mais dois golos norte-americanos: Jorge Costa fez auto-golo aos 29', e McBride aumentou para 3-0, aos 36'.
Aos 39' Beto reduziu e deu esperança aos portugueses. À entrada para os últimos vinte minutos da partida, Portugal chegou ao segundo golo. Jeff Agoos marcou na baliza errada, e estabeleceu o resultado final em 3-2 a favor dos americanos.
Na segunda Jornada, era o tudo ou nada para Portugal. Aí, a Selecção não deixou o crédito por mãos alheias, e goleou a frágil Polónia, por claros 4-0. Pauleta fez hat-trick, e Rui Costa fechou a contagem aos 88'.
Na terceira Jornada, Portugal jogava frente à equipa da casa, e poderia qualificar-se para os Oitavos de Final. Tal não aconteceu.
Portugal "ia-se arrastando" pelo campo, muito por "culpa" da má condição física de Luís Figo, e aos 70' Park Ji Sung (esse mesmo, do Manchester United), marcou o único golo da partida.
Vitória coreana, e eliminação (precoce?) de Portugal. Neste jogo, ficou ainda na memória, o murro de João Pinto ao árbitro da partida, o argentino Ángel Sánchez.
E, claro, o célebre caso de Kenedy, que estava convocado, mas acabou fora do Mundial, devido a um controlo positivo de anti-doping.
Foi um Mundial, completamente desastroso da nossa Selecção.
No rescaldo, António Oliveira acabou despedido.

Jogadores presentes na fase final do Mundial 2002: Vítor Baía (3 Jogos); Jorge Costa (3 Jogos); Abel Xavier (1 Jogo); Fernando Couto (3 Jogos); Jorge Andrade (2 Jogos); Frechaut (1 Jogo); Beto (3 Jogos/1 Golo); Rui Jorge (3 Jogos); Rui Costa (2 Jogos/1 Golo); Figo (3 Jogos); Sérgio Conceição (3 Jogos); Paulo Bento (3 Jogos); Petit (3 Jogos); João Pinto (3 Jogos); Pauleta (3 Jogos/3 Golos); Capucho (1 Jogo); Nuno Gomes (2 Jogos).
Nélson, Ricardo, Caneira, Paulo Sousa, Hugo Viana e Pedro Barbosa não efectuaram qualquer jogo. Treinador: António Oliveira.

Acontecimentos da década em Portugal: 2001 - Figo, o melhor do Mundo

2001 terminaria com "chave de ouro" para os portugueses.
Luís Figo, jogador do Real Madrid, é eleito o melhor jogador do Mundo pela FIFA, e torna-se o primeiro jogador português a ser distinguido com este prémio.
Figo, que em 2001, apenas venceu dois troféus a nível colectivo: foi Campeão Espanhol e venceu a Supertaça de Espanha.
Em 2000, tinha sido eleito o segundo melhor jogador do Mundo, além de ter levado Portugal às meias finais do Europeu.
Figo, começou a sua carreira no União Futebol Clube "Os Pastilhas" um pequeno clube, situado num bairro na Cova da Piedade, acabando por ingressar no Sporting, no escalão de Infantis.
No Sporting, Figo chegou a sénior na temporada 91/92, onde permaneceu até ao fim da temporada 94/95. O máximo que conseguiu vencer foi uma Taça de Portugal (1995).
Acabou por sair rumo ao Barcelona, onde durante cinco anos foi uma das "estrelas da companhia" e um dos grandes ídolos dos adeptos, tendo partilhado o balneário com Ronaldo, Vítor Baía e Fernando Couto.
Em 2000, aplicou uma "traição" ao clube catalão, ao transferir-se para o Real Madrid, a troco de sessenta milhões de euros, valor recorde na altura.
Abandonou o Real em 2005, ingressando no Inter de Itália, clube onde terminou a carreira no fim da temporada transacta (08/09).

Acontecimentos da década em Portugal: 2001 - Boavista Campeão

2001 ficará para sempre na memória do universo boavisteiro.
Em anos anteriores, o Boavista tinha ficado perto do topo, mas desta vez, conseguiu alcançar esse mesmo topo, e sagrou-se campeão nacional pela primeira e única vez em 106 anos de história.
Na primeira volta, o clube do Bessa alternou em grande parte das jornadas entre o quarto e o quinto lugar, mas acabaria por terminar em primeiro, após vencer no seu estádio, o até então líder, FC Porto. Bastou um golo de Martelinho.
Seguiu-se depois uma segunda volta absolutamente fantástica, com apenas três empates e duas derrotas em dezassete jogos.
O título foi confirmado na trigésima terceira e penúltima jornada, na recepção ao há muito despromovido, D. Aves.
O Boavista venceu por categóricos 3-0 e fez a festa.
Recorde a ficha de jogo:

Boavista: Ricardo; Frechaut, Litos, Pedro Emanuel e Quevedo; Petit, Rui Bento e Sanchez (Pedro Santos 83'); Martelinho, Duda (Jorge Couto 78') e Silva (Whellinton 57');
Treinador: Jaime Pacheco. Suplentes Não Utilizados: William, Erivan, Gouveia e Jorge Silva.

D. Aves: Paulo Jorge; José António, José Soares, Nuno Afonso e Marco Aleixo (Vinagre 77'); Camberra, Jorge Duarte (Ricardinho 85'), Abílio e Luiz Cláudio; Octávio (Jorginho 70') e Quinzinho.
Treinador: Neca. Suplentes Não Utilizados: Ádamo e Quim Costa.

Disciplina:
Amarelos: Jorge Duarte 20'; Nuno Afonso 43'; José Soares 44'; Paulo Jorge 48'; Pedro Emanuel 61';

Marcador: 1-0 José Soares 22' (Auto-Golo); 2-0 Silva 49'; 3-0 Whelliton 64'.
Plantel Campeão: Ricardo (28 Jogos); William (7 Jogos); Rui Óscar (23 Jogos/1 Golo); Frechaut (21 Jogos/1 Golo); Quevedo (16 Jogos/1 Golo); Erivan (27 Jogos/1 Golo); Sérgio Carvalho (2 Jogos); Litos (33 Jogos/5 Golos); Pedro Emanuel (27 Jogos); Marçal (1 Jogo); Geraldo (9 Jogos/1 Golo); Jorge Silva (20 Jogos/1 Golo); Duda (33 Jogos/10 Golos); Petit (26 Jogos/3 Golos); Rui Bento (29 Jogos); Pedro Santos (23 Jogos/2 Golos); Gouveia (8 Jogos); Sanchez (33 Jogos/9 Golos); Jorge Couto (17 Jogos/3 Golos); Martelinho (30 Jogos); Rogério (7 Jogos/2 Golos); Silva (21 Jogos/11 Golos); Demétrios (6 Jogos); Whelliton (28 Jogos/7 Golos).
Não somaram qualquer minuto: Khadim (Guarda-Redes); Emanuel (Médio Centro) e Moreira (Ponta de Lança). Treinador: Jaime Pacheco.

sábado, 26 de dezembro de 2009

Acontecimentos da década em Portugal: 2000 - Selecção: Estivemos quase...

Falar em 2000 e não falar da campanha da Selecção Portuguesa no Euro 2000, é como falarmos no Barcelona e esquecermos que Messi existe. A campanha portuguesa foi, sem dúvida, espectacular.
Portugal começou por ter azar, logo no sorteio: ter pela frente, Alemanha, Inglaterra e Roménia, não é tarefa fácil para ninguém. Estava então, no "grupo da morte".
Na Jornada um, no Philips Stadium em Eindhoven, a Inglaterra aos 18' já vencia por 2-0.
Mas Portugal, tal e qual como nós o conhecemos, não baixou os braços e ao intervalo já o jogo estava empatado a dois golos. Figo e João Pinto, marcaram ambos, um golo fenomenal e que ficou para a história.
No segundo tempo, Nuno Gomes limitou-se a encostar aos 59', e a vitória foi nossa.
Segunda jornada, novamente de sofrimento. Contra a Roménia de Hagi, Popescu, Stelea, entre outros, Portugal marcou apenas em tempo de descontos.
Foi Costinha, que tinha entrado aos...87' para o lugar de Rui Costa, a dar a vitória. 1-0, resultado final e estavámos nos Quartos.
Na terceira e última jornada da fase de grupos, Portugal já apurado, enfrentou a Alemanha, que era uma das desilusões da prova.
Sérgio Conceição, foi o senhor da noite, ao fazer hat-trick. Portugal goleou os alemães por claros 3-0, e continuou o seu percuso cem por cento vitorioso.
Nos quartos de final, Portugal enfrentou a Turquia, também ela selecção recheada de talento e de bons valores. No final, vitória por 2-0 (dois golos de Nuno Gomes) de Portugal, e estávamos perto de fazer (ainda mais) história.
Para as meias finais, pode-se dizer, que nos "saiu a fava". O adversário a enfrentar, seria a França, campeã do Mundo em 1998. Mas não era por isso. Os franceses são verdadeiros "artistas" na arte de enganar. E, mais uma vez, esse foi o nosso problema.
Portugal começou bem o jogo, e aos 19' já estava na frente. Nuno Gomes à meia volta, inaugurou o marcador.
No entanto, na segunda parte, Henry empatou o jogo, estavam decorridos 51' minutos.O tempo foi passando e não houve quem conseguisse evitar o prolongamento.
Minuto 117' (faltavam três para o apito final), e corte limpo de Abel Xavier com o peito. Todo o Mundo, viu esse "corte limpo", menos o árbitro da partida, o austríaco Günter Benkö. Grande penalidade e Zidane a fazer o 2-1.
Portugal ficava pelo caminho, mais uma vez (a primeira tinha sido no Euro '84), à custa de uns franceses batoteiros.
Mesmo assim, esta selecção foi digna da alcunha "Geração de Ouro". A todos eles, um enorme bem-haja e viva Portugal !

Jogadores presentes na fase final do Euro 2000: Vítor Baía (4 Jogos); Pedro Espinha (1 Jogo); Quim (1 Jogo); Jorge Costa (5 Jogos); Rui Jorge (1 Jogo); Dimas (4 Jogos); Fernando Couto (5 Jogos); Abel Xavier (3 Jogos); Beto (2 Jogos); Vidigal (4 Jogos); Paulo Sousa (2 Jogos); Luís Figo (4 Jogos/1 Golo); Rui Costa (5 Jogos); Sérgio Conceição (5 Jogos/3 Golos); Costinha (4 Jogos/1 Golo); Paulo Bento (4 Jogos); João Pinto (4 Jogos/1 Golo); Sá Pinto (3 Jogos); Pauleta (1 Jogo); Capucho (3 Jogos); Nuno Gomes (5 Jogos/4 Golos).
Secretário não efectuou qualquer jogo. Treinador: Humberto Coelho.

Acontecimentos da década em Portugal: 2000 - Sporting campeão 18 anos depois

Nos próximos dias, aproveitarei o facto de o ano 2009 estar a chegar ao fim, para relembrar aqui os melhores da última década.
São acontecimentos passados em Portugal, e claro, com os portugueses no estrangeiro. Começarei, claro está, pelo início: 2000.
Estamos em 2000, e o FC Porto parece embalado para a conquista do Hexa Campeonato.
No entanto, o "reinado" azul e branco, terminou no dia 18 de Março. Na visita a Alvalade, André Cruz (aos 16'), e Acosta (aos 37') puseram termo à liderança do FC Porto. Estávamos na 26ª Jornada.
Daí para a frente, só deu Sporting no Campeonato.
Em oito jogos, os leões venceram seis, empataram um e perderam um, precisamente na penúltima jornada frente ao Benfica.
Dezoito anos depois, o fim do pesadelo, estava à vista.
Na última jornada, na visita ao terreno do Salgueiros, a vitória bastava para o Sporting ser campeão.
Os leões, não fizeram por menos: venceram por 4-0. Foi a alegria imensa de todos os sportinguistas.
Naquele dia, saíram todos a rua. Afinal, não é todos os dias que se põe fim a um jejum de 18 anos.Recorde a ficha de jogo:

Salgueiros: Jorge Silva; Pedro Reis (Panduru 76'), Ricardo Fernandes, Paulinho, Neves (João Pedro 57') e Carlos Ferreira; Rui Ferreira, Pedrosa (Ramos 69') e André; Paquito e Fehér.
Treinador: Vítor Manuel. Suplentes Não Utilizados: João Ricardo e Basílio.

Sporting: Schmeichel; Saber, André Cruz, Quiroga e Rui Jorge; Duscher, Vidigal e Pedro Barbosa (Bino 81'); De Franceschi (Mpenza 66'), Ayew (Toñito 73') e Acosta.
Treinador: Augusto Inácio. Suplentes Não Utilizados: Nélson e Edmilson.

Disciplina:
Amarelos: De Franceschi 64'; Rui Jorge 72'; Rui Ferreira 84';

Marcador: 0-1 André Cruz 47'; 0-2 Ayew 51'; 0-3 Duscher 75'; 0-4 André Cruz 88'.

Plantel Campeão: Schmeichel (28 Jogos); Nélson (6 Jogos); César Prates (14 Jogos/1 Golo); Saber (18 Jogos); Quim Berto (4 Jogos); Vinícius (4 Jogos); Rui Jorge (34 Jogos/2 Golos); Marcos (5 Jogos); Beto (28 Jogos/2 Golos); Quiroga (13 Jogos); André Cruz (18 Jogos/4 Golos); Marco Almeida (1 Jogo); Delfim (17 Jogos/3 golos); Vidigal (32 Jogos/1 Golo); Duscher (28 Jogos/3 Golos); Viveros (3 Jogos); Toñito (27 Jogos); Bino (11 Jogos); Afonso Martins (2 Jogos); Pedro Barbosa (31 Jogos/2 Golos); Edmilson (20 Jogos/2 Golos); Hanuch (11 Jogos); Ayew (26 Jogos/7 Golos); Mpenza (17 Jogos/3 Golos); Robaina (3 Jogos); De Franceschi (25 Jogos/3 Golos); Acosta (33 Jogos/22 Golos); Iordanov (11 Jogos/1 Golo); Krpan (2 Jogos).
Não efectuaram qualquer jogo: Nuno Santos (Guarda Redes); Fumo (Avançado); Kmet (Médio Ofensivo); Vasco Faísca (Defesa Esquerdo/Defesa Central).

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Você pagava para jogar na Liga Europa ?

Se tem vontade de jogar futebol, e quer participar na próxima edição da Liga Europa, e tem 10 mil euros disponíveis, então o lugar pode ser seu.
O FC Olimpia, 4º classificado do campeonato da Moldávia, está a oferecer um lugar no onze, em leilão.
A 21 de Dezembro, o Olimpia de Balti lançou o concurso em parceria com o portal televisivo Sports.md.
Até 21 de Março de 2010, todos podem apresentar a sua proposta "de compra". Basta ter entre 18 e 60 anos, ser homem, e claro, não ter problemas de saúde.
O formulário está disponível no site oficial do clube (http://fcolimpia.md/en/worldstar).
Será necessário um registo inicial de 300 euros. Depois, o concorrente avança com a sua proposta. O mínimo são 10 mil euros. Mas se alguém quiser pagar um milhão de euros, já nem há concurso, teremos vencedor imediato.
«Depois de assinar contrato com o FC Olimpia, essa pessoa será famosa em todo o Mundo. Poderá contar com reportagens nos jornais e televisões. Por momentos, essa pessoa será tão popular como Cristiano Ronaldo, Messi ou Ronaldinho. Ele virá até à Moldavia, para treinar connosco e até poderá jogar no campeonato ou na Taça. Irá trabalhar e depois garantidamente jogar nas competições europeias» diz o vice-presidente, Sergei Chiseliov.
Um aviso para os interessados: o Olimpia está em 4º lugar no Campeonato, e chegou as meias finais da Taça da Moldávia. Oferece um lugar na Liga Europa, ou até na Champions League, mas não é certo que lá chegue.
Entretanto, o clube deu um passo "de gigante" para promover a sua iniciativa.
Contactou Michael Schumacher para oferecer-lhe o lugar. Tem algum talento, fama e o dinheiro necessário. Basta querer.
Afinal, ainda é importante ser-se rico !

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Ronaldo Guiaro

Ronaldo Guiaro, nasceu a 18 de Fevereiro de 1974, em Piracicaba, São Paulo. Formado no Guarani, chegou à equipa principal em 1993.
Em 1995, rumou ao Atlético Mineiro, onde ficou até 1996. Em ambas as épocas, realizou vinte jogos no Brasileirão.
Seria contratado pelo Benfica em Janeiro de 1997, vindo com o rótulo de vedeta, pois, afinal, tratava-se de um defesa central internacional brasileiro, e que tinha disputado os Jogos Olímpicos no ano transacto. Porém, na primeira época de águia ao peito, Ronaldo disputou apenas três jogos no Campeonato.
Em 97/98, participou em vinte e sete jogos, e só em 98/99 marcou com a "nova" camisola: foi frente ao Beira Mar, na terceira jornada, e Ronaldo fez o 3-0 aos 54'. Nessa temporada, alinhou em trinta partidas, marcando dois golos.
Jogaria mais duas temporadas no Benfica: 99/00 (vinte e sete jogos/um golo) e 00/01 (vinte e quatro jogos/um golo).
Saiu em Junho de 2001 rumo à Turquia, assinando pelo Besiktas, e a primeira época correu muitíssimo bem ao central: trinta e quatro jogos, seis golos marcados.
Permaneceu no Besiktas por mais três temporadas, sendo que em 02/03, marcou um golo em trinta e três jogos; 03/04 fez vinte e sete jogos e um golo; e em 04/05 realizou dezanove jogos.
Abandonou os turcos, e ficou livre até Janeiro de 2006, altura em que assinou pelo Santos, do seu país Natal. Em 2006 e 2007, realizou exactamente o mesmo número de jogos: participou em vinte e um em ambas as temporadas, sem nunca ter marcado qualquer golo.
Reforçou o Aris de Salónica, da Grécia, no Verão de 2007, e por terras helénicas, Ronaldo realizou um temporada de 07/08 muito boa.
Participou em vinte e nove jogos, e marcou um golo, sendo, portanto, um jogador decisivo na campanha do Aris, que terminou o campeonato num belíssimo quarto lugar.
Na temporada seguinte, seria pouco utilizado, uma vez que fez apenas doze jogos. Esta temporada, já leva jogos jogos efectuados, e um golo marcado.
Soma uma internacionalização A pelo Brasil, além de ter disputado (como já foi referido) os Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996, pela "Canarinha".
Conhecido em Portugal e pelos benfiquistas somente por Ronaldo, este central brasileiro dividiu e continua a dividir opiniões na 'família encarnada'.
Feliz Natal Ronaldo!

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Mário Jardel

Todos nós temos as nossas referências, os nossos ídolos. E é precisamente do meu ídolo, que falo hoje.
Mário Jardel Almeida Ribeiro (ou Super Mário), nasceu em Fortaleza (Brasil), a 18 de Setembro de 1973.
É ponta de lança, tem 1.88 de altura, e pesa 76 quilos. Usou sempre o "mítico" número 16.
Deu os primeiros pontapés na bola ao serviço do Ferroviário, onde jogou até aos Juvenis. Em 1990 Jardel, então com 17 anos, jogou pela equipa principal, brilhando depois na Taça Rio de Janeiro no escalão de Juvenis, despertando o interesse do Vasco da Gama.
Completou a sua formação no Vasco da Gama, chegando à equipa principal vascaína, em 1993, fazendo apenas dois jogos no Brasileirão, mais três na Taça.
Em 1994 já com mais experiência, Super Mário, apontou três golos no Brasileirão, em treze jogos, fazendo mais três na Taça do Brasil.
Foi emprestado ao Grémio de Porto Alegre em 1995, onde apontou dez golos em apenas treze jogos para o campeonato. Porém, seria na Taça Libertadores que Jardel daria nas vistas. Apontou doze golos, e levou o Grémio a conquista do torneio.
Para permanecer no Grémio, o clube tricolor teria de pagar um milhão e duzentos mil dólares (cerca de 837 mil euros), valor considerado alto na altura.
Acabou transferido para o FC Porto, pelo esse valor. Pelo meio, esteve perto de ser reforço do Rangers da Escócia, e do...Benfica.
Jogou nos azuis e brancos durante quatro temporadas e com o sucesso que lhe é conhecido: entre 1996 e 2000, Jardel marcou 129 golos em 125 jogos a contar para o Campeonato, o que dá uma média de mais de um golo por jogo. Qualquer coisa de fantástico.
Depois de ser tri-campeão português, de vencer três Supertaças, e duas Taças de Portugal, Super Mário acabou vendido ao Galatasaray, da Turquia, em 2000, por dezasseis milhões de Euros.
Ao serviço dos turcos, Jardel apontou vinte e dois golos em vinte e quatro jogos no campeonato, o que foi insuficiente para a conquista do título. Ajudou o clube a vencer a Supertaça Europeia, tendo mesmo bisado frente ao Real Madrid.Regressou a Portugal para 2001/2002, onde até lhe colocaram um cachecol do FC Porto à chegada.
Mais uma vez, falou-se do Benfica, e da promessa eleitoral de Manuel Vilarinho, mas Super Mário acabou em...Alvalade.
No Sporting, tinha o salário mais alto do plantel, salário esse que duplicava, no caso de atingir os vinte golos. Não só fez os tais vinte golos, como ultrapassou essa marca em mais de três dezenas: marcou cinquenta e três golos (quarenta e dois só numa época) em quarenta e nove jogos, dando um campeonato ao Sporting (01/02).
Na temporada seguinte, problemas com álcool e droga, levaram à queda de Super Mário. Apenas onze golos em dezanove jogos. Ainda assim, suficiente para ser o melhor marcador da equipa.
Saiu do Sporting, e de Portugal, rumo ao Bolton de Inglaterra, onde participou em sete jogos na Premier League. Acabou dispensado em Janeiro, sendo emprestado ao Ancona de Itália.
Apenas três jogos na Série A, e o episódio caricato de ter cumprimentado a claque adversária, pensando que essa era a claque do Ancona.
Ainda em 2004 rumou a um país bem perto do seu: tornou-se jogador do Newell's Old Boys, da Argentina, onde foi companheiro de Ariel Ortega e de Fernando Belluschi, mas mais uma vez, passagem muito discreta e fugaz, uma vez que realizou apenas três jogos.
Em 2005 rumou a Espanha, mais concretamente ao Alavés, onde não conseguiu a estabilidade que pretendia, acabando por não realizar qualquer jogo.
Deixou a Espanha, e regressou a casa. O Goiás foi quem o acolheu, e ao serviço do Goiás, apontou um golo em quatro jogos. Golo esse que marcou dois minutos depois de ter entrado, e dois minutos antes de ser expulso.
O campeonato português estava perto de arrancar, e o Beira-Mar, tratou de fazer uma "surpresa" aos seus adeptos: contratou Mário Jardel. Começou bem o campeonato, ao apontar dois golos em três jogos, e à quarta jornada, os aveirenses visitaram o Dragão. Jardel acabou substituído aos 78', e foi protagonista do momento alto da noite: foi aplaudido pelos 31423 espectadores presentes, com todo o estádio a levantar-se, para ovacionar aquele que em tempos "deu cor" às vitórias do FC Porto.
Ao todo, participou em doze jogos, marcando três golos. Seria dispensado por Carlos Carvalhal, pouco depois de ter dado um ponto ao Beira-Mar.Rumou ao Chipre, a tempo de conquistar a Taça cipriota ao serviço do Anorthosis. No campeonato, apontou três golos em sete jogos
Para 2007/08, Jardel rumou a um país bem longínquo do nosso e do seu: assinou pelo Newcastle Jets, da Austrália. Onze jogos e um golo, foi o saldo da sua passagem pela terra dos cangurus.
Regressou ao Brasil em 2008, para representar o Criciúma, tendo apontado quatro golos em dezasseis jogos, tendo mesmo marcado no jogo da sua estreia.
Saiu depois para o clube que o revelou no Mundo do futebol, apontando somente dois golos em nove jogos, ao serviço do Ferroviário. Acabaria o ano ao serviço do América do Ceará, onde participou apenas em três jogos.
No mesmo ano de 2009, chegou a ter tudo acertado para representar o Rio Branco, mas faltou à apresentação, o que lhe valeu o cancelamento do contrato.
Soma ainda nove internacionalizações pela "Canarinha", tendo apontado um golo, frente à Noruega.
Tinha, claramente, um enorme faro pelo golo, e teve em Drulovic e João Pinto dois "cúmplices" de renome.
Se "Drulo" fazia cruzamentos de régua e esquadro, João Pinto tinha jogadas de mestre, deixando depois para Jardel fazer golo.
Detém também em Portugal, o recorde de maior número de golos marcados num jogo: fez sete em quarenta e cinco minutos (!) para a Taça de Portugal, frente ao Juventude de Évora em 1998.
Actualmente, Jardel é um jogador livre, e diz ter uma proposta da Europa e outra do Brasil.
Recentemente, em entrevista à SportTv, Jorge Silva capitão do Boavista, disse: "Não fomos bi-campeões, porque o Sporting tinha um Senhor chamado Jardel que fez 42 golos", palavras para quê?

Palmarés:
Campeonato Carioca: 3 (Vasco da Gama, 1992, 1993 e 1994)
Copa do Rio: 1 (Vasco da Gama, 1993)
Taça Libertadores: 1 (Grémio, 1995)
Recopa Sul-Americana: 1 (Grémio, 1996)
Campeonato Gaúcho: 2 (Grémio, 1995 e 1996)
Campeonato Português: 4 (FC Porto, 1996/97, 1997/98 e 1998/99. Sporting, 2001/02)
Taça de Portugal: 3 (FC Porto, 1997/98 e 1999/00. Sporting, 2001/02)
Supertaça de Portugal: 3 (FC Porto, 1996/97, 1997/98 e 1998/99)
Supertaça Europeia: 1 (Galatasaray, 2000)
Campeonato Argentino: 1 (Newell's Old Boys, 2004)
Campeonato Goiano: 1 (Goiás, 2006)
Taça do Chipre: 1 (Anorthosis, 2006/07)
Bota de Ouro (Europa): 2 (1999, 2002)
Melhor Marcador da Libertadores: 1 (1995)
Melhor Marcador de Portugal: 5 (1997, 1998, 1999, 2000 e 2002)

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

João Pereira no Sporting

O até aqui jogador do Sp. Braga, João Pereira, assinou hoje pelo Sporting, até 2014.
O valor da transferência é de três milhões de euros, comunicou o clube de Alvalade à CMVM.
João Pereira, esteve hoje presente num jantar da claque "Juventude Leonina", e disse ter sido fácil chegar a acordo: "Não tive qualquer dúvida" referiu.
Os adeptos leoninos, não esqueceram que João Pereira é formado no grande rival, Benfica, mas "terá sido por engano" disseram.
"Agora só penso no Sporting, porque é cá que estou e vou defendê-lo até à morte. Quero dar seguimento ao bom trabalho que tenho vindo a desenvolver nas épocas anteriores." disse João Pereira.
E quais são os objectivos? "Lutar por títulos. Qualquer jogador que ingresse no Sporting tem sempre o objectivo de lutar pelo título e pelas quatros provas em que o clube ainda está inserido, porque quer conquistá-las."
João Pereira, torna-se assim o segundo reforço do Sporting, no mercado de Inverno, depois da contratação do moçambicano Mexer.
Formado nas escolas do Benfica, João Pereira sagrou-se campeão pelos encarnados em 04/05, sendo emprestado em 05/06 ao Gil Vicente, tendo pelo meio representado a equipa B encarnada.
No Gil Vicente, durante época e meia (Janeiro de 2006 a Junho de 2007), João Pereira, deu um "salto" na sua carreira, ao assinar pelo Sporting de Braga, clube onde permaneceu até hoje.
Com vinte e cinco anos, soma já uma internacionalização pela Selecção B, vinte e três pelos Sub-21 (um golo), e oito pelos Sub-19 (um golo).

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Históricos do Nosso Futebol: Alverca

Fundado a 1 de Setembro de 1939, o Futebol Clube de Alverca, tem a sua sede em Alverca do Ribatejo, nos subúrbios da capital, Lisboa.
Nasceu graças a um elevado grupo de jovens, que decidiu constituir um grupo desportivo, devidamente organizado, devido à extinção do Alverca FC e do SC Alverca.
O primeiro passo dado, foi adquirir uma bola de borracha, para que pudessem disputar os primeiros jogos no Largo do Adro.
Em 1938, decidiram convidar outros jovens, para assumirem os destinos do clube.
Numa reunião realizada na Barbearia de Avelino Luís da Vitória, na Rua João Mantas, nº 17, a Comissão convidada aceitou o desafio proposto e aproveitou ainda para baptizar o clube de Futebol Clube de Alverca.
Foi também decidido, que a quota do associado, seria de 50 escudos semanais.
Com o tempo, o projecto foi ganhando forma, até a sua oficialização em 1939.
O Alverca andou então pelos Distritais de Lisboa até 1965, ano em que disputou a III Divisão - 6ª Série, em que se posicionou no terceiro lugar, entre dez equipas.
Voltou a disputar os Distritais, até à temporada 1970/1971. Em 1971/1972 voltou aos Nacionais, disputando a III Divisão Série C, até à temporada 1974/1975.
De 1975/1976 a 1980/1981 disputou a Série E. Precisamente, em 80/81 foi décimo sexto e último classificado, descendo assim aos Distritais.
Por lá andou o FC Alverca, até a temporada 1986/1987, temporada em que conseguiu a promoção para a III Divisão Nacional.
Em 1987/1988, ano de regresso aos Nacionais, os ribatejanos, foram segundos classificados na Série E, conseguindo assim a promoção para a II Divisão B.
Disputou nas temporadas seguintes, a II Divisão Zona Sul (88/89 e 89/90). Com a mudança do formato da II Divisão, o Alverca integrou a II Divisão B Zona Sul, durante cinco temporadas (90/91 a 94/95).
Foi precisamente em 94/95 que o Alverca, alcançou um dos pontos altos da sua história. Foi primeiro classificado da Zona Sul, com dezanove vitórias em trinta e quatro jogos jogos, e conseguiu assim a promoção à Liga de Honra.
Disputou a Liga de Honra durante três temporadas. Sempre aflito nas duas primeiras (95/96 e 96/97), e terceiro classificado em 97/98, o que lhe valeu nova e histórica promoção ao primeiro escalão do futebol português.
Na I Liga durante quatro temporadas, os ribatejanos alcançaram o melhor registo em 99/00 quando se classificaram no décimo primeiro lugar final.
Em 2001/02, classificaram-se no décimo oitavo e último lugar da tabela, o que valeu a descida à Liga de Honra. Esse é, o pior registo do Alverca na I Liga.
A Liga de Honra em 02/03, foi um autêntico passeio para os ribatejanos.
Terminaram o campeonato em segundo, regressando assim de forma categórica à Primeira Divisão Portuguesa.
De regresso à I Liga, o Alverca não foi além de um décimo sexto lugar final, o que valeu nova descida à Liga de Honra.
2004/05, foi uma temporada de muito sofrimento para o clube. No fim da primeira volta, já todos davam o Alverca como descido.
Puro engano. A contratação de Keita em Janeiro, ao Valence de França, revelou-se decisiva.
Em treze jogos, o ponta de lança senegalês, apontou sete golos. Actualmente, o jogador representa o Vitória de Setúbal, na Liga Sagres.
Uma segunda volta fantástica do Alverca, valeu a manutenção do clube, que se "quedou" no décimo terceiro lugar final. O pior, veio depois.
Problemas financeiros e administrativos, atiraram o clube para fora dos campeonatos profissionais, e mais tarde, para fora do futebol sénior.
Reapareceu o FC Alverca, em 06/07 na II Divisão Série 3 da AF Lisboa, terminando em quinto lugar. Na temporada seguinte, em 07/08, o clube sagrou-se campeão e ascendeu a I Divisão (equivalente à 2ª Divisão Distrital), escalão onde ainda permanece.
Na temporada passada, o clube esteve muito perto de ascender à Divisão de Honra.
O clube equipa de camisola vermelha, com mangas azuis, calção azul e meia azul, e disputa os jogos caseiros no Complexo Desportivo do FC Alverca.

Palmarés do FC Alverca:
Campeonato Nacional da 2ª Divisão B: 1 (1994/1995)
Campeonato Distrital da II Divisão da AF Lisboa: 1 (2007/2008)
Campeonato Nacional de Juniores: 1 (2001/2002)

Ainda o Clássico: Sapunaru e Hulk expulsos.

O romeno Sapunaru e o brasileiro Hulk, foram expulsos por Lucílio Baptista depois do apito final do clássico, e devem falhar os dois próximos jogos do FC Porto.
Certo é, que pelo menos um (a visita à Oliveirense para a Taça de Portugal), ambos falharão. O jogo seguinte dos tetracampeões, é com o Leixões para a Taça da Liga. Ou seja, não perderão qualquer jogo do campeonato nacional.
Os dois jogadores portistas, envolveram-se com um segurança do Benfica, no túnel de acesso aos balneários, precisamente, na altura em que o árbitro da partida, estava a passar.
O assunto estará seguramente no relatório da equipa de arbitragem que já seguiu para a Liga de Clubes. Refira-se que não houve qualquer jogador do Benfica envolvido no incidente.
Terá havido, então, uma troca de palavras, entre o segurança de nome Sandro, e Sapunaru, que terá sido agredido com um murro.
O romeno reagiu de imediato, com a ajuda de Hulk, e o segurança teve de ser cosido num sobrolho.
Ninguém de ambos os clubes, quis comentar o incidente. Sapunaru, saiu calado e cabisbaixo, enquanto Hulk se recusou a comentar o sucedido: "Não posso falar, porque, se dissesse a verdade, seria prejudicado".
Do lado encarnado, ficou apenas, a garantia, que o caso será exposto à Liga de Clubes.
Já, Jesualdo Ferreira e Jorge Jesus desvalorizaram o sucedido. "Não se passou nada de especial" disse o técnico do FC Porto, na "flash interview".
"São os gritos e as confusões normais nestas circunstâncias. Mas não se passou nada de extraordinário. Entre os jogadores do Benfica e do FC Porto, não se passou nada. Até já estávamos a festejar na cabina. Aliás, está a dar-me uma novidade" revelou o técnico encarnado.

domingo, 20 de dezembro de 2009

4 Anos depois, Águia voltou a voar mais alto.

Quatro anos depois, da última vitória sobre o FC Porto, o Benfica voltou a sorrir.
Os encarnados venceram facilmente, um FC Porto, sem ideias, e com más opções técnicas.
E, mais uma vez, se confirmou a tendência desta temporada: sempre que se coloca primeiro em vantagem, o Benfica vence sempre;
Jesualdo acertou: Ramires foi titular. Certamente, não estaria a espera, da titularidade Urreta. Do lado, do FC Porto a mexida que também se adivinhava ao longo da semana: Saiu Belluschi, entrou Guarín.
O professor quis dar mais "músculo" ao meio campo, mas desta vez, deu-se mal.
Vitória justa da equipa encarnada, essencialmente pelo que fez e produziu no primeiro tempo. Na segunda parte, o FC Porto melhorou, mas criou pouco perigo.
Vamos ao jogo.
Um bom início do FC Porto, que até efectuou o primeiro remate da partida.
De seguida, jogo totalmente controlado pelo Benfica. A equipa da casa foi superior em todos os aspectos, e beneficiava do fraco rendimento do lado direito portista. Hulk e Fucile, estiveram completamente "out" do jogo.
Os encarnados, chegaram a vantagem, por intermédio de Saviola aos 23'. O argentino, escondeu-se atrás da defensiva portista (como faz frequentemente), e aproveitou um alívio de David Luiz, que apanhou de surpresa a defensiva portista. Cara-a-cara com Helton, "El Conejo" não facilitou e inaugurou o marcador.
Segundos antes, Alvaro Pereira em cima da linha, tinha evitado o golo de Cardozo.
Até ao intervalo, pouco ou nada de relevante para contar.Para a 2ª Parte, Jesualdo deixou Guarín no balneário e fez entrar Varela. O FC Porto, melhorou, e foi subindo no terreno, mas só rematou com perigo aos 62', quando Alvaro Pereira, testou Quim de fora da área.
Com o meio campo em quebra fisíca (Carlos Martins e Urreta a acusarem falta de ritmo), Jorge Jesus lançou Weldon e Luís Fílipe. Poucas eram as opções para o técnico encarnado, que de seguida, foi obrigado a esgotar as substituições devido a nova lesão de Ramires.
O Benfica, começava a ficar "apertado" defensivamente, mas até podia ter chegado ao 2-0, se Lucílio Baptista tivesse assinalado grande penalidade aos 73', por mão na bola de Crístian Rodríguez.
Jesualdo Ferreira, com mais opções do que o seu opositor, lançou Belluschi e Farías para os últimos 10' minutos. Sem grande sucesso.
O FC Porto, acabaria o jogo, encostado ao seu meio campo defensivo, fortalecendo ainda mais o mérito do triunfo encarnado.
No Benfica, destaque-se o jogo bem conseguido, por parte de toda a equipa, mas há que referir, que na 2ª Parte Saviola e Cardozo, praticamente não existiram.
Do lado azul e branco, Fucile (noite muito intraquila), Hulk (muitas percas de bola infantis), Guarín (5 faltas cometidas em 30 minutos), e Crístian Rodríguez (mantém um nível exibicional muito baixo), fizeram uma péssima exibição. Aliás, Rodríguez ficará para sempre, ligado a história deste jogo, devido ao penalti cometido.
Varela mexeu com o jogo, é certo, mas sem nunca conseguir criar grandes ocasiões. Palavra de apreço, também para Alvaro Pereira, que não comprometeu defensivamente, e subiu sempre "pela certa".
Adivinha-se muito trabalho pela frente, para o Professor.
Ficha de jogo:

Benfica: Quim; César Peixoto, Luisão, David Luiz e Maxi Pereira; Javí García, Ramires (Felipe Menezes 72'), Carlos Martins (Luís Fílipe 67') e Urreta (Weldon 67'); Cardozo e Saviola.
Suplentes Não Utilizados: Júlio César, Roderick, Míguel Vítor e Nuno Gomes.

FC Porto: Helton; Alvaro Pereira, Rolando, Bruno Alves e Fucile; Fernando, Raúl Meireles (Belluschi 79') e Guarín (Varela 45'); Hulk (Farías 77'), Falcao e C. Rodríguez.
Suplentes Não Utilizados: Beto, Nuno André Coelho, Sapunaru e Mariano.

Disciplina:
Amarelos: David Luiz 26'; Saviola 44'; Falcao 69'; Fernando 81'; Maxi Pereira 87'; C. Rodríguez 87'; Bruno Alves 87';

Golos: Saviola 22';

El Salvador: Juan Carlos Villalta assassinado.

O médio, de nacionalidade salvadorenha, Juan Carlos Villalta, jogador do Deportivo Liberal de Quelepa, da 2ª Divisão do El Salvador, foi assassinado na noite de ontem por dois indivíduos.
Villalta, encontrava-se numa cervejaria, com amigos, e foi baleado mortalmente por três vezes, acabando por falecer no local. Dois dos três tiros, atingiram a zona do tórax.
Este triste acontecimento, ocorreu na cidade de San Miguel, e chocou o futebol salvadorenho.
Neste momento, as autoridades já estão em investigação, para tentar ligar o futebolista aos autores do crime.
Amigos de Villalta, presentes no local, disseram à comunicação social do El Salvador que o jogador não tinha inimigos.
Juan Carlos Villalta, tinha 26 anos, e antes de chegar ao Deportivo Quelepa, representou:Águila, Balboa, Aspirantes e Chaparrastique.

Pinto da Costa vítima de tentativa de agressão.

Já ferve o Clássico.
Quando se preparava para abandonar o Hotel em que se encontrava, rumo ao Estádio da Luz, o presidente do FC Porto, Jorge Nuno Pinto da Costa, foi abordado por cinco adeptos.
Cinco adeptos esses, que chegaram muito perto do presidente portista, insultando-o, tendo um deles, encostado-se mesmo a Pinto da Costa, que se viu obrigado a parar.
Presentes no local, os agentes da PSP, impediram que a situação se complicasse, e detiveram de imediato o adepto.
Depois de uma curta conversa com a autoridade, os cinco adeptos puseram-se em fuga do local.
Pinto da Costa, não foi agredido, mas passou por uma situação complicada. Só, a resposta imediata da PSP, evitou males maiores.
Depois disto, Pinto da Costa voltou ao interior da unidade hoteleira, seguindo depois viagem rumo ao Estádio.

sábado, 19 de dezembro de 2009

13 anos depois: onde anda Arnold Wetl ?

Arnold Wetl nasceu em Eibiswald (Áustria), a 12 de Fevereiro de 1970.
Formado nas Camadas Jovens do Sturm Graz, envergou a camisola da equipa principal durante sete temporadas.
As boas exibições ao serviço do Sturm, abriram-lhe as portas da Selecção Austríaca, onde acabou por chamar a atenção de bons clubes europeus.
Reforçou o FC Porto, no Verão de 1996, ficando na memória o tal golo já aqui falado, na Luz a 18 de Setembro para a Supertaça.
Nas restantes competições, Wetl foi muito pouco utilizado por António Oliveira. No campeonato, participou em 11 jogos (apenas 2 como titular), marcando 1 golo, num total de 438 minutos que esteve em campo.
Na Europa, fez apenas uma participação. Foi contra o Manchester United, nas Antas, quando entrou aos 48' minutos para o lugar de Barroso.
Não fosse o golo marcado ao Benfica, e poucos (ou nenhuns) se lembrariam deste austríaco que teve uma passagem muito fugaz pelo nosso futebol.Fez as malas, no fim da temporada, regressando ao seu país para representar o Rapid de Viena.
Jogou no Rapid, durante sete temporadas. De 97/98 a 03/04.
Terminou a carreira, ao serviço do Gratkorn, também da Áustria, onde jogou duas temporadas (04/05 e 05/06), ambas na 2ª Divisão Austríaca.
Jogador possante, e dono de um pé esquerdo fantástico, Wetl foi internacional A pela Áustria, por 21 ocasiões, marcando 4 golos. Era médio ofensivo.
Há, sensivelmente um ano, Wetl esteve á conversa com o MaisFutebol: "Não pode ser só coincidência, mas ainda há dias os meus três filhos resolveram pesquisar na internet e estiveram a ver esse golo no Youtube, um site de vídeos, não sei se conhece" disse o austríaco, orgulhoso do golão que fez.
"Eles ficaram muito orgulhosos. Se bem me lembro, foi o meu primeiro jogo oficial pelo FC Porto. Esse golo na Luz marcou a minha carreira".
Actualmente, o austríaco é o treinador dos Sub-17 do Sturm Graz, e diz-se orgulhoso da carreira que teve.
"Sou treinador dos jovens na academia do Sturm Graz. Oriento a equipa de sub-17."
"Depois do Rapid de Viena, voltei ao Sturm Graz e terminei a carreira no FC Gratkorn, depois de uma época na segunda divisão. Foi há três épocas, estava com 35 anos, penso que foi o momento certo. Joguei 17 anos como profissional. Conquistei títulos em Portugal, na Áustria e fui 20 vezes internacional pela selecção principal, estando no Mundial de 1998. Penso que não foi uma má carreira." disse Wetl, extremamente orgulhoso do seu passado.

Memórias de um clássico...memorável.

Benfica - FC Porto, é um jogo que nos fica na memória para sempre.
Por esta ou por aquela razão, dificilmente esqueceremos um clássico destes.
A exemplo pessoal, lembro me de um belíssimo golo do austríaco Arnold Wetl na Luz, na vitória estrondosa do FC Porto por 5-0; assim como o golo anulado a Petit; entre outros lances caricatos.
Nos últimos anos, a visita à Luz que mais prazer deu aos portistas, foi a já referida vitória por 5-0 na Supertaça, em 1996.
Para os benfiquistas, a melhor memória possível, nos últimos anos, é a vitória por 1-0 em 2005/06, num golo de livre de Laurent Robert.
Vamos então aos mais recentes clássicos que ficaram na memória.
2004/05: E quando Petit, disparou do meio da rua, a bola entrou, e o árbitro disse que...não foi golo ?
Lance esse muito caricato, e polémico. Olegário andou meses nas bocas do Mundo, depois de anular um golo, em que a bola entra. Certo, é que os azuis, lá venceram por 1-0.
2006/07: Dos jogos com melhor ambiente, em que já estive presente. A Luz estava ao rubro. O FC Porto vinha de uma derrota por 1-0, em casa frente ao Sporting, e o Benfica vinha de uma vitória na Amadora, sobre o Estrela. Estavam agora, separados por um ponto.
Sobre o intervalo, Pepe deu vantagem aos azuis. O FC Porto foi aguentando a pressão encarnada, até que aos 83' Lucho fez auto-golo e empatou as contas. Já perto do apito final, Rentería teve o maior falhanço da história dos clássicos...lembra-se ?
2007/08: O Campeão, levava já quatro pontos de avanço, e muitos já diziam que podia encomendar as faixas.
O FC Porto, entrou então, decidido a levar de vencida o clássico, e foi sempre a equipa com sinal mais. Aos 42', num contra-ataque falhado do Benfica, nasceu um contra-ataque rápido por Quaresma, que desequilibrou junto à linha, ultrapassou facilmente David Luiz, e de trivela (como só ele sabe fazer) atirou para o fundo das redes. Momento mágico na Luz.
Foram alguns dos clássicos, que ficam na memória. Claro, que podia aqui falar quando Jardel fez o que quis de Jorge Soares e fuzilou Preud'Homme (96/97); ou na vitória do Benfica por 2-0 nas meias finais da Taça de Portugal, na mesma temporada.
Como já viu, Benfica e FC Porto, são capazes de disputarem jogos que nos marcarão para sempre.





Clássico joga-se amanhã.

É, já amanhã, o dia que todos os portugueses anseiam desde o começo do campeonato.
Benfica e FC Porto, medem forças, na jornada 14 do Campeonato.
Em casa, os encarnados, já não vencem o FC Porto, desde a temporada 2005/2006.
Na altura, Laurent Robert, fez o único golo da partida, num lance, em que Baía tem culpas.
Daí para cá, o FC Porto, alcançou dois empates, ambos a um golo (2006/07 e 2008/09), e uma vitória por 1-0, num lance de génio de Ricardo Quaresma, em 2007/08.
Para o jogo de amanhã, Jorge Jesus, tem Rúben Amorim, Fábio Coentrão, Sidnei e Dí María como baixas (Aimar, David Luiz, Luisão e Ramires estão em duvída), enquanto que da Invicta vem uma equipa com todo o plantel operacional.
Por esta altura, o Benfica é 2º com 30 pontos, enquanto o FC Porto é 3º com 29.
Seja, qual for o resultado do clássico, o Braga será campeão de Inverno, dado que venceu em Paços de Ferreira, na noite de ontem por 1-0.
Jesualdo Ferreira, técnico do FC Porto, está ansioso por enfrentar o Benfica, e claro, ser bem sucedido, como o próprio revelou hoje, na antevisão da partida: "Já lá queríamos estar, preparámo-nos para jogar. É um jogo de emoções, de perda de racionalidade. É um jogo em que quem canalizar melhor estas questões tira vantagem, como eu não jogo vão ter de ser os intérpretes do jogo a ter essa capacidade".
Jesualdo, disse ainda ser uma vantagem ter toda a equipa disponível, e prometeu o melhor FC Porto na Luz. E, na opinião do técnico portista, Ramires vai jogar.
Do lado benfiquista, o presidente, Luís Filipe Vieira prefere "jogar à defesa".
"Primeiro espero uma vitória no basquetebol hoje (o Benfica recebe o FC Porto), depois, amanhã, logo se vê", disse na inauguração da Casa do Benfica de Torres Vedras.
O "Conversas Redondas" espera, um bom jogo de futebol, sem casos, e claro, sem violência.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Jogos com história: FC Porto 0-1 Atlético (2006/2007)

Quem não se lembra de jogos como Benfica - Gondomar, FC Porto - Torreense, Sporting - Naval, etc. ?
Dou início a esta nova rubrica, voltando atrás no tempo, para "tirar" do baú, jogos que marcarão para sempre a história do futebol português. Começo então, por um jogo bem recente.
7 de Janeiro de 2007. Tarde chuvosa no Dragão. Era mesmo de Inverno.
Frente a frente, FC Porto e Atlético. De um lado, o cCampeão em título e líder do Campeonato; do outro, o 3º classificado da Série D, da II Divisão.
Um FC Porto desfalcado por opção técnica, e um Atlético com o seu onze base.
Os azuis e brancos, começaram o jogo ao ataque, e logo ao minuto três, João Paulo andou perto do golo, após canto de Ricardo Quaresma.
Na resposta, o Atlético por intermédio de Ricardo Aires, quase chegou ao golo, valendo ao FC Porto uma enorme intervenção de Vítor Baía.
Aos 30', Paulo Assunção serve Bruno Moraes, e este remata para uma excelente defesa de Marco. Foi o primeiro remate do FC Porto à baliza.
Ainda no primeiro tempo, o mesmo Bruno Moraes, após um magnífico passe de Vieirinha, cara-a-cara com Marco, fintou primeiro o guarda-redes, atrapalhando-se depois, vezes sem conta, até que acabou por perder ângulo para rematar.
Começavam a ficar nervosos os adeptos portistas.
Na 2ª Parte, mais uma vez o FC Porto ao ataque, e novamente por João Paulo. Desta vez, o cabeceamento do central, acertou no poste.
O Atlético respondia, e punha em sentido a defensiva azul e branca.
No entanto, o FC Porto também não se ficava, e andou mais uma vez perto do golo. Foi...João Paulo, a permitir uma excelente defesa de Marco.
Logo de seguida, foi Lisandro quem cabeceou, com a bola a passar pertíssimo do poste direito da baliza do Atlético.
Eis, que aos 59' se dá o momento do jogo. Na sequência de um lançamento de linha lateral, Ibson perde a bola infantilmente, e em zona proibida.
Aproveitaram os homens de Lisboa, que após alguma confusão na área portista, conseguem por intermédio de David, introduzir a bola no fundo das redes. Estava feita a surpresa.Até aos 90', o FC Porto dispôs ainda de duas grandes oportunidades.
Primeiro, foi Lisandro a rematar ao lado; e depois na sequência livre directo, foi Ricardo Quaresma, que viu a bola ser desviada na barreira.
Já em período de compensação, grande penalidade assinalada a favor da equipa da casa.
O árbitro Paulo Pereira, assinalou penalti a favor do FC Porto, por pretensa falta de Ricardo Aires, sobre Bruno Moraes. Penalti esse, inexistente.
Chamado a marcar, Ricardo Quaresma confirmou a tarde negra dos pupilos de Jesualdo: Acertou em cheio no poste.
60 anos depois, os Alcântarenses voltaram a eliminar o FC Porto na Taça de Portugal.Ficha de jogo:

FC Porto: Vítor Baía; Fucile (Alan 62'), João Paulo, Ricardo Costa e Marek Cech; Paulo Assunção (Lisandro 45'), Ibson (Adriano 67') e Raúl Meireles; Vieirinha, Ricardo Quaresma e Bruno Moraes.
Treinador: Jesualdo Ferreira. Suplentes Não Utilizados: Paulo Ribeiro; Bosingwa, Tarik e Sokota.

Atlético: Marco; Pedro Pereira (Hugo Freire 85'), Rolão, Ricardo Aires e Júnior; Simões, Lapa (Gonçalo 68') e Marco Bicho (Rui Andrade 83'); Nuno Gaio, David e Edmar.
Treinador: António Pereira. Suplentes Não Utilizados: Paulo Grilo; Lula, João Pedro e Artur Jorge Vicente.

Disciplina:
Amarelos: João Paulo 31'; Marco Bicho 82'; Ricardo Aires 90+2'; Rolão 90+5'; Marco 90+5';

Marcador: 0-1 David 59';