quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Liga Europa: Sporting e FC Porto voltam a vencer

Depois das derrotas de Braga e Benfica na Champions, FC Porto e Sporting "salvaram" a pontuação de Portugal nesta jornada europeia, ao vencerem ambos os seus desafios.
A primeira equipa a entrar em campo foi o actual lider do campeonato português: na Bulgária, o FC Porto entrou bem no jogo e Falcao apontou o único golo da partida aos 16' minutos.
A vitória portista não sofre contestação, principalmente pela primeira parte da equipa portuense. Só deu FC Porto.
Ainda assim, o CSKA podia ter chegado ao empate, fruto de desatenções defensivas de Maicon, Otamendi e Alvaro Pereira. Por quatro ocasiões, os búlgaros estiveram perto do empate, valendo ao FC Porto a má finalização de Michel Platini (não o francês, claro!) e de Sheridan.
Na resposta aos ataques dos búlgaros, Villas Boas lançou Varela, Walter e Guarín no decorrer do segundo tempo, dando alguma frescura à equipa, que procurou o golo da tranquilidade até ao fim.
Falcao, Belluschi, Maicon, Cristián Rodríguez e Walter foram os jogadores que mais perto estiveram de solidificar a vitória portista.
Resumindo: mais um triunfo para o FC Porto. E vão 11 consecutivos (quatro na Europa).
Já o Sporting, também defrontou uma equipa búlgara e também da cidade de Sófia: o Levski. Uma exibição tranquila, permitiu à equipa de Alvalade golear os búlgaros por 5-0. No entanto, os leões apanharam um grande susto logo no primeiro minuto. Um corte defeituoso de Polga isolou Diakité, mas o avançado forasteiro não conseguiu bater Rui Patrício.
Depois, veio o domínio sportinguista. Hélder Postiga bem que rematava, mas sem nunca conseguir marcar golo, e foi graças a um remate de Postiga, que nasceu o primeiro golo dos leões.
Na sequência de um pontapé de canto, Daniel Carriço desviou ao primeiro poste para o fundo da baliza, quando estavam decorridos 30' minutos.
Aos 43' minutos, um centro de Vukcevic encontrou a cabeça de Maniche, e o experiente médio aumentou para 2-0.
Postiga continuou a mostrar serviço no segundo tempo, primeiro ao assistir o jovem Diogo Salomão para o terceiro golo aos 53'; depois ele mesmo se encarregou de fazer o 4-0 aos 61'.
A onze minutos do fim, Matías Fernández fechou as contas ao fazer o quinto golo da noite.
Assim sendo, Sporting e FC Porto lideram os seus grupos com seis pontos, fruto de duas vitórias em dois jogos.
Segue-se um duplo confronto: o Sporting terá pela frente o Gent da Bélgica; o FC Porto enfrentará o Besiktas da Turquia.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Liga dos Campeões: Benfica perde na Alemanha

Não tem sido uma jornada europeia fácil para as equipas portuguesas. Depois da derrota caseira do Braga ontem, hoje foi a vez do Benfica entrar em campo, na Alemanha, onde defrontou o Schalke.
Os encarnados que vinham em recuperação, foram travados pelo penúltimo classificado da Bundesliga. Derrota por 2-0.
Até foram os actuais campeões nacionais a dominar o primeiro quarto de hora da partida. Depois de um forte domínio, o Benfica deixou-se ir "abaixo".
Aos poucos, o Schalke foi equilibrando a partida, e dispôs mesmo de uma soberana ocasião para abrir o marcador. Raúl teve uma excelente combinação com Jurado, e já depois de receber o esférico dentro de área, rematou ao poste. Na recarga, Roberto evitou o primeiro golo do jogo.
O mesmo guarda-redes que não há muito tempo era o "cristo" dos encarnados, tem vindo a efectuar boas exibições, e hoje, voltou a brilhar.
Minutos depois de negar o golo a Raúl, Roberto fez uma defesa espantosa negando o golo a Rakitic.
Jurado era um verdadeiro perigo para os encarnados, e Javi García não conseguia deter o seu compatriota. Faltou quem acompanhasse Jurado no ataque, para que os "rasgos" do espanhol dessem resultado.
Na segunda parte, o jogo piorou em termos de qualidade, muito por culpa do Benfica. Os encarnados continuavam inoperactivos e com dificuldades em ligar os sectores.
O jogo estava fraco, e a vitória poderia cair para qualquer um dos lados. Ninguém parecia disposto a arriscar, e o Schalke aproveitou a ligeira superiodade de que dispunha para amealhar três pontos.
Num lance em que a bola cruzou a área do Benfica em duas ocasiões, Farfán "tratou" de abrir o activo, quando estavam decorridos 73' minutos.
Depois do golo, o jogo continuou igual: muita desconcentração, muitos passes errados. Resumindo, muito pouco futebol.
E, foi assim que aos 85' o Schalke selou o triunfo. Raúl tomou a iniciativa, avançou no terreno, deixou para Jones na esquerda e o alemão "limitou-se" apenas a cruzar para o interior da área, onde estava Huntelaar completamente solto a empurrar para o segundo golo. Aqui, David Luiz desatento, permitiu que o holandês finalizasse completamente à vontade.
Curiosamente, foi o ponta de lança que Jesus queria para o Benfica, a dar a "machadada" final no encontro.
O Benfica continua sem vencer na Alemanha, enquanto que o Schalke averbou o primeiro triunfo da temporada no seu terreno.
Nas próximas jornadas, o Benfica terá pela frente o Ol. Lyon, que soma por vitórias os dois jogos disputados na Champions.
Ficha de Jogo:

Schalke: Neuer; Uchida (Sarpei 58'), Metzelder, Papadopoulos e Schmitz; Matip, Jurado (Kluge 78') e Rakitic (Jones 66'); Huntelaar, Raúl e Farfán.
Treinador: Felix Magath. Suplentes Não Utilizados: Schober; Plestan, Edu e Jendrisek.

Benfica: Roberto; Maxi Pereira, Luisão, David Luiz e César Peixoto; Javi García, Carlos Martins, Gaitán (Salvio 45') e Fábio Coentrão; Saviola (Aimar 63') e Cardozo (Alan Kardec 71').
Treinador: Jorge Jesus. Suplentes Não Utilizados: Moreira; Sidnei, Airton e Felipe Menezes.

Disciplina:
Amarelos: Gaitán 45'; Salvio 49'; Javi García 56'; Uchida 57'; Farfán 62';

Golos: 1-0 Farfán 73'; 2-0 Huntelaar 85';

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Liga dos Campeões: Braga derrotado em casa

E à 2ª jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões, o Braga voltou a perder. Na recepção aos ucranianos do Shakhtar, os bracarenses acabaram goleados por 3-0.
No outro jogo do grupo, o Arsenal venceu em Belgrado, o Partizan por 1-3, e partilha agora, a liderança com o Shakhtar.
No primeiro tempo, os bracarenses dispuseram de algumas ocasiões de golo, mas não conseguiram concretizar.
Moisés de cabeça, esteve perto de marcar; e depois Salino falhou o desvio vitorioso por milímetros. Além destes desperdícios, havia ainda um guarda-redes muito inspirado, de seu nome, Pyatov.
O árbitro da partida, também ajudou à "festa", ao ter um critério demasiado largo, que irritou adeptos e jogadores do Sp. Braga.
Aos 32' minutos Rakitskyi arriscou ver o cartão vermelho, ao derrubar Paulo César no limite da grande área. A equipa de arbitragem nada marcou.
No segundo tempo, Domingos substituiu Leandro Salino, e o Braga perdeu equilíbrio. O técnico do Braga colocou em campo o atacante Lima, "sacrificando" o seu médio organizador, lançando-se à procura da vitória, mas as coisas não deram certo.
Passe de Douglas Costa e remate eficaz de Luiz Adriano. 0-1 aos 57', num lance em que Felipe é mal batido.
O Braga voltou a "carregar" na procura do empate, mas Pyatov foi evitando o empate, ao deter remates perigosos de Matheus, Paulo César e Lima.
Os ucranianos resistiram à pressão minhota, e selaram o triunfo a cerca de vinte minutos do fim. Luiz Adriano levou a melhor sobre Moisés, e fez o 0-2.
Antes do final do jogo, ainda houve tempo para mais um golo. Douglas Costa, um "puto" de reconhecido talento, selou as contas da partida, na conversão de uma grande penalidade já em período de descontos.
Ficha de Jogo:

Sp. Braga: Felipe; Miguel Garcia, Moisés, Rodríguez (Paulão 36') e Sílvio; Vandinho (Márcio Mossoró 74') e Leandro Salino (Lima 55'); Alan, Luís Aguiar e Paulo César; Matheus.
Treinador: Domingos Paciência. Suplentes Não Utilizados: Arthur; Elderson Echiéjilé, Andrés Madrid e Hugo Viana.

Shakhtar: Pyatov; Srna, Kucher, Rakitskiy e Rat; Hubschman (Vitsenets 79') e Gai (Jadson 65'); Douglas Costa, Mikhitaryan e Willian; Luiz Adriano (Eduardo 78').
Treinador: Mircea Lucescu; Suplentes Não Utilizados: Tetenko; Chyzhov, Kobin e Alex Teixeira.

Disciplina:
Amarelos: Rat 40'; Hubschman 51'; Mikhitaryan 61'; Matheus 87'; Douglas Costa 89'; Paulo César 90+1';

Golos: 0-1 Luiz Adriano 57'; 0-2 Luiz Adriano 72'; 0-3 Douglas Costa 90+2';

Liga ZON Sagres: Naval despede treinador

À passagem da 6ª Jornada da Liga ZON Sagres, eis a segunda "chicotada". Victor Zvunka, treinador francês que orientava a Naval, é a segunda "vítima" (Mitchell Van der Gaag, na altura treinador do Marítimo, havia sido a primeira).
O técnico que chegou esta temporada ao futebol português, não foi feliz nesta sua passagem pelo nosso futebol, tendo amealhado apenas quatro pontos (uma vitória e um empate) em seis jogos.
Depois da derrota caseira frente ao FC Porto na jornada inaugural, o conjunto figueirense venceu no Algarve o Portimonense por 1-0, seguindo-se mais duas derrotas: em casa frente ao Sporting (1-3); e em Coimbra, frente ao grande rival, Académica (3-0).
À 5ª Jornada, os figueirenses empataram a zero na recepção ao V. Setúbal, perdendo depois no passado fim de semana, em Braga, frente ao Sporting local por 3-1.
Concluídas que estão seis jornadas da principal liga portuguesa, a Naval ocupa o 14º e antepenúltimo lugar da tabela com os já referidos, quatro pontos, mais dois que a dupla que partilha os últimos lugares da classificação: Marítimo e Rio Ave.
Até ao jogo do próximo fim de semana, frente ao Paços de Ferreira, a equipa sénior do conjunto figueirense ficará entregue, mais uma vez, ao "bombeiro de serviço" Fernando Mira.
Victor Zvunka, de 58 anos, tinha assinado contrato por duas temporadas.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

II Divisão: Treinador do Sp. Espinho faleceu depois do jogo

António Jesus (na foto), antigo guarda-redes internacional português, e que actualmente orientava o clube da sua terra, Sp. Espinho, faleceu ontem horas depois da sua equipa ter empatado frente ao Boavista a um golo.
Depois do jogo terminar, segundo revelaram alguns amigos mais chegados, Jesus terá começado a sentir-se mal, e já em casa da sua filha, por volta das 20h, o mau estar continuou, e o antigo internacional decidiu então ir "apanhar um pouco de ar e beber um café".
No entanto, acabou por cair inanimado à porta de casa, vítima de um fulminante ataque cardíaco. Chamado ao local, o INEM nada pôde fazer, e o técnico do Sp. Espinho foi mesmo dado como morto no local.
Jesus, de 55 anos, formou-se nas camadas jovens do FC Porto,  tendo depois representado como sénior, Lourosa, Beira Mar, Varzim, V. Guimarães (onde viveu os melhores períodos da sua carreira), Leixões e D. Chaves.
Jesus, foi ainda internacional português durante sete ocasiões, tendo efectuado a sua estreia frente à Bélgica a 4 de Fevereiro de 1987. 
Foi precisamente, ao serviço do D. Chaves que Jesus começou a sua carreira de treinador, tendo passado depois por Marítimo, P. Ferreira, Sp. Covilhã, Benfica Castelo Branco e Tondela. Ao serviço destes dois últimos clubes, alcançou duas subidas de divisão da III para a II Divisão B.
Esta temporada, havia aceitado o "desafio" de orientar o clube da sua terra, o Sp. Espinho, onde somou por empates os dois jogos oficiais que disputou. 
O funeral de António Jesus, realiza-se amanhã, pelas 16 horas no cemitério de Anta, Espinho.
Até Sempre Jesus !

Liga Orangina: Fajardo acabou o jogo a...guarda-redes

(Entre 2007 e 2009, Fajardo representou o Vitória de Guimarães.)
João Fajardo, experiente extremo português, e que entre outros clubes, representou Belenenses, Naval e V. Guimarães, e que actualmente representa o Santa Clara da Liga Orangina, viveu no princípio da tarde de ontem, uma experiência nova e...inédita.
Habituado a jogar em zonas mais adiantadas do terreno, Fajardo viu-se "obrigado" a calçar as luvas, e a defender a baliza dos açoreanos nos últimos sete minutos da partida que opôs o Feirense ao Santa Clara.
Tudo isto se deveu, ao facto do guardião do Santa Clara, Ney, ter sido expulso aos 81' minutos, depois de derrubar o avançado do Feirense, Roberto, fora de área.
Como os açoreanos já não tinham alterações para "gastar", Fajardo foi a solução encontrada pelos técnicos do clube ilhéu, para render na baliza Ney.
Fajardo não teve muito trabalho, mas a verdade é que na sequência da falta de Ney, Gonçalo Abreu esteve muito perto de aumentar a vantagem feirense para 2-0.
Pode-se mesmo dizer que Fajardo, desviou o esférico com os olhos, tal foi a proximidade com que a bola passou a barra.
Como já disse, o extremo português não teve muito trabalho pela frente, e a experiência acabou por ser positiva. Um extremo a guarda-redes, num campeonato profissional, durante sete minutos e que não sofre golos, só pode ser considerado positivo.

domingo, 26 de setembro de 2010

AF Aveiro: Sanjoanense 5-1 Ovarense

Em 2000 a Ovarense ascendeu à Liga de Honra e desde então não mais voltou à II Divisão B. No terceiro escalão, os "vareiros" disputaram ao longo dos anos vários e bons derbys frente à "vizinha" Sanjoanense. Uns mais marcantes que outros naturalmente.
A Sanjoanense "caiu" para a III Divisão em 2007, regressando à II Divisão em 2008; enquanto que a Ovarense fechou as portas do futebol sénior em 2006, começando depois do "zero" em 2008 na III Divisão Distrital da AF Aveiro.
No passado domingo, e dez anos depois, ambas as equipas voltaram-se a enfrentar de forma oficial, mas agora em circunstâncias (bem) diferentes de há dez anos atrás.
Ambas têm agora menos capacidade financeira, e claro, ambas disputam a...I Divisão Distrital da AF Aveiro. Estes dois históricos, que há uma década atrás, certamente, não esperariam enfrentar-se nos Distritais, vêm também de campeonatos diferentes. Na temporada passada, a Sanjoanense disputou a Série C da III Divisão Nacional, mas não evitou a descida; enquanto que a Ovarense venceu a Série B da II Divisão Distrital de Aveiro, e ascendeu ao primeiro escalão.
No passado domingo, a Ovarense entrou melhor na partida e chegou ao golo logo aos 11' minutos por intermédio do jovem extremo, Marmelo.
A Sanjoanense reagiu, e aos 20' minutos Rui Miguel empatou a partida.
No segundo tempo, a equipa forasteira desiquilibrou-se e perdeu por completo o controlo. Depois de Tiago Raúl assinar a cambalhota no marcador favorável aos da casa, quando estavam decorridos 53' minutos, seguiram-se mais dois golos num espaço de sete minutos: Rui Faria aumentou para 3-1 aos 60'; e Muge, aos 67', marcou de grande penalidade o 4-1.
A quatro minutos do fim, Torres fechou as contas do marcador, ao apontar o 5-1 final.
Resultado desnívelado num reencontro entre dois históricos do futebol aveirense e do futebol nacional. Cumpridas que estão três jornadas da I Divisão Distrital da AF Aveiro, a Sanjoanense lidera a prova, somando por vitórias todos os jogos disputados; enquanto a Ovarense ocupa o 12º lugar com três pontos, fruto da vitória na jornada 2 sobre o Mealhada.
Ficha de Jogo:

Estádio: Conde Dias Garcia, em São João da Madeira (Relvado Natural)
Trio de arbitragem composto por: Ana Amorim (árbitro principal); Cátia Duarte e Jorge Ferreira (árbitros assistentes)

Sanjoanense: João Valente; Diogo, Rui Faria, Kikas e Luís; António (Pedrinho 78'), Rúben e André Deco (Torres 73'); Rui Miguel, Alex e Tiago Raúl (Muge 63').
Treinador: José Brito. Suplentes Não Utilizados: João Silva; Vitinha, João Couto e Pedro Costa.

Ovarense: Daniel; Toninho (Vitinha 75'), Pereira, Fábio Nunes e Danny; Paiva, Veiros e David Joel; Humberto (Monteiro 56'), Sabry (Carlos Alberto 56') e Marmelo.
Treinador: Marco Silva. Suplentes Não Utilizados: Bruno; Tiago Silva, Sérgio e Edson.

Disciplina:
Amarelos: António 40'; Rúben 65';

Golos: 0-1 Marmelo 11'; 1-1 Rui Miguel 20'; 2-1 Tiago Raúl 53'; 3-1 Rui Faria 60'; 4-1 Muge 67' (G. P.); 5-1 Torres 86';

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Vítor Baía: O Senhor "papa-títulos"

Baia é, definitivamente, o Homem dos recordes...e dos títulos!
Primeiro, entre Setembro de 1991 e Janeiro de 1992, não sofreu qualquer golo ao serviço do FC Porto, mantendo até hoje o recorde de imbatibilidade em Portugal, que é de 1191 minutos; em 2000 foi o primeiro português a atingir as 75 internacionalizações pela selecção principal; em 2004 conseguiu juntar-se a um restrito lote de apenas oito jogadores que haviam vencido os três principais títulos europeus de clubes: Liga dos Campeões, Taça UEFA e Taça das Taças.
Isto, já para não falar do recorde de títulos colectivos que o jogador ainda possuí e, certamente, possuirá por mais alguns anos. Vítor Baía cometeu a proeza de vencer 32 títulos colectivos, 26 deles ao serviço do FC Porto.
Em 20 anos de carreira profissional, Baía apenas conheceu dois clubes: o "seu" FC Porto e o Barcelona. Em baixo, está relatada a passagem de Baía pelo Barça, onde em dois anos e meio de contrato, e a constituir opção apenas no primeiro ano, venceu seis títulos.
Tudo "começou" em 1990. Baía era ainda um "miúdo" que se havia estreado há apenas um ano nos Seniores do FC Porto e: venceu o campeonato nacional a jogar como titular indiscutível.
Depois, seguiu-se a Supertaça Cândido de Oliveira no mesmo ano, e a Taça de Portugal referente à época 90/91; mais uma Supertaça e mais um Campeonato em 91/92; e novamente mais um Campeonato Nacional em 92/93.
Em 93/94, Baía "amealhou" mais uma Supertaça e mais uma Taça de Portugal para o curriculum; conquistando o Campeonato Nacional de 94/95, juntamente com mais uma Supertaça.
Antes de sair para Barcelona, conquistou mais um campeonato Nacional: o de 95/96.
Em Espanha, Baía começou por ser titular indiscutível, vencendo apenas dois títulos na primeira temporada ao serviço do Barça: a Taça do Rei e a Taça das Taças.
Na temporada seguinte, não "perdoou" e conquistou mais quatro troféus: além de mais uma Taça do Rei, Baía venceu ainda o campeonato espanhol, a Supertaça e a Supertaça Europeia.
Regressou ao FC Porto, e venceu o campeonato Nacional de 98/99, seguindo-se a Supertaça e a Taça de Portugal em 99/00.
Depois, seguiram-se três anos de "seca". Em 2003, o FC Porto voltou aos títulos e Baía também. E, logo com força: Campeonato, Supertaça, Taça de Portugal e Taça UEFA.
Na temporada seguinte, Baía acabaria por conseguir o título europeu que lhe faltava: a Liga dos Campeões. Além da "Champions" conquistou mais um campeonato Nacional e mais uma Supertaça.
Em 2004, conquistou a última Supertaça da carreira, vencendo ainda mais um troféu internacional: a Taça Intercontinental, onde até foi substituído no prolongamento.
No final da temporada 05/06, juntou mais troféus ao seu palmarés. Como não podia deixar de ser, mais um Campeonato e mais uma Taça de Portugal.
Finalmente, em 06/07, sagrou-se pela última vez na sua carreira, Campeão Nacional.
Se, porventura, Baía não tivesse abandonado o futebol profissional em 2007, o número de títulos já não seria bastante maior ?
Fica a "dúvida".

Recordar: Vítor Baía no Barcelona

Em 1996, depois de uma boa temporada ao serviço do FC Porto, Vítor Baía despertou a cobiça dos grandes da Europa, tendo-se transferido para o Barcelona, que na altura era orientado pelo seu anterior técnico nos azuis e brancos, Bobby Robson.
Primeiro, Baía disputou o Euro 96 ao serviço de Portugal, rumando depois à Catalunha, a troco de 6 milhões e 500 mil euros, tornando-se na altura, o guarda-redes mais caro do Mundo.
Na primeira temporada ao serviço do "Barça", Baía participou em 37 jogos da Liga espanhola, e em três na Taça das Taças, competição que os catalães acabariam por vencer.
Depois de uma primeira temporada de grande nível ao serviço do clube "Culé", onde venceu a  Taça do Rei e a Taça das Taças, Baía acabaria por sofrer uma lesão grave em 1997.
Esta lesão, afastou-o alguns meses dos relvados, levando o técnico, Louis Van Gaal, a apostar no seu compatriota Ruud Hesp, mesmo quando Baía já estava totalmente recuperado.
Ainda assim, Baía foi "a tempo" de conquistar a Supertaça de Espanha e a Supertaça Europeia.
Baía passou então grande parte da temporada sentado no banco de suplentes, participando em apenas dois jogos no campeonato espanhol (terá sido apenas para a consagração ?), com a particuralidade de em ambos os jogos, o Barça ter sido derrotado; e um na Champions League.
No final da temporada acabaria por juntar mais dois troféus ao seu palmarés: o Campeonato e a Taça de Espanha.
Na temporada seguinte, Vítor Baía manteve-se no Barça, mas aí deixou mesmo de constituir opção para Van Gaal, tendo até representado a equipa C dos catalães.
Na reabertura do mercado de transferências em Janeiro, não perdeu tempo, e regressou até ao seu FC Porto, onde terminou a carreira em 2007.
Apesar de uma primeira época regular ao serviço do Barça, Baía nem sempre teve bons momentos e nem sempre teve a confiança dos adeptos "culés", devido a ter sofrido alguns golos um pouco embaraçosos.
Mas, o que é de realçar, são os títulos conquistados pelo português ao serviço do Barcelona, praticamente sem jogar durante dois anos de contrato: seis.
Número de Jogos efectuados por Vítor Baía ao serviço do Barcelona:

96/97 - 40 Jogos/0 Golos (37 no Campeonato; 3 na Taça das Taças; não tive acesso ao nr. de jogos na Taça do Rei)
97/98 - 3 Jogos/0 Golos (2 no Campeonato; 1 na Liga dos Campeões; não tive acesso ao nr. de jogos na Taça do Rei)

Palmarés de Vítor Baía no Barcelona:

Campeonato Espanhol: 1 (1997/1998)
Taça do Rei: 2 (1996/1997; 1997/1998)
Supertaça de Espanha: 1 (1997/1998)
Taça das Taças: 1 (1996/1997)
Supertaça Europeia: 1 (1997)

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

"A foto do dia": Boavista arrancou com empate

Quando o terceiro escalão do futebol nacional, tem nas suas "fileiras" um clube que em tempos foi Campeão Nacional e representou Portugal nas competições europeias, tudo é motivo de destaque.
A "foto do dia" de hoje, ilustra aquele que foi o primeiro jogo do Boavista na temporada 10/11, naquela que será a segunda época consecutiva dos axadrezados na II Divisão.
No Bessa, os boavisteiros receberam o Cesarense, em jogo a contar para a Jornada 1 da Zona Centro, e cederam uma igualdade a dois golos.
O Boavista até se adiantou no marcador por intermédio de Paulo Campos aos 32', mas sofreu o empate aos 38', quando Joca marcou para o Cesarense.
No segundo tempo, os forasteiros chegaram ao 1-2 aos 78', por intermédio de Mauro, com o Boavista a desperdiçar uma grande penalidade aos 90+3' por intermédio de Renato Queirós. No entanto, o empate lá chegou, quando aos 90+5', Ruizinho à meia volta, estabeleceu o resultado final.
Este jogo, que inicialmente estava marcado para o dia 12 de Setembro, apenas se disputou ontem em virtude dos vários impedimentos lançados sobre o clube da pantera.
Dentro dos prazos, os boavisteiros resolveram os seus entraves, e apresentam agora uma equipa de fazer inveja a algumas da Liga Orangina.
Ficha de Jogo:

Boavista: Tó Ferreira; Ribeiro, Hélio, Mário Loja e Machado; Emerson, Rui Lopes (Diogo Leite 58') e Cadinha; Rui Dolores (Renato Queirós 45'), Paulo Campos e Beré (Ruizinho 75').
Treinador: Rui Ferreira.

Cesarense: Marco; Américo Rocha, Diogo, Bruno Sousa e Hugo; Hélder, André Moreira e Toninho (Areias 90+6'); Ruisinho (Letz 90+2'), Ayrton (Mauro 76') e Joca.
Treinador: José Pedro.

Disciplina:
Amarelos: Rui Lopes 31'; Emerson 33'; Ruisinho 54'; Hugo 65' e 90+2'; André Moreira 86'; Hélder 89';
Vermelhos: Hugo 90+2'.

Golos: 1-0 Paulo Campos 32'; 1-1 Joca 38'; 1-2 Mauro 78'; 2-2 Ruizinho 90+5';

Foto da autoria de The Boavista Footballers.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Selecção: Paulo Bento "toma conta"

Está encontrado o sucessor de Carlos Queiroz no comando da Selecção Nacional. Paulo Bento é, tal como previsto, o escolhido.
O acordo foi confirmado pela FPF no dia de ontem, tendo o anterior técnico do Sporting, sido apresentado ao início da tarde de hoje. O acordo é válido é dois anos, e pode ser quebrado antes, caso Portugal não consiga qualificar-se para a fase final do Euro 2012.
A equipa técnica será ainda composta por Leonel Pontes (treinador adjunto); João Aroso (preparador físico) e Ricardo Peres (treinador de guarda-redes).
Enquanto jogador, Paulo Bento, representou a Selecção principal em trinta e seis ocasiões, tendo marcado presença no Euro 2000 e no Mundial 2002.
Agora, começa uma nova fase na sua carreira de treinador, começando desde já a preparar os embates com as congéneres da Dinamarca e da Islândia, que se realizarão no próximo mês de Outubro.

domingo, 19 de setembro de 2010

Liga Sagres: Benfica 2-0 Sporting

Segunda vitória do Benfica na presente edição da Liga Sagres, naquele que foi um dos piores jogos até ao momento do principal campeonato em Portugal.
Num jogo muito disputado a meio-campo, e com muitos duelos físicos, o Benfica entrou melhor com Cardozo a desperdiçar duas oportunidades num minuto: aos 5' atirou ao poste; aos 6' rematou de cabeça ao lado.
Antes, aos 4', Valdés havia atirado também ao lado da baliza de Roberto.
Aos 13', e após um pontapé de canto, o Benfica chegou ao golo. Carlos Martins cobrou, Luisão desviou ao primeiro poste, a bola bateu em André Santos e sobrou para Cardozo que não perdoou e atirou a contar. 1-0.
A partir daqui, o jogo ficou morno, e poucas foram as oportunidades de golo dignas de registo. Maniche tentou de longe aos 26', mas o melhor que conseguiu foi acertar em David Luiz; e Saviola isolado aos 29', não conseguiu ultrapassar Rui Patrício.
O Sporting raramente conseguia chegar à área do Benfica, enquanto que os encarnados mais "destemidos" chegavam algumas vezes à área de Rui Patrício, sem nunca conseguirem assustar muito.
Ao intervalo, a vantagem do Benfica era justa, pois nos primeiros 45' minutos, só existiu uma equipa em campo.
No segundo tempo, o jogo começou muito frio, e só aqueceu quando aos 50', Cardozo aumentou para 2-0. Saviola serviu o paraguaio, que ao ver Rui Patrício adiantado, rematou de primeira. O guardião ainda tocou na bola, mas foi insuficiente.
Três minutos depois, Rúben Amorim cruzou bem na direita, com Fábio Coentrão a rematar para defesa de recurso de Rui Patrício.Aos 56', André Santos isolou Liedson, com o brasileiro a ultrapassar Luisão e David Luiz, e depois a atirar escandalosamente ao lado. Foi a única oportunidade de golo do Sporting em toda a partida.Aos 60', o récem entrado, Hélder Postiga, rematou forte de longe, obrigando Roberto a uma defesa a dois tempos.
O jogo continuava morno, e só aos 72' voltamos a ver um remate à baliza. Foi Maniche quem tentou com um remate de primeira, mas Roberto voltou a defender a dois tempos. Na reposição, o espanhol escorregou, mas nenhum adversário aproveitou a "deixa".
Dois minutos depois, Cardozo andou perto do hat-trick. Rui Patrício saiu da baliza de forma inexplicável, e o paraguaio por pouco não fez o 3-0.
Aos 75', bom cruzamento de Fábio Coentrão na esquerda, a solicitar o cabeceamento de Cardozo, mas uma vez mais o paraguaio atirou para fora. Desta vez, foi de cabeça.
O Sporting, praticamente não existia, e nem as entradas de Vukcevic e Hélder Postiga animaram o ataque leonino, salvo aquele remate do português.
Aos 84', Valdés cruzou na esquerda, e Liedson, completamente desinspirado esta noite, atirou de cabeça ao lado.
Já perto do fim, aos 89', bom cruzamento de Evaldo e Liedson a remtar de cabeça, para defesa segura de Roberto.
O jogo terminou pouco depois, e a vitória do Benfica não sofre a mínima contestação. O Benfica jogou o suficiente para vencer, e até se justificava, que marcasse mais um golo.
O Sporting praticamente não existiu, e a prova disso é apenas ter tido uma ocasião clara de golo. Má noite, em todos os capítulos para os sportinguistas.
Apesar da boa exibição da equipa da casa, continuo a ser da opinião que este jogo, foi até ao momento, um dos piores da Liga Sagres 2010/2011.Ficha de Jogo:

Benfica: Roberto; Maxi Pereira, Luisão, David Luiz e César Peixoto; Javi García, Carlos Martins (Jara 86'), Aimar (Rúben Amorim 45') e Fábio Coentrão; Saviola (Airton 80') e Cardozo.
Treinador: Jorge Jesus. Suplentes Não Utilizados: Júlio César; Sidnei, Alan Kardec e Gaitán.

Sporting: Rui Patrício; João Pereira, Nuno André Coelho, Daniel Carriço e Evaldo; André Santos (Carlos Saleiro 72') e Maniche; Valdés, Yannick Djaló (Vukcevic 60') e Matías Fernández (Hélder Postiga 59'); Liedson.
Treinador: Paulo Sérgio. Suplentes Não Utilizados: Tiago; Torsiglieri, Abel e Zapater.

Disciplina:
Amarelos: Javi García 8'; Valdés 21'; Maxi Pereira 33'; Fábio Coentrão 44'; Rúben Amorim 71'; Hélder Postiga 89'; Airton 90'; César Peixoto 90+3';

Golos: 1-0 Cardozo aos 13'; 2-0 Cardozo aos 50'.

sábado, 18 de setembro de 2010

Amanhã é dia de derby lisboeta

(09/10: Benfica 2-0 Sporting, Liga Sagres)
Benfica e Sporting: uma rivalidade de 103 anos, que conhecerá amanhã um novo capítulo.
Na Luz, ambos já se defrontaram de forma oficial por 87 vezes. O Benfica venceu 46, o Sporting 18, e o empate marcou presença em 23 embates.
De um lado, um Benfica em crise interna, com apenas uma vitória em quatro jogos, mas campeão Nacional em título; do outro, o Sporting, actual 6º classificado da Liga, com duas vitórias, um empate e uma derrota.
Nos últimos anos, assistimos a duelos épicos na Luz, com dois deles a ficarem directamente ligados ao título que os encarnados viriam a conquistar na respectiva temporada: em 04/05, Luisão marcou de cabeça o golo do triunfo encarnado no derby, à 33ª Jornada da Liga, resultado que praticamente garantiu o título ao Benfica.
Na temporada passada, os grandes rivais encontraram-se à 26ª Jornada, numa altura em que o Benfica estava perto de se sagrar campeão Nacional. Um triunfo sobre o Sporting, cimentaria ainda mais a posição de líder que os encarnados ocupavam, e foi isso que aconteceu. Vitória por 2-0, e o título cada vez mais perto.(04/05: Benfica 1-0 Sporting, SuperLiga)
Outro derby histórico, realizou-se em 04/05, em jogo a contar para os Oitavos de Final da Taça de Portugal. Aos 22' minutos, o jogo já estava empatado a dois golos, e no prolongamento, ambos marcaram por mais uma vez. E, certamente, todos se lembrarão do famoso golo de Paíto, na altura, jogador do Sporting.
Nos penaltis, o Benfica levou a melhor e venceu 7-6. Meses depois, realizou-se o jogo do título para os encarnados, tal como eu já aqui mencionei.
A última vitória dos Leões no terreno do grande rival Benfica, data de 2006. À 20ª Jornada, o Sporting era 5º classificado, enquanto que os encarnados ocupavam o 2º lugar. Foi, precisamente, a equipa da casa que se adiantou na frente do marcador, quando ao minuto 27' Simão Sabrosa converteu uma grande penalidade.
No segundo tempo, assistiram-se a vinte e cinco minutos verdadeiramente loucos por parte da equipa do Sporting. Sá Pinto aos 64' empatou, também na conversão de uma grande penalidade; Liedson fez o 1-2 aos 73'; e aos 82' o mesmo Liedson fez o 1-3 final.
Esta foi a última vitória do Sporting no Estádio da Luz, até aos dias de hoje. Veremos, se a história se repetirá amanhã.(05/06: Benfica 1-3 Sporting, Liga BetAndWin)
Recorde os últimos cinco confrontos entre estas duas equipas no Estádio da Luz:

2009/2010: 13/04/2010; Liga Sagres; Benfica 2-0 Sporting
2008/2009: 27/09/2008; Liga Sagres; Benfica 2-0 Sporting
2007/2008: 29/09/2007; BWIN Liga; Benfica 0-0 Sporting
2006/2007: 29/04/2007; BWIN Liga; Benfica 1-1 Sporting
2005/2006: 28/01/2006; Liga BetAndWin; Benfica 1-3 Sporting

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Liga Europa: Sporting e FC Porto vencem

(O momento em que Vukcevic já rematou para o 0-1, em França.)
Arrancou a fase de grupos da Liga Europa, e logo com duas vitórias portuguesas. Sporting e FC Porto, levaram a melhor sobre Lille e Rapid Viena, respectivamente, e somaram ambos os primeiros três pontos.
O Sporting foi a primeira equipa a entrar em campo, defrontando em França, o Lille. Vukcevic aos 11' minutos e Hélder Postiga aos 34' deram vantagem aos leões, enquanto que Frau aos 57' marcou para o Lille, e fixou o resultado final: Lille 1-2 Sporting.
Destaque para o facto de Abel ter estado em ambos os golos do Sporting, ao efectuar o cruzamento na direita.
Já o FC Porto, recebeu no Dragão o Rapid Viena da Áustria, e venceu de forma tranquila por 3-0.
Aos 26', Rolando na sequência de um pontapé de canto fez o 1-0; enquanto que o goleador Radamel Falcao aumentou a vantagem portista aos 65', também na sequência de um pontapé de canto.
A treze minutos do fim, e numa jogada de bola corrida, Rúben Micael fechou as contas do marcador, com um remate de belo efeito, sublinhando ainda mais o resultado expressivo.
Na próxima jornada (30 Setembro), o Sporting recebe em Alvalade o Levski Sofia da Bulgária, enquanto que o FC Porto se desloca ao terreno do CSKA Sofia, também da Bulgária.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Liga dos Campeões: Braga goleado em Londres

Estreia infeliz do Sp. Braga na Champions League. Os bracarenses foram copiosamente goleados em Londres, 6-0, pelo Arsenal.
Outra conclusão que podemos tirar desta partida, é que as vítimas preferidas do Arsenal, são os clubes portugueses. Nas últimas temporadas, sempre que um clube português visitou o Emirates Stadium, acabou goleado (FC Porto em 08/09 por 4-0; e em 09/10 por 5-0).
Foi um jogo em que tudo saiu mal à equipa bracarense, que entrou na partida praticamente a perder, algo que pode ter condicionado a actuação no que restava para jogar.
O jogo começou algo morno, e só animou aos 9' minutos, quando o guarda-redes do Braga, Felipe, derrubou Chamakh dentro de área.
Chamado a converter a grande penalidade, Fabregas não perdoou e abriu a contagem ainda antes dos primeiros dez minutos de jogo.
De seguida, Felipe redimiu-se da grande penalidade cometida, e com uma boa defesa, negou o golo a Wilshere.
O primeiro remate do Braga à baliza, surgiu ao minuto 14'. Paulo César atirou de fora de área, mas Almunia agarrou sem problemas.
Seis minutos depois, novamente Paulo César a rematar à baliza dos "Gunners" e novamente o remate a ser facilmente encaixado por Almunia.
Aos 26', Luís Aguiar arriscou a sua sorte de fora de área, mas a bola acabou por sair muito por cima.
Na resposta, o Arsenal marcou o segundo golo. Excelente trabalho de Fabregas, que deu para Arshavin. Na hora de rematar à baliza, o russo não esteve com meias medidas, e fez o 2-0.
Ainda o Braga estava a pensar no segundo golo sofrido, e já o Arsenal fazia o terceiro. Aos 34', Wilshere desmarcou Chamakh de calcanhar, e o marroquino surpreendeu Felipe ao rematar. Estava feito o 3-0.
Até final do primeiro tempo, a partida não teve grandes momentos de registo, com o poderio dos londrinos a não encontrar grande oposição por parte dos minhotos.
O segundo tempo, começou praticamente com mais um golo do Arsenal. Miguel Garcia escorregou, e permitiu que Arshavin cruzasse sem oposição. Fabregas, sem marcação, empurrou para o 4-0 aos 53'.
Quatro minutos depois, novamente Fabregas (quem mais ?), a criar perigo. Chapéu do espanhol a Felipe, com Moisés a salvar quase em cima da linha.
Aos 59', Chamakh poderia ter ficado isolado perante Felipe, mas o árbitro assim não o entendeu, assinalando fora de jogo ao internacional marroquino.
O jogo estava mais do que "feito" e continuava a dar apenas Arsenal. Aos 68', Arshavin atirou ao poste, e na recarga deu para Fabregas, que acabou por perder a hipótese de fazer o 5-0.
No minuto seguinte, uma excelente assistência de Arshavin para Carlos Vela, culminou com o quinto golo da noite. Frente a Felipe, o mexicano não falhou e fez o 5-0.
Depois disto, o jogo voltou a perder interesse, animando já perto do fim, quando aos 84', Fabregas isolou Carlos Vela, dando oportunidade ao mexicano de bisar na partida.
Frente a Felipe, Vela não desperdiçou e aumentou para 6-0! Que pesado!
O jogo caminhou depois a passos largos para o fim, e esta estreia do Braga na Champions, foi um autêntico filme de terror. Há dias em que nada sai bem...Ficha de Jogo:

Arsenal: Almunia; Sagna, Koscielny, Squillaci e Clichy; Song (Denilson 63') e Fabregas; Wilshere, Arshavin (Eboué 69') e Nasri; Chamakh (Vela 63').
Treinador: Arséne Wenger. Suplentes Não Utilizados: Fabianski; Gibbs, Djorou e Rosicky.

Sp. Braga: Felipe; Miguel Garcia, Moisés, Rodríguez e Sílvio; Vandinho, Hugo Viana (Márcio Mossoró 55') e Luís Aguiar; Alan, Matheus (Lima 60') e Paulo César (Hélder Barbosa 70').
Treinador: Domingos Paciência. Suplentes Não Utilizados: Arthur; Paulão, Andrés Madrid e Elton.

Disciplina:
Amarelos: Felipe 8'; Rodríguez 20'; Sagna 64';

Golos: 1-0 Fabregas aos 9' de grande penalidade; 2-0 Arshavin aos 30'; 3-0 Chamakh aos 34'; 4-0 Fabregas aos 53'; 5-0 Vela aos 69'; 6-0 Vela aos 84';

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Liga dos Campeões: Benfica abre com triunfo

Dois anos depois, o Benfica voltou à fase de grupos da Champions, e nada melhor do que começar com um triunfo. Os encarnados superiorizaram-se ao Hapoel Tel-Aviv, e venceram por 2-0.
O Benfica entrou mais forte na partida, tal como lhe competia, pois estava a jogar no seu reduto.
Mais atrevidos, os encarnados, efectuaram o primeiro disparo à baliza adversária, quando estavam decorridos 6' minutos por intermédio de David Luiz. Contudo, o remate foi fácil para Enyeama.
Aos 11', Cardozo apareceu no lado esquerdo do ataque encarnado, e cruzou para o interior da área israelita, onde não estava nenhum jogador encarnado para fazer o golo.
Três minutos depois, o mesmo Cardozo surgiu isolado na cara de Enyeama, mas não conseguiu bater o guardião nigeriano. De seguida, Gaitán rematou fraco e à figura.
Na resposta, ficou uma grande penalidade por assinalar, favorável aos israelitas. Luisão agarrou Shechter na área encarnada, mas o árbitro Aleksei Nikolaev, deixou seguir.
Aos 19', o israelita Ben Sahar por pouco não marcou, após cruzamento perigoso de Shechter.
No minuto seguinte, golo do Benfica. Pontapé de canto mal marcado por Aimar na esquerda, com a bola a sobrar para Carlos Martins. O médio português cruzou para o interior da área, onde Luisão, rematou com estilo para o 1-0, aos 20' minutos.
Aos 22', Shechter voltou a cair na grande área do Benfica, mas desta vez o avançado israelita, simulou.
Dois minutos volvidos, Roberto opôs-se com grandes reflexos a um cruzamento vindo da esquerda, de Zahavi e evitou o pior para o Benfica.
Aos 27', grande assistência de Carlos Martins para Aimar, com o argentino em esforço, a tocar a bola com a ponta da bota, valendo a saída de Enyeama aos israelitas.
Depois, foi Gaitán, que aos 32' minutos tentou a sua sorte, mas a bola saiu enrolada e fácil de agarrar para Enyeama.
Aos 35', novamente Roberto a brilhar, após um remate em arco de Bondarv. O Hapoel esteve perto do empate.
Aos 39', foi Carlos Martins quem esteve perto do segundo. Bom remate do jogador encarnado, com Enyeama a ser obrigado a esticar-se, e a negar o segundo aos encarnados.Em cima do intervalo, novamente Carlos Martins a tentar o golo, com Enyeama a opôr-se ao jogador do Benfica, com uma defesa a dois tempos.
No segundo tempo, o Benfica entrou um pouco adormecido, e só aos 52' conseguiu criar um lance de perigo. Gaitán trabalhou bem na esquerda e serviu Cardozo, mas o paraguaio não conseguiu dar o melhor seguimento ao lance, rematando fraco para as mãos de Enyeama.
Aos 56', bom lance de Pablo Aimar, que depois de ultrapassar dois adversários serviu Cardozo, que voltou a falhar.
Cinco minutos depois, Carlos Martins de muito longe e na conversão de um livre directo, atirou forte, mas Enyeama defendeu sem problemas.
Aos 63', cruzamento de Rúben Amorim na esquerda, com Saviola a antecipar-se a um defesa israelita, mas a rematar ao lado.
Aos 68', mais um golo do Benfica. Maxi Pereira apareceu no interior da área israelita e rematou para defesa incompleta de Enyeama. Na recarga, Oscar Cardozo empurrou para o 2-0 e "matou" a partida. Nos festejos, o paraguaio colocou o dedo à frente da boca, mandando calar os adeptos benfiquistas, que minutos antes o haviam assobiado. Como "castigo", Cardozo foi novamente vaiado.
Aos 79', Rúben Amorim irrompeu pela direita e rematou para defesa de Enyeama, enquanto que na recarga, Saviola poderia ter feito o terceiro da noite, mas rematou por cima.
Na resposta, Yadin aos 82', disparou de fora da área, com Roberto a ficar pregado ao relvado. No entanto, o esférico saiu ao lado da baliza encarnada.
Aos 86', novamente os israelitas a criarem perigo, com Tamuz a rematar ao poste direito da baliza encarnada. Mais uma vez, Roberto ficou a olhar.
Pouco depois, a partida terminou e o Benfica abriu a fase de grupos da Champions com um triunfo.Ficha de Jogo:

Benfica: Roberto; Rúben Amorim, Luisão, David Luiz e Fábio Coentrão; Javi García, Carlos Martins, Aimar (Airton 70') e Gaitán (Maxi Pereira 56'); Cardozo e Saviola (César Peixoto 86').
Treinador: Jorge Jesus. Suplentes Não Utilizados: Júlio César; Sidnei, Jara e Nuno Gomes.

Hapoel Tel-Aviv: Enyeama; Bondarev, Douglas da Silva, Fransman (Badier 73') e Ben Dayan; Rocchi (Shivhon 60'), Yadin, Vermouth e Zahavi; Ben Sahar (Tamuz 56') e Shechter.
Treinador: Eli Gutman. Suplentes Não Utilizados: Ben Shanan; Shish, Kende e Abutbul.

Disciplina:
Amarelos: Shechter 22'; Ben Dayan 59';

Golos: 1-0 Luisão aos 20'; 2-0 Cardozo aos 68';

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

II Divisão: Farense 0-0 Louletano

Um derby é sempre um jogo diferente. Um jogo de emoções e sentimentos fortes.
Esta temporada, a Zona Sul da II Divisão volta a ter um 'adicionante' especial. Depois do Estrela da Amadora na temporada passada, este ano é a vez do também histórico Farense, marcar presença no terceiro escalão do futebol português.
E, para iniciar o campeonato, não há melhor do que um derby logo a abrir. No velhinho Estádio São Luís, que noutros tempos recebeu o Ol. Lyon para a Taça UEFA, entre outros grandes jogos, Farense e Louletano, reeditaram um confronto histórico e que já vem de há muitos anos.
A última vez que os "Leões de Faro" estiveram na II Divisão, não escaparam à descida de divisão (03/04), enquanto que o Louletano ascendeu ao terceiro escalão, na temporada 08/09 depois de levar de vencida a Série F da III Divisão.
Apesar de na temporada 08/09, ambos se terem encontrado na III Divisão, o confronto de ontem, é ainda mais "especial", porque ambos anseiam pelo regresso aos campeonatos profissionais, e porque o escalão é superior.Este derby, ficou marcado, tal como quase todos os outros derbys, pelo equilíbrio existente entre ambos os conjuntos.
A primeira grande oportunidade de golo do jogo, surgiu já depois de alcançada a meia hora de jogo, com o jogador do Farense, Adérito, a isolar-se mas a não conseguir bater o guardião forasteiro, Bruno Lúcio.
Na resposta, Alberto atirou forte, com a bola passar ao lado da baliza de Serrão, guarda-redes do Farense, e que entre outros, já representou Marco, Covilhã e Ovarense.
O Louletano, continuou à procura do golo, e na sequência de um pontapé de canto, Léo rematou com perigo, mas a bola saiu ao lado da baliza do Farense.
No segundo tempo, a turma de Loulé entrou melhor, enquanto que os da casa aproveitaram para responder em situações de contra-ataque.
Ao minuto 75', o Louletano desperdiçou a sua melhor ocasião para marcar. Gary apareceu dentro de área completamente solto, e atirou para uma defesa incompleta de Serrão. Na recarga, o central Fausto Lúcio (jogador formado no Benfica) atirou por cima da barra, desperdiçando assim uma ocasião soberana para que a sua equipa abrisse o marcador.
Na resposta, o farense Kéu, rematou à meia volta, mas a bola saiu ligeiramente por cima da baliza de Bruno Lúcio.
A seis minutos do fim, gritou-se golo no São Luís, mas o lance acabou invalidado. Adérito, jogador do Farense, desviou já dentro de área, para o fundo das redes, mas o árbitro da partida (o também algarvio Nuno Almeida) anulou o lance e mostrou cartão amarelo ao avançado do Farense.
Minutos depois, o jogo chegou ao fim.
Ficha de Jogo:

Jogo realizado no Estádio São Luís, em Faro (relvado natural)
Árbitro Principal: Nuno Almeida (AF Algarve)

Farense: Serrão; Cannigia, N'Diaye, Tiago Sousa e Joshua Silva; Gualter Bilro, Eduardo Barão, Davide Justo (Bruno Carvalho 55') e Adérito; Kéu e Luís Zambujo (Luís Afonso 68').
Treinador: Joaquim Mendes. Suplentes Não Utilizados: Zé Silva; Carlinhos, André Calado, China e Paulinho.

Louletano: Bruno Lúcio; Pedro Eugénio, Fausto Lúcio, Cordeiro e Dante; Fábio Teixeira, Léo e Alberto; Bruninho (João Reis 75'), Ben (Gary 68') e Fábio (Nicola 89').
Treinador: Paulo Renato. Suplentes Não Utilizados: Kula; Romício, André David e Rafael.

Disciplina:
Amarelos: Luís Zambujo 27'; Gualter Bilro 34'; Tiago Sousa 51'; Fábio Teixeira 66'; Bruno Carvalho 72'; Pedro Eugénio 81'; Adérito 84';

Marcador: Nada a assinalar.

Fotos retiradas do blog SC Farense 1910.

sábado, 11 de setembro de 2010

11 Setembro 2001: A tragédia bateu à porta de Cláudio Serra

(Digitalização proveniente da revista "Record - Ao desafio 1999/2000".)
O dia 11 de Setembro de 2001, ficará para sempre marcado na história Mundial, como um dia de tragédia, devido ao atentado da Al Qaeda ao World Trade Center, nos Estados Unidos. Milhares de pessoas morreram, naquele que foi um dia muito chuvoso em Portugal.
Faz hoje precisamente nove anos, e o futebol português também ficou mais pobre. E não, não perdeu nenhum atleta no World Trade Center.
José Cláudio Amorim Martins Serra, Cláudio Serra no mundo do futebol, e na altura jogador do Gondomar, perdeu a vida num acidente de viação ocorrido no IP4.
Cláudio, havia reforçado o Gondomar meses antes, tendo em vista a temporada futebolística 01/02, mas acabou por fazer apenas um jogo ao serviço dos gondomarenses.
Antes de chegar a Gondomar, Cláudio Serra começou a sua carreira sénior ao serviço do São Pedro da Cova, passando depois pelo Rio Tinto, antes de novo regresso a São Pedro da Cova.
Saiu para o Maia em 96/97, levando o clube maiato à Liga de Honra, permanecendo no clube em 97/98, disputando o segundo escalão do futebol português.
Em 98/99 rumou ao Vianense, da III Divisão, onde sob as ordens de Rogério Gonçalves deu nas vistas, fazendo com que o seu técnico o levasse com ele para o Varzim na temporada seguinte.
Ao serviço do Varzim, na temporada 99/00, Cláudio Serra regressou à Liga de Honra, participando em 25 jogos, tendo marcado um golo.
Apesar da regularidade, não continuou no clube para 00/01, rumando ao Bragança, que iria disputar a II Divisão B.
Na temporada seguinte, rumou como eu já aqui disse, ao Gondomar, que também estava na II Divisão B.
Ironia do destino ou não, o último clube que Cláudio Serra representou foi precisamente o clube do seu concelho, pois ele era natural de São Pedro da Cova, freguesia pertencente ao concelho de Gondomar.
Era extremo esquerdo, e faleceu com 27 anos (nasceu a 20 de Dezembro de 1973).

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Selecção: Fim da era Queiroz

Depois de tanta guerra, entre várias entidades do desporto nacional e Carlos Queiroz, e já depois de todos defenderem que o melhor era o técnico ser afastado do cargo de seleccionador, eis que a notícia se torna oficial: Carlos Queiroz foi demitido.
Num comunicado lido há cerca de uma hora atrás, Gilberto Madaíl dá conta do despedimento do técnico, e informou ainda que os dirigentes irão procurar agora um susbtituto e que serão marcadas eleições para a Federação Portuguesa de Futebol.
Arrisco-me a dizer que o substituto de Queiroz, será o espanhol Luis Aragonés, apesar de outros nomes como os de Paulo Bento e Manuel Cajuda, já terem vindo "à baila".
Eis algumas das palavras ditas pelo presidente da FPF, Gilberto Madaíl:

"No dia 14 anunciámos que se cumpriram dois dos objectivos, que foram a qualificação para a fase final e o apuramento para a fase a eliminar. Dissemos que o resultado fica aquém do que esperávamos, mas ficaram cumpridos estes objectivos. Depois da análise foi decidido resolver o contrato de serviços com Queiroz de forma imediata."

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Entrevista a: Diogo Fonseca

Aos 25 anos, Diogo Fonseca, tem já um currículo de fazer inveja a muita gente. Santa Clara, V. Setúbal, Mallorca e mais recentemente Boavista, são alguns dos clubes que o ponta de lança açoriano já representou.
Formado nas camadas jovens do U. Micaelense e do Santa Clara, chegou ao primeiro escalão ainda com idade júnior, estando em foco nas suas duas primeiras aparições entre os "grandes".
Depois de algum "desaproveitamento" por parte do Santa Clara, rumou ao Setúbal, onde disputou a final da Taça de Portugal em 2006 e a Supertaça meses depois, ambos troféus perdidos para o FC Porto.
Seguiu-se, depois, um empréstimo ao Operário, e a mudança para Espanha em 07/08. Por terras de "nuestros hermanos" representou a equipa B do Mallorca e ainda o Granada, regressando a Portugal na temporada anterior, para representar o Boavista.
Depois de ser o melhor marcador dos axadrezados, rumou ao Feirense, da Liga Orangina.
Em entrevista exclusiva ao "Conversas Redondas", Fonseca mantém a esperança de chegar à Selecção principal e lamenta ainda o facto dos açorianos não acreditarem nos seus jogadores.
É ponta de lança.

Conversas Redondas (CR): Mudou-se das camadas jovens do U. Micaelense para o Santa Clara em 1999. Sentiu a mudança de um clube teoricamente mais pequeno, para um clube que começava a dar os primeiros passos na I Divisão Nacional?
Diogo Fonseca (DF): Não muito, porque era algo que já queria há algum tempo. Isto é, mudar-me para um clube onde pudesse ter uma hipótese de no futuro, seguir no futebol profissional.

CR: O Fonseca não defradou as expectativas de quem havia apostado em si, e ainda com idade Júnior, foi lançado na equipa sénior, que competia na SuperLiga. Recorda-se do jogo da sua estreia no primeiro escalão, frente ao Gil Vicente?
DF: Sim, tenho boas recordações desse jogo. Entrei em campo faltavam 15 minutos, e entrei bem, já que fiz a assistência para o golo do Bruno Ribeiro. Festejei, como se tivesse sido eu a marcar.

CR: Depois da estreia na 22ª Jornada, veio o golo na jornada seguinte, frente ao V. Guimarães. Como se sentiu depois de marcar o seu primeiro golo na I Divisão, é, ainda por cima, um golo que valeu três pontos?
DF: Não poderia ter tido melhor estreia em casa, na minha própria terra. Quando entrei em campo, senti logo a esperança e a ilusão que a massa adepta santaclarense tinha em mim. Foram momentos muito bonitos.

CR: O Santa Clara acabou por não conseguir evitar a despromoção no final da temporada, mas o Fonseca permaneceu no clube para 03/04. Não teve convites de clubes da I Divisão? 
DF: Na altura, estava a começar a ser convocado para a Selecção Sub-19, e estava a par do interesse de alguns clubes da Primeira Liga. Porém, o Santa Clara não permitiu a saída, afirmando que era uma aposta do futuro, coisa que nunca entendi, visto que joguei muito pouco nas temporadas seguintes.

CR: Seguiram-se duas temporadas pelo Santa Clara na Liga de Honra, com poucas oportunidades para jogar, e, claro, poucos golos. Na sua opinião, o que "falhou" para não ter jogado com a regularidade que pretendia, especialmente na segunda temporada? 
DF: Como disse, nunca percebi o porquê. Mas sempre trabalhei no máximo e ninguém me pôde apontar nada. O meu ciclo no Santa Clara acabou no final do contrato, e não fui contactado pelo clube, nem para me dizerem que tinha sido dispensado. Para trás, tive o previlégio de trabalhar com Homens como Carlos Alberto Silva, Ricardo Formosinho, Francisco Agatão e Manuel Fernandes, estes dois últimos talvez os treinadores que mais me marcaram até à data. Manuel Fernandes, porque assumiu a minha promoção dos Júniores para os Seniores, e porque foi um enorme prazer ser treinado por um dos melhores pontas de lança da história do futebol português. Francisco Agatão, porque sempre confiou em mim e nas minhas qualidades. Se um dia vier a ganhar algum troféu como jogador, ele sem dúvida, teve muita influência nisso.

CR: Na temporada 05/06 mudou-se para o V. Setúbal. O Vitória era o detentor da Taça de Portugal e ia participar nas competições europeias. Estes dois factores, além do clube histórico que é o V. Setúbal, e ainda o facto de poder voltar a jogar na I Divisão, tornaram mais fácil a aceitação do convite? 
DF: Cheguei pela mão de Ricardo Formosinho à equipa B do Vitória, muito por culpa de ter saído do Santa Clara pela "porta pequena". Mas, o meu pensamento sempre esteve em chegar o mais rápido à equipa principal. Foi algo que sempre quis. Saí dos Açores, porque me apercebi cedo que quem menos acreditava no meu valor, eram as pessoas da minha própria terra. Sempre foi assim, e sempre será até que surja alguém, que decida dar um pontapé no cepticismo em relação ao jogador açoriano.

CR: Apesar de não ter jogado na Europa, e de não ter marcado qualquer golo na SuperLiga, foi seu o golo que permitiu ao Setúbal vencer em Fafe, na 4ª Eliminatória da Taça de Portugal. Como foi marcar um golo que acabou por ser decisivo para o futuro do Vitória na Taça? 
DF: Foi bom poder contribuir para que o Vitória nesse ano, chegasse outra vez ao Jamor. Se calhar, gostaria de ter ajudado mais o clube noutras frentes, mas na realidade, não era dos jogadores mais utilizados.

CR: Nessa mesma edição da Taça, o Fonseca participou em mais três jogos. Se bem que um deles é inesquecível. Falo do jogo da final frente ao FC Porto, em que o Fonseca "saltou" do banco aos 81'. Pisar o Jamor, num jogo daqueles, e logo frente ao recém-Campeão é, presumo, uma enorme emoção e alegria.
DF: Foi um sonho tornado realidade. São emoções e sentimentos que me vão acompanhar para o resto da vida. Infelizmente, não ganhamos porque tivemos uma grande equipa pela frente. Mas como sou ambicioso, espero um dia voltar a pisar aquele palco.

CR: Pelo meio, foi presença assídua nos jogos da equipa B do Vitória na II Divisão B, onde conseguiu marcar cinco golos, incluíndo um "bis" ao Imortal. O Vitória apesar de utilizar vários jogadores da equipa principal, acabou por descer à III Divisão. Na sua opinião, porque razão o Setúbal B desceu de divisão, se utilizava semanalmente vários jogadores da "primeira" equipa? Esses jogadores vinham desmoralizados por terem de jogar na II Divisão B? 
DF: Acredito que talvez houvesse um pouco de desmoralização em alguns jogadores, mas sei que nunca houve falta de profissionalismo. Também é preciso lembrar que nessa altura, o Vitória tinha muitos problemas financeiros e estava em falta em vários meses para com os jogadores. Também a falta de entrosamento entre os jogadores, pode ter sido um factor desmoralizante. Acredito que se fosse hoje, noutras circunstâncias, o Setúbal B nunca teria descido de divisão, visto que só no último jogo se confirmou a descida.
CR: Continuou no Setúbal para 06/07, mas desta vez foi muito pouco utilizado. Apenas três jogos como suplente utilizado no primeiro escalão. Em Janeiro, optou por sair para o Operário dos Açores, de forma a poder jogar com mais regularidade, ficando ao mesmo tempo, mais perto de casa.
DF: Sim. Passava por uma situação económica dramática e decidi reorganizar a minha vida por seis meses, ao pé da minha família. Aí, entra em cena o "Mister" Agatão, que praticamente me ressuscitou para o futebol e recuperou a minha alegria de jogar futebol. Adorei todos os momentos naquele clube, e encontrei um dos melhores balneários (Miguel Lopes por exemplo, estava no Operário) onde já estive. Estou profundamente agradecido, a todas as pessoas que lá estavam porque foram as ÚNICAS na ilha, que acreditaram que o Fonseca não ficaria por ali.

CR: Depois de passagens intercaladas pela I Divisão e pela II Divisão B, assinou pelo Mallorca de Espanha. Como surgiu essa hipótese de assinar contrato com um clube muito prestigiado em Espanha? 
DF: Foi através do empresário que me representava naquela altura. Já antes de ingressar no Operário, soube do interesse, mas não passou disso. No final da época, depois de me conformar que teria de ficar outro ano na ilha, surgiu essa oportunidade, e claro que não a poderia desperdiçar.

CR: Acabou por passar a temporada na equipa B do Mallorca, onde deu nas vistas, ao apontar 18 golos em 28 jogos. Mesmo assim, não jogou pela equipa principal. Alguma vez lhe explicaram o porquê de não ser aposta? 
DF: Não, nunca percebi. Ainda hoje, vejo muitos dos meus colegas da altura, que jogam e estão sendo aposta na presente temporada na equipa principal do Mallorca, e acredito que se tivesse tido uma oportunidade, talvez o meu trajecto actual seria outro. Às vezes, no futebol, joga-se muito mais fora de campo, e fuí vítima dos interesses dos bastidores. Mas, a minha personalidade não me permite ficar a "chorar" e ser coitadinho. Nunca desistirei. Sei que sou o orgulho da minha família e amigos, e isso é o mais importante para mim.

CR: A boa temporada ao serviço do Mallorca, abriu-lhe novas "portas" no futebol espanhol, e para 08/09, assinou com o Granada, da II Divisão B espanhola. No entanto, marcou poucos golos, saíndo no final da temporada. Que balanço faz da sua passagem pelo futebol espanhol? 
DF: Vivi muitas experiências. Positivas e negativas, naturalmente. Ajudou-me a crescer como Homem e como jogador. No primeiro ano em Mallorca, cresci muito como jogador; no segundo ano, em Granada, cresci muito como Homem.

CR: Depois de dois anos em Espanha, regressou a Portugal, e logo para um clube com grandes pergaminhos no nosso futebol. Como surgiu a hipótese de jogar no Boavista?
DF: Já depois de ter travado uma dura batalha com o Mallorca, para chegar a um acordo para a rescisão do meu contrato, fechado o mercado de transferências, recebi uma chamada do Sr. Barbosa (antigo director-desportivo do Boavista) e decidi que não tinha nada a perder, apesar de muita gente me aconselhar a não ir para o Boavista, devido aos problemas do clube. Não me arrependi em nada.

CR: Quando chegou ao clube, a situação era tão "caótica" como as pessoas falavam ou o Boavista dava claros sinais de melhorias ?
DF: Realmente, a situação era difícil, mas com a união do grupo de trabalho e o esforço que as pessoas na parte directiva, fizeram para que o clube pudesse ser inscrito, foi uma boa base para a temporada difícil e sofrida que viemos a ter. Só com um grupo forte, foi possível alcançarmos a manutenção.

CR: Alheio aos problemas do Boavista fora das quatro linhas, o Fonseca conseguiu ser o melhor marcador da equipa, ao apontar 11 golos em 26 jogos. Isto fez de sí um ídolo para os adeptos do Boavista, como já tive oportunidade de constatar. Sente-se honrado por se ter tornado numa das grandes referências dos adeptos "axadrezados"? 
DF: Cheguei ao Boavista, com o intuito de relançar a minha carreira, e apesar dos problemas do clube, o Boavista será sempre um grande clube. Digam o que disserem, é um clube diferente, com uma massa adepta diferente. Com o passar do tempo, fui aprendendo a gostar e a perceber a mística através das pessoas que lá estão. Um clube, onde se formaram alguns dos melhores jogadores portugueses nos últimos tempos e alguns da actualidade. O meu objectivo, sempre foi ajudar a levantar o clube, juntamente com os meus companheiros, e se pelo meio ganhei o respeito e a admiração dos adeptos boavisteiros, fico muito contente que assim seja, e agradeço todo o apoio que tive durante a época. Mas, realmente, eu não teria sido aquilo que fui, sem os meus companheiros. Fico agradecido ao Boavista, porque foi o clube que confiou em mim quando mais ninguém confiava.

CR: Depois de uma boa temporada na II Divisão Nacional, teve vários convites, mas optou pelo Feirense. Porquê essa opção? 
DF: Foi a melhor oferta que tive no defeso, também pela estabilidade económica que o clube oferece para o meu futuro, que é muito importante. Foi difícil para mim deixar o Boavista, pelo carinho que tenho pelas pessoas de lá, mas o meu futuro imediato teria que passar por um clube onde possa dar continuidade à boa época que fiz no ano passado e que me dê estabilidade económica, algo que, infelizmente, o Boavista não me pode oferecer de momento. Gostaria, isso sim, de poder vestir de novo o "xadrez" no futuro.

CR: Quais os objectivos do Feirense para a temporada 2010/2011? Depois da prestação da temporada passada, arrisco-me a dizer que o grande objectivo vai ser lutar pela subida.
DF: O clube fez um investimento inferior à época passada, mas a ambição está redobrada. Acredito que podemos formar uma boa equipa e lutar pela subida até ao fim num campeonato difícil. Mas, o nosso pensamento, terá de ser jogo-a-jogo.

CR: E o Fonseca, que objectivos tem para esta temporada? Superar os 11 golos de 09/10, é um dos objectivos estabelecidos?
DF: Quero dar seguimento ao que fiz na temporada passada. Sou ambicioso e não desisto da primeira. Sei que tenho qualidades para estar mais acima no panorama do futebol português, e vou tentar agarrar todas as oportunidades que surgirem, para apresentar trabalho e golos. Não gosto de fixar número de golos, mas claramente, espero fazer algo igual ou superior à época passada.

CR: Tem várias internacionalizações pelas selecções jovens e ainda é novo. Continua a manter a esperança de chegar à Selecção A? Ainda por cima, na sua posição, Portugal ultimamente não tem tido grandes referências e viu-se "obrigado" a naturalizar Liedson...
DF: Sou ambicioso, e gostaria um dia de jogar novamente pela Selecção. Mas sou realista, e não vivo obcecado com isso. Mas acredito que o País tem matéria-prima suficiente, para não ter que naturalizar ninguém.Questões rápidas.
CR: Sendo o Fonseca ponta de lança, não posso deixar de lhe fazer esta pergunta: Melhor golo da carreira?
DF: Todos os golos são importantes para mim. Não há grandes golos. Há o golo que passa a linha final, uns mais importantes que outros, é claro. Posso dizer que o golo que nunca esquecerei, foi o da minha estreia na 1ª Liga nos Açores, contra o Guimarães.

CR: Em grande parte dos clubes que representou, utilizou sempre a camisola 47. Por que razão usa constantemente a camisola 47 ? É superstição? 
DF: O número 47, significa uma vontade e ambição em conseguir o seu objectivo de qualquer maneira, independentemente dos obstáculos que se atravessem no meio. Adicionando também 4+7 dá 11, que significa o poder de um guerreiro. Pode-se dizer que sim, que sou supersticioso.

CR: Ao longo da sua carreira, já trabalhou ao lado de jogadores com "nome" no futebol português, como Jorge Silva, Sandro ou Sérgio Nunes. Algum destes ou outro colega, o marcou de uma maneira "especial"?
DF: Jorge Silva, pela sua liderança e capacidade motivacional.

CR: Em Setúbal, jogou com Silvestre Varela. Já naquela altura se percebia que o Varela tinha tudo para triunfar numa grande equipa como o Sporting? Ou, neste caso, como o FC Porto...
DF: Há talentos que não enganam, e o Varela já no Vitória demonstrava o grande jogador que é. Na minha opinião, é o jogador com mais talento, que o Sporting conseguiu formar depois de Futre, Figo e Ronaldo. O tempo encarregar-se-á de o confirmar, para tristeza dos adeptos leoninos.

CR: É capaz de eleger um onze formado por companheiros de equipa (Actuais ou Passados)? 
DF: Guarda-Redes: Hugo Ferreira (Mallorca)
Defesa Direito: Ribeiro (Boavista)
Defesa Central de Marcação: Kali (Santa Clara)
Defesa Central Livre: Jorge Silva (Boavista)
Defesa Esquerdo: Bruno Ribeiro (Santa Clara e V. Setúbal)
Médio Direito: Paulo Campos (Boavista)
Médio Centro: Ariel Ibagaza (Mallorca)
Médio Centro: Pacheco (Santa Clara)
Médio Esquerdo: Garba Lawal (Santa Clara)
Ponta de Lança: Brandão (Santa Clara)
Ponta de Lança: Emilio N'Sue (Mallorca)

*Entre parêntesis, o clube onde Fonseca jogou com o respectivo colega.

O "Conversas Redondas" agradece a Fonseca, o tempo dispendido para esta entrevista, bem como faz votos para que tudo lhe corra bem, tanto na vida desportiva como na vida pessoal.

Pode ver o trajecto de Fonseca, aqui.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Ovarense - Beira Mar: O reencontro quatro anos depois

(Aveiro, 8 de Janeiro de 2006. À falta de jogadores, os guarda-redes da Ovarense, Évora (a sair) e Armando (a entrar), foram utilizados como pontas de lança. O Beira Mar venceu 2-0.)
Longe vão os tempos, em que a Ovarense lutava ombro a ombro com os seus principais rivais, como Feirense, Oliveirense e Beira Mar.
Foi precisamente o Beira Mar, o último clube a defrontar a Ovarense num campeonato profissional. Aveirenses e vareiros, andaram juntos durante alguns anos. Principalmente no surgimento do futebol no Distrito de Aveiro.
Juntamente com outras equipas, fundaram a AF Aveiro, e disputaram as liguilhas de apuramento para a II Divisão Nacional, na década de 40.
Depois, o Beira Mar cresceu mais rápido que a Ovarense, e chegou mesmo à I Divisão. Os de Ovar, continuaram a disputar os escalões mais baixos, e com calma, foram trepando a "escada" do futebol português.
Passaram muitos anos, e alguns confrontos, mas os mais marcantes foram mesmo os da temporada 2005/2006. Talvez, por terem sido os últimos de forma oficial.
Se o Beira Mar lutava para subir, a Ovarense lutava para não descer, mas a crise económica que atravessava, já lhe tinha levado metade do plantel.
Foi assim, que a equipa vareira se apresentou em Aveiro na 1ª volta: com apenas 12 jogadores, entre eles três guarda-redes. Évora foi titular, saíndo aos 60' para entrar o outro guardião: Armando. Na baliza, ficou Rui Correia, ex FC Porto e Sporting.
Na segunda volta, já com o Beira Mar promovido e a Ovarense despromovida, ambas as equipas apresentaram-se sem grandes pressões. Assim, a Ovarense venceu por 2-1, naquele que foi o seu último jogo num escalão profissional. Na baliza dos vareiros, estava Zito. Um...extremo esquerdo.
Ontem, quatro anos depois, e com a Ovarense quase de regresso ao quadro do futebol nacional em Portugal, o duelo voltou a ser reeditado. Mais do que a apresentação da Ovarense, este jogo foi histórico, uma vez que se tratava de um reencontro entre dois rivais.
O "ConversasRedondas" não esteve presente, mas contou com uma colaboração especial. Portanto, cá fica a história da partida:

Em tarde de festa (realizava-se a apresentação do futebol de formação vareiro e também da equipa sénior), Leonardo Jardim apresentou um Beira Mar, com alguns jogadores à experiência e com muitos juniores, contando ainda com alguns elementos do plantel sénior.
A Ovarense entrou de forma mais atrevida na partida, e chegou mesmo a acercar-se da área do Beira Mar, embora sem nunca criar grande perigo.
Ao minuto 15', Bruno Conceição, guarda-redes do Beira Mar, quis fintar Nino, jogador da Ovarense, mas o jovem vareiro roubou-lhe o esférico e encostou para o fundo das redes. O golo levou público presente no Estádio Manuel Marques da Silva ao delírio, enquanto os aveirenses ficaram surpreendidos.
O Beira Mar, tomou então conta da partida, criando várias ocasiões de golo, mas os jogadores aveirenses revelavam grande desacerto na hora de rematarem. Nas vezes em que conseguiam rematar, estava lá Daniel, guardião da Ovarense, que teve várias intervenções decisivas, segurando assim a magra vantagem da equipa da casa.
Os da casa, tentavam dar um ar da sua graça, sempre com Nino, Danny e Marmelo, a assumirem as rédeas do jogo.
Aos 41', o Beira Mar chegou ao golo. Luís Tinoco, na conversão de um livre bateu o recém-entrado Crujeira, e empatou a partida.
Ao intervalo, o balanço da partida era positivo. Não parecia um jogo entre uma equipa da Liga Sagres e outra dos Distritais de Aveiro, tal era o equilíbrio.
Para o segundo tempo, ambos os técnicos fizeram algumas mexidas nas suas equipas, com o Beira Mar a manter a posse de bola e o controlo do jogo, e com a Ovarense a explorar o contra-ataque, demonstrando ser uma equipa forte nas transições defesa-ataque.
Aos 61', os aveirenses chegaram ao segundo golo. Lance delicioso de Renan, que deixou para trás quatro jogadores da Ovarense, ultrapassando ainda o guardião vareiro, fazendo depois o 1-2.
Aos 75', uma situação que em nada dignifica o futebol e, neste caso, o Beira Mar: a claque aveirense "Ultras Auri-Negros" envolveram-se numa troca de palavras azeda com os adeptos da Ovarense, e tentaram mesmo o cofronto físico, valendo a intervenção decisiva dos agentes de segurança, que encaminharam mesmo alguns elementos da claque do Beira Mar, para fora do estádio.
Voltando ao jogo dentro das quatro linhas, a Ovarense já havia assumido o controlo da partida, e continuava a apostar na velocidade do seu ataque. Foi assim, que Sabry, cavou uma grande penalidade. Excelente arrancada do jovem vareiro, que já dentro de área, acabou por ser completamente abalrroado por um defensor aveirense.
Chamado a converter o castigo máximo, Fábio Ferreira que representou a Ovarense na Liga de Honra, não perdoou e empatou a partida.
A poucos minutos do fim, destaque para a entrada de Cassamá no Beira Mar, jovem de apenas 16 anos, e que representava anteriormente os escalões de formação da Ovarense.
E, a dois minutos dos 90' regulamentares, na sequência de um contra-ataque rápido, Tom, jogador que se encontra à experiencia no Beira Mar, concluiu com êxito o ataque dos aveirenses, estabelecendo o resultado final: 2-3.
Deste jogo, fica sobretudo a excelente réplica dada pela Ovarense ao Beira Mar, que embora sem alguns jogadores da equipa principal, apresentou-se com outros jogadores, também eles de qualidade.
Quanto ao público presente, os adeptos da Ovarense compareceram em massa à partida, enquanto de Aveiro, viajaram alguns elementos afectos à claque "Ultras Auri-Negros".

Ficha de Jogo:

Árbitro: André Pardal; auxiliado por: Hugo Santos e Nuno Pina.

Ovarense: Daniel; Tiago Silva, Pereira, Fábio Nunes e Dário; Toninho, Danny e Humberto; Marmelo, Nino e David Joel.
Jogaram ainda: Crujeira; Bruno; Cristiano, Sérgio, Gamarra, Pombinho, Luís Leite, Veiros, Fábio Ferreira, Sabry, Monteiro, Edson, Vitinha e Carlos Alberto.
Treinador: Marco Silva; Suplentes Não Utilizados: João e Teles.

Beira Mar: Bruno Conceição: Pedro Araújo, Berna, Sefal e Rúben Lima; Tom, Luís Tinoco e Figueiredo; Nélson, Hugo Seixas e Renan.
Jogaram ainda: Jaime, Rui, Cassamá, Granja, Ibraima e Fílipe.
Treinador: Leonardo Jardim; Suplentes Não Utilizados: Jan Oblak.

Golos: 1-0 Nino 15'; 1-1 Luís Tinoco 41'; 1-2 Renan 61'; 2-2 Fábio Ferreira 82'; 2-3 Tom 89';

Colaboração especial: Nuno Leite.

domingo, 5 de setembro de 2010

Taça de Portugal: 1ª Eliminatória já completa

(Depois da festa na temporada passada, o Chaves caíu "à primeira" na Taça, esta temporada.)
Completou-se hoje a primeira eliminatória da Taça de Portugal 2010/2011.
A derrota mais marcante, é certamente a do finalista vencido da edição anterior, o D. Chaves, que acabou afastado no desempate por grandes penalidades em casa, frente ao Amares da III Divisão.
Outra derrota "marcante", foi a do Vizela, candidato à vitória na Zona Norte da II Divisão, que acabou afastado nos penaltis pelo Ribeirão, do mesmo escalão.
O Farense, em ano de regresso à II Divisão, arrancou a época oficial com uma vitória por 3-0 sobre o Santana da Madeira.
Fafe e Mafra, são os grandes destaques pela positiva. Ambos venceram fora, marcando oito golos. O Fafe venceu 8-1 a equipa do Beira Mar Monte Gordo; enquanto que o Mafra goleou 8-0 o At. Tojal.
O "ConversasRedondas" marcou presença no encontro entre Lourosa e Vila Meã, que os amarantinos levaram de vencida por 0-2.
Cá ficam todos os resultados da 1ª Eliminatória da Taça de Portugal 2010/2011:

Sábado:
Bom Sucesso (III) 1-2 Santacruzense (III)
Avanca (III) 0-5 Messinense (III)
Portosantense (III) 2-1 Casa Pia (IIB)
Bombarralense (III) 2-1 Sp. Ideal (III)
Vianense (IIB) 2-0 Praínha (III)
Vitória Pico (IIB) 2-3 Bragança (III)

Domingo:
Farense (IIB) 3-0 Santana (III)
Juv. Évora (IIB) 3-0 Valenciano (III)
At. Reguengos (IIB) 0-1 Tourizense (IIB)
Lourosa (III) 0-2 Vila Meã (III)
Sp. Espinho (IIB) 1-0 Sesimbra (III) - Após Prolongamento
Gondomar (IIB) 1-1 Caniçal (IIB) - 4-3 G. P.
Caldas (III) 2-1 Ol. Bairro (III)
Vizela (IIB) 0-0 Ribeirão (IIB) - 3-4 G. P.
Crato (III) 0-1 Ac. Viseu (III)
Operário (IIB) 3-2 Sp. Pombal (IIB)
Santiago (III) 0-2 SJ Vêr (III)
Oriental (IIB) 4-0 Odemirense (III)
Vigor Mocidade (III) 0-0 Ribeira Brava (III) - 3-4 G. P.
Sacavenense (III) 2-0 Alba (III)
Merelinense (IIB) 4-2 Rebordosa (III)
Xavelhas (III) 0-6 Vieira (III)
E. V. Novas (III) 4-2 Angrense (IIB)
Pinhalnovense (IIB) 5-0 U. Micaelense (III)
Tocha (III) 0-1 Torreense (IIB)
Macedo Cavaleiros (IIB) 3-1 B. C. Branco (III)
Oeiras (III) 1-0 Real (IIB) - Após Prolongamento
Sourense (III) 1-0 Câmara Lobos (III)
U. Montemor (III) 2-1 Leça (III)
Carregado (IIB) 3-1 Eléctrico (IIB)
Louletano (IIB) 5-0 Andorinha (III)
Santa Maria (III) 2-0 Taipas (III)
Sintrense (III) 0-1 Alpendorada (III)
Aguiar Beira (III) 0-2 Melgacense (III)
Anadia (IIB) 2-0 AD Oliveirense (IIB)
Ol. Douro (III) 1-2 Sampedrense (III)
Cova Piedade (III) 3-0 Esmoriz (IIB) - Após Prolongamento
U. Madeira (IIB) 6-0 AD Nogueirense (III)
Serzedelo (III) 0-0 Famalicão (III) - 6-5 G. P.
At. Tojal (III) 0-8 Mafra (IIB)
Beira Mar MG (III) 1-8 Fafe (IIB)
D. Chaves (IIB) 2-2 Amares (III) - 3-4 G. P.
Lusitânia (III) 1-2 Padroense (IIB) - Após Prolongamento
Mirandela (III) 3-0 Fão (III)
Joane (III) 1-3 Bustelo (III) - Após Prolongamento
Lousada (IIB) 1-0 Peniche (III)
Cesarense (IIB) 1-0 Riachense (III) - Após Prolongamento
União Serra (IIB) 3-0 Juventude Gaula (III)
Odivelas (III) 1-0 Pampilhosa (IIB)
Capelense (III) 0-1 Ol. Frades (III)
Canicense (III) 2-2 Atlético (IIB) - 4-5 G. P.
Gândara (III) 0-3 Fiães (III)
SC Vilanovense (III) 0-2 Cinfães (III)
Candal (III) 3-1 Águias Moradal (III)
Marinhense (III) 0-1 Esp. Lagos (III)
1º Dezembro (III) 1-0 Fabril (III)
Aljustrelense (III) 1-1 Boavista São Mateus (III) - 1-3 G. P.
Sertanense (IIB) 2-0 Machico (III)
Madalena (IIB) 3-0 Pescadores (III)
Estrela Calheta (III) 1-2 Lagoa (IIB)

Isentos:
1º Maio (III); Alcochetense (III); Aliados Lordelo (IIB); Amarante (III); Camacha (IIB); Coimbrões (IIB); Esposende (III); Limianos (III); Malveira (III); Maria da Fonte (III); Mondinense (III); Monsanto (III); Moura (III); Penalva Castelo (III); Paredes (III); Pontassolense (IIB); Praiense (IIB); Sousense (III); Tirsense (IIB); Tondela (III).

Nota: A negrito as equipas apuradas para a 2ª Eliminatória.

sábado, 4 de setembro de 2010

Colômbia: Jogador desmaia devido à fome

É mau demais para acontecer, mas aconteceu.
Ronald Quintero, jogador do Deportivo Pereira, do primeiro escalão colombiano, desmaiou em pleno treino, devido à fraqueza que tem tido, por não se alimentar em condições nos últimos dias.
O Deportivo não paga salários há vários meses, e há vários jogadores a passarem fome. Ronald Quintero é um deles.
"Alguns dos meus companheiros não se têm alimentado e por isso decidimos não jogar este domingo. Não temos dinheiro nem para o supermercado. Os directores não se comprometem com nada, dizem que não têm um centavo e estão a esperar que saia algo de bom de uma negociação pendente" falou aos jornalistas Gustavo Victoria, o capitão de equipa.
Esta é uma situação, idêntica à que muitos futebolistas passam em Portugal durante as temporadas em curso. Serve, sobretudo, para alertar aqueles que não têm consciência, e que preferem meter o dinheiro "ao bolso", em vez de pagarem, a quem trabalha e o merece.

Taça de Portugal arrancou hoje

(Adversários na 4ª Eliminatória da Taça em 04/05, Alverca e Boavista não marcarão presença na edição de 2010/2011.)
Arrancou hoje mais uma edição da Taça de Portugal. Nesta primeira eliminatória, apenas entram clubes da III Divisão e da II Divisão Nacional.
O primeiro dia de competição, teve seis jogos, com três clubes das Ilhas a deslocarem-se ao Continente um dia mais cedo do que o previsto, talvez, por causa das viagens aéreas.
Apenas houve um jogo entre equipas do Continente, e curiosamente, ambas disputarão a III Divisão Nacional. O Avanca acabou goleado em casa pelo Messinense, 0-5.
Também houve um jogo entre ilhéus. Na Madeira, o Bom Sucesso acabou afastado em casa pelo Santacruzense. 1-2 foi o resultado.
Nos Açores, o Vitória do Pico, recentemente despromovido à III Divisão, acabou afastado pelo Bragança da II Divisão, por 2-3; enquanto na Madeira, o Casa Pia, que irá disputar a II Divisão, perdeu no reduto do Portosantense da III por 2-1.
No Continente, Bombarralense e Vianense, receberam ambos equipas açoreanas, e ambos saíram vencedores. No Bombarral, os da casa bateram o Sp. Ideal por 2-1; enquanto que em Viana do Castelo, o Praínha saiu derrotado por 2-0.
A primeira eliminatória prossegue amanhã, com a realização de 54 jogos, onde se destacam as presenças de Vizela, Gondomar, D. Chaves e Farense.
Isentos, e por isso já apurados para a 2ª Eliminatória, ficaram vinte clubes, entre eles o Tirsense.
Resultados da 1ª Eliminatória da Taça de Portugal até ao momento:

Vitória do Pico (III) 2-3 Bragança (IIB)
Bombarralense (III) 2-1 Sp. Ideal (III)
Portosantense (III) 2-1 Casa Pia (IIB)
Vianense (III) 2-0 Praínha (III)
Avanca (III) 0-5 Messinense (III)
Bom Sucesso (III) 1-2 Santacruzense (III)

Nota: A negrito os apurados para a 2ª Eliminatória.