sexta-feira, 29 de junho de 2012

Euro 2012: Itália na final

(Balotelli festejou desta forma o segundo golo frente à Alemanha.)
Afinal, Platini não é nenhum 'polvo humano'. A final 'desejada' pelo presidente da UEFA, entre Espanha e Alemanha, não vai acontecer, graças à Itália, que venceu os germânicos por 2-1.
Mario Balotelli apontou os dois golos da selecção transalpina, enquanto que o melhor que os alemães conseguiram fazer, foi reduzir por intermédio de Ozil já no período de descontos, e na conversão de uma grande penalidade.
Os italianos entraram fortes no jogo, pressionando os germânicos à saída da bola, e a personalidade italiana que vem sido vincada neste Euro, deu os primeiros frutos aos vinte minutos, quando Cassano cruzou na esquerda para a antecipação de Balotelli a Badstuber, que resultou num cabeceamento certeiro para o fundo da baliza de Neuer.
Aos 36', e em mais uma falha defensiva alemã, Balotelli isolado perante Neuer, não teve dificuldades em disparar um 'míssil' para o fundo das redes. 2-0 para a Itália.
Ao intervalo, o seleccionador alemão Joachim Low deixou no balneário Podolski e Gómez, lançando Reus e Klose, mas apesar de muito terem tentado um outro desfecho, o melhor que os alemães conseguiram foi reduzir para 1-2 aos 90+2', por intermédio de Ozil, na sequência de uma grande penalidade, a castigar mão na bola de Balzaretti.
Balzaretti, que lhe viu um golo ser anulado à entrada para os últimos dez minutos da partida.
Sendo assim, no próximo domingo, Espanha e Itália jogam o título europeu em Kiev, na Ucrânia.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Libertadores: Corinthians empata na Bombonera

Arrancou com um empate a final da Taça Libertadores, na América do Sul. Na primeira mão da final, na Argentina, Boca Juniors e Corinthians empataram a uma bola, e deixam tudo em aberto para o jogo da segunda mão no Pacaembu.
Estreante na final da Libertadores, o Corinthians entrou na partida sem medo do Boca, e Paulinho do meio da rua, deu o primeiro aviso a Orión, que fez uma grande defesa para canto.
Os argentinos ficaram perto de marcar aos 34' minutos, quando após um cruzamento de Pablo Mouche na direita, Santiago Silva - esse mesmo, o que passou pelo Beira-Mar em 04/05 -, tentou o bonito através de um pontapé de bicicleta, que foi travado pelas pernas de Alessandro.
Liedson entraria em campo pouco depois, aos 38', substituindo o lesionado Jorge Henrique, que havia treinado condicionado durante os dias que antecederam esta primeira mão.
No segundo tempo, o 'Timão' entrou diferente de como havia entrado no início da partida. Os actuais campeões brasileiros deram espaço ao Boca, e permitiram que os argentinos, liderados por Riquelme, fossem trocando a bola a seu bel-prazer, e acreditando cada vez mais no golo, embalados por um estádio da Bombonera completamente lotado.
Aos 60', Mouche, já dentro de área, rematou para defesa de Cássio, mas aos 73' minutos, o mesmo Mouche viria a cobrar o canto que daria o 1-0 aos da casa.
Canto cobrado na esquerda do ataque do Boca, após um desvio, Santiago Silva cabeceou para golo, mas Chicão, em cima da linha e com a mão, impediu que a bola entrasse. No entanto, esta sobrou para Roncaglia, que à boca da baliza, não teve dificuldades em empurrar para o primeiro golo da noite.
Com o golo de Roncaglia, os da casa galvanizaram-se na procura do segundo, enquanto que por sua vez, o Corinthians encolheu-se ainda mais no terreno, acusando claramente o golo sofrido.
Aos 83' minutos, o técnico do 'Timão', Tite, tirou Danilo e lançou Romarinho, com o jovem avançado brasileiro a marcar na primeira vez que tocou no esférico, picando a bola por cima de Orión, depois de ter sido assistido de forma primorosa por Emerson.
Nos descontos, ainda houve tempo para um cabeceamento de Viatri, jogador do Boca, à trave.
Na próxima madrugada de quarta para quinta-feira - hora portuguesa -, Corinthians e Boca encontram-se no Pacaembu, numa partida que deverá ser transmitida pela SportTv a partir das 1h50, como aconteceu, de resto, esta madrugada.
Em caso de empate, independentemente do número de golos marcados, a partida será desempatada através da marcação de grandes penalidades, uma vez que na final da prova, os golos marcados fora não têm qualquer valor.
Ficha de Jogo:

Jogo realizado no Estádio La Bombonera, em Buenos Aires - Argentina
Árbitro Principal: Enrique Osses (Chile)

Boca Juniors (4-4-2): Orión; Roncaglia, Carruzzo, Schiavi e Clemente Rodríguez; Pablo Ledesma (Rivero 81'), Somoza, Riquelme e Erviti; Mouche (Cvitanich 86') e Santiago Silva (Viatri 84').
Treinador: Julio Falcioni. Suplentes Não Utilizados: Sosa; Sauro, Cristian Chavez e Sánchez Miño.

Corinthians (4-4-2): Cássio; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Alex (Wallace 90+1') e Danilo (Romarinho 83'); Jorge Henrique (Liedson 38') e Emerson.
Treinador: Tite. Suplentes Não Utilizados: Júlio César; Welder, Marquinhos e Douglas.

Disciplina:
Amarelos: Roncaglia 18'; Riquelme 41'; Chicão 73'; Fábio Santos 86'; Erviti 87'.

Marcador: 1-0 Roncaglia 73'; 1-1 Romarinho 85'.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Euro 2012: Portugal 0-0 Espanha - 2-4 G. P.

O sonho bateu na trave. Portugal perdeu a possibilidade de chegar à sua segunda final de um Campeonato da Europa, perdendo no desempate por grandes penalidades ante a Espanha.
Depois de Xabi Alonso ter falhado o primeiro penalti do desempate, Moutinho seguiu-lhe as pisadas, e Bruno Alves ditou a sentença de Portugal, falhando aquele que seria o 3-3. Fàbregas bateu o decisivo, a bola foi ao poste e entrou. 4-2 para a Espanha, e nós ficamos por aqui.
Portugal não se amedrontou perante a suposta melhor equipa do Mundo. Longe disso. Jogou olhos nos olhos, bloqueou o tiki-taka, procurou assumir o jogo em determinados momentos.
A famigerada circulação de bola espanhola, não funcionava tanto quanto eles gostavam, queriam e pensavam que iam conseguir. E a primeira vez que remataram à baliza de Rui Patrício, foi apenas aos 67' minutos, e fruto de um erro de Miguel Veloso, que deixou a bola para Xavi.
Portugal, na verdade, também não teve situações de perigo, exceptuando aos 89' minutos (!), quando num rápido contra-ataque de quatro tugas para dois espanhóis, Ronaldo atirou por cima uma hipótese bem viva, chamada final.
E muito antes disso, ainda na primeira parte, e também por Ronaldo, Portugal ficou perto de marcar, com o remate do extremo, a passar ligeiramente ao lado do poste esquerdo da baliza de Casillas.
Se durante os noventa minutos, ninguém conseguiu marcar, no prolongamento muito menos. Mas a Espanha andou perto de o fazer aos 104', quando Iniesta rematou para golo, e Patrício o evitou, com uma defesa apertada para canto.
Paulo Bento aproveitou para lançar Custódio e Varela na segunda parte do prolongamento - Nélson Oliveira já havia entrado aos 81' -, mas desta feita o 'Drogba da Caparica' não saiu do banco para marcar.
Na lotaria dos penaltis, tudo começou bem para Portugal, com Patrício a defender o remate de Xabi Alonso, mas Moutinho imitou o trinco do Real Madrid, proporcionando a defesa a Casillas. Foram depois convertidos cinco penaltis com êxito, até que Bruno Alves interrompeu a sequência, acertando em cheio na trave. Fàbregas podia qualificar a Espanha, e não vacilou.
Quem sabe o lugar que ocupa, não se preocupa. Viva Portugal.
Ficha de Jogo:

Jogo realizado no Estádio Donbass Arena, em Donetsk - Ucrânia
Árbitro Principal: Cuneyt Çakir (Turquia)

Portugal (4-3-3): Rui Patrício; João Pereira, Bruno Alves, Pepe e Fábio Coentrão; Miguel Veloso (Custódio 105'), Raúl Meireles (Varela 112'); Nani, Hugo Almeida (Nélson Oliveira 81') e Ronaldo.
Treinador: Paulo Bento. Suplentes Não Utilizados: Beto e Eduardo; Ricardo Costa, Rolando, Miguel Lopes, Rúben Micael, Hugo Viana e Quaresma.

Espanha (4-3-3): Casillas; Arbeloa, Sergio Ramos, Piqué e Jordi Alba; Busquets, Xabi Alonso e Xavi (Pedro 86'); David Silva (Jesús Navas 60'), Negredo (Fàbregas 54') e Iniesta.
Treinador: Vicente Del Bosque. Suplentes Não Utilizados: Reina e Valdés; Raúl Albiol, Javi Martínez, Juanfran, Santi Cazorla, Mata, Llorente e Fernando Torres.

Disciplina:
Amarelos: Sergio Ramos 40'; Fábio Coentrão 45'; Xabi Alonso 52'; Busquets 59'; Pepe 60'; João Pereira 63'; Arbeloa 83'; Bruno Alves 85'; Miguel Veloso 90+1'.

Marcador: Nada a assinalar.
Penaltis: Xabi Alonso falhou; João Moutinho falhou; Piqué 0-1; Pepe 1-1; Iniesta 1-2; Nani 2-2; Sergio Ramos 2-3; Bruno Alves falhou; Fàbregas 2-4.

terça-feira, 26 de junho de 2012

Paulo Lopes reforça Benfica

(Paulo Lopes representou o Feirense durante três temporadas, uma delas na Liga ZON Sagres.)
Segundo avançam vários órgãos de comunicação social, o guarda-redes Paulo Lopes, de trinta e três anos, e até aqui jogador do Feirense, assinou por duas temporadas com o Benfica.
A confirmar-se esta notícia, trata-se do regresso do guardião à Luz, pois Paulo Lopes além de ter sido formado no clube das águias, esteve também na equipa principal nas épocas 97/98, 98/99 e 01/02, tendo pelo meio sido emprestado a Gil Vicente e Barreirense, e ter ainda rodado pela equipa B dos encarnados.
Depois de terminar o vínculo ao Benfica, Paulo Lopes representou Salgueiros, Estrela da Amadora e Trofense, antes de chegar ao Feirense na época 09/10, clube que representou até aos dias de hoje.
Esta contratação, pode-se dizer, é estratégica por parte da turma encarnada, uma vez que a UEFA obriga a que os clubes tenham inscritos nas competições europeias, um certo número de jogadores formados nas suas fileiras, o que encaixa perfeitamente na relação Paulo Lopes-Benfica.
Paulo Lopes deverá então ser suplente de Artur, uma vez que com o regresso de Eduardo ao Génova, o Benfica tinha apenas duas soluções para a baliza - Artur e Mika.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Espanha: faleceu jogador do Bétis

(Miki Roqué faleceu ontem vítima de cancro, aos vinte e três anos.)
Depois das mortes de Puerta em 2007, e de Jarque em 2009, a Espanha volta a estar de luto pela morte de um futebolista, desta feita, por Miki Roqué, até à data jogador do Bétis de Sevilha.
Em Março de 2011, foi diagnosticado ao defesa central, um cancro na zona pélvica, razão pela qual o futebolista faleceu ontem, aos vinte e três anos de idade.
Nascido em Tremp, na Catalunha, a 8 de Julho de 1988, Miki Roqué iniciou a sua carreira como futebolista no Lleida, de onde se transferiu para o Liverpool em 2005, tendo até actuado pelos 'Red Devils' num encontro da Liga dos Campeões, frente ao Galatasaray.
Apesar disso, não singrou no clube da cidade dos Beatles, tendo sido sucessivamente emprestado a Oldham Athletic, Xerez e Cartagena, antes de chegar ao Bétis na época 09/10.
Não voltou a pisar os relvados desde que lhe foi diagnosticada a doença, e o seu falecimento levou a que alguns jogadores espanhóis presentes no Euro pela selecção 'roja', 'postassem' na rede social 'Twitter', variadas mensagens relacionadas com a sua morte. Busquets, prometeu inclusive, dedicar-lhe a conquista do torneio.
Miki Roqué, foi ainda internacional sub-19 pela Espanha.

domingo, 24 de junho de 2012

Euro 2012: Quartos-de-Final concluídos

(Klose em acção, durante a partida que opôs a Alemanha à Grécia, nos Quartos-de-Final.)
Ficaram hoje concluídos os Quartos-de-Final do Euro 2012, com Portugal, Alemanha, Espanha e Itália, a serem as quatro melhores selecções deste torneio, pois chegaram todas às Meias-Finais.
Na quinta-feira, um golo de Cristiano Ronaldo à entrada para os últimos dez minutos de jogo, deu a vitória a Portugal sobre a República Checa, sendo que Portugal vai agora defrontar a Espanha, que ontem bateu a França por 2-0, com um bis de Xabi Alonso aos 19' e aos 90+1', este na conversão de uma grande penalidade.
Na sexta-feira, a Alemanha defrontou a Grécia, e venceu por 4-2, com Lahm a abrir o marcador aos 39', mas com Samaras a empatar para os helénicos aos 55'. No entanto, e num ápice, a Alemanha fez três golos que ditaram o afastamento dos gregos: Khedira aos 61', Klose aos 68' e Reus aos 74' colocaram o marcador em 4-1, sendo que Salpingidis fecharia as contas do marcador aos 88', na conversão de uma grande penalidade.
A Alemanha vai agora enfrentar a Itália nas Meias-Finais, depois de os italianos terem afastado hoje a Inglaterra, através do desempate por grandes penalidades, num jogo que terminou sem golos, e foi por isso, o primeiro nulo deste Europeu.
No desempate, os italianos venceram por 4-2, com destaque para um penalti 'à Panenka' cobrado por Pirlo, e ainda para uma defesa de Buffon a remate de Ashley Cole.
Posto isto, cá fica a calendarização das Meias-Finais:

Quarta-Feira: Portugal vs. Espanha - 19h45 SportTv1/SIC
Quinta-Feira: Alemanha vs. Itália - 19h45 SportTv1/TVI

Argentina: River regressa à Primeira Divisão

(Trezeguet prepara-se para fazer o 2-0 na partida de ontem, frente ao Almirante Brown.)
O histórico argentino River Plate, está de regresso à I Divisão do País das 'Pampas', um ano depois de ter descido pela primeira vez na sua história, ao segundo escalão.
À entrada para a última jornada, os 'Milionarios' lideravam a prova em igualdade pontual com o Instituto, e com um ponto à maior para Quilmes e Rosario Central.
Ora, na última jornada, que foi disputada ontem, o River Plate venceu o Almirante Brown por 2-0, com um bis de Trezeguet - esse mesmo! -, e garantiu não só a subida, como o título de campeão, uma vez que o Instituto foi goleado em casa pelo Ferro Carril Oeste, por 3-0, e caiu para o terceiro posto, ultrapassado pelo Quilmes, que venceu 2-0 no terreno do Guillermo Brown.
Sendo assim, River e Quilmes sobem de forma directa, enquanto que Instituto e Rosario Central vão disputar entre eles, um play-off de promoção.
Além de Trezeguet, o River Plate contava ainda com outros jogadores históricos, como o são Cristian Ledesma, Fernando Cavenaghi ou Alejandro Domínguez.
O treinador é Matias Almeyda, que enquanto jogador, e além de internacional pela Argentina, representou por exemplo a Lázio de Roma; e o presidente é o também não menos mediático, Daniel Passarella, que como jogador representou além do River, Fiorentina e Inter, e que como treinador, orientou a selecção principal argentina, durante quatro anos.
Com o regresso do River Plate ao primeiro escalão do futebol argentino, teremos também o regresso do 'SuperClásico', entre o clube dos 'Milionarios' e o Boca Juniors.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Salgueiros na III Divisão

(Na penúltima jornada da Div. de Honra 11/12, os adeptos salgueiristas encheram Pedrouços.)
Segundo avança o 'Jornal de Notícias' de hoje, o Salgueiros 08 competirá na III Divisão Nacional da próxima temporada, à semelhança do que vinha sido adiantado pela imprensa desde o fim da Divisão de Honra da AF Porto 11/12.
Ainda segundo o mesmo órgão de imprensa, o histórico clube de Paranhos, já recebeu o convite para participar naquela que será a última temporada de existência do quarto escalão do futebol nacional. Na origem deste convite, está a recusa do Minas de Argozelo, da AF Bragança, em subir aos nacionais.
O convite será, ao que tudo indica, aceite, uma vez que a comissão administrativa que gere o 'velho Salgueiral', vem trabalhando na próxima temporada há já algum tempo.
Prova disso, é o facto da mesma comissão ter garantido a continuidade de Carlos Secretário no comando técnico, sendo que durante esta semana, um outro órgão de imprensa nacional, adiantou três contratações por parte do clube de Vidal Pinheiro. São eles: os guarda-redes, Chico ex-Sp. Espinho e Miguel Matos ex-Infesta; e o avançado Norinho, ex-Sousense.
O clube salgueirista continuará a efectuar os seus jogos caseiros no Estádio do Padroense, e deverá integrar a Série B da III Divisão.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Euro 2012: República Checa 0-1 Portugal

Venham as Meias! Portugal venceu a República Checa por 1-0, e qualificou-se para a semi-final do Euro 2012, estando já garantidamente entre uma das quatro melhores selecções do torneio.
O bloco checo foi desfeito à entrada para os últimos dez minutos da partida, quando Moutinho cruzou na direita de forma certeira para a cabeça de Ronaldo, que selou o resultado final.
Os primeiros trinta minutos do jogo, foram confusos. Ninguém conseguia perceber muito bem o que andavam ambas as equipas a tentar fazer. Os checos tentavam um ou outro ataque pelas alas, nada de preocupante, e Portugal não assumia o jogo.
Aos 33' minutos, Ronaldo ensaiou um dos seus momentos de génio assistido por Pepe, mas a bicicleta saiu um pouco ao lado da baliza de Cech.
A poucos minutos do intervalo, Postiga 'rasgou' e cedeu o lugar a Hugo Almeida - estreia do 'Panzer' na prova -, e foi já nos descontos do primeiro tempo, que Ronaldo voltou a ficar perto de marcar, depois de um excelente domínio de peito, seguido de uma excelente rotação, que acabou num remate devolvido pelo poste esquerdo da baliza checa.
O segundo tempo abriu praticamente com um livre de Ronaldo ao poste, a castigar falta cometida sobre o próprio. Portugal entrava por cima no jogo.
Apesar de dominar a partida a seu bel-prazer, Portugal só através de remates fora de área conseguia chegar com perigo à baliza de Cech: primeiro, foi Nani aos 57'; depois, foi Moutinho aos 63', sempre com duas boas intervenções do guarda-redes do Chelsea.
Portugal rondava a baliza checa, os checos não eram muito atrevidos na hora de atacar, mas a nós, só nos faltava o golo. Golo esse que apareceu aos 79' minutos por intermédio de uma cabeçada de Ronaldo, após cruzamento milimétrico de João Moutinho.
Portugal estava agora em vantagem, e podia ter feito o 2-0 logo de seguida, quando João Pereira apareceu bem em zona frontal, mas rematou para defesa de Cech.
Até aos descontos, o relógio passou rápido, já com Custódio e Rolando em campo no lado tuga, eles que entraram somente para tapar os caminhos para a baliza de Rui Patrício.
Já na fase final do período de compensação, e numa altura em que Cech subiu à área portuguesa para cabecear, Ronaldo podia ter acabado com o jogo - a baliza estava aberta -, mas acabou por perder a bola, após várias fintas.
Portugal vai conhecer o seu adversário das Meias Finais neste sábado, sendo certo que ele sairá do duelo entre Espanha e França.
Quarta-feira, Donetsk recebe o quinto jogo da 'equipa das Quinas' neste Europeu.
Ficha de Jogo:

Jogo realizado no Estádio Nacional de Varsóvia, em Varsóvia - Polónia
Árbitro Principal: Howard Webb (Inglaterra)

Rep. Checa (4-2-3-1): Cech; Selassie, Kadlec, Sivok e Limbersky; Plasil e Hubschman (Pekhart 86'); Pilar, Darida (Rezek 60') e Jirácek; Baros.
Treinador: Michal Bílek. Suplentes Não Utilizados: Lastuvka e Drobny; Suchy, Hubník, Rajtoral, Petrzela, Kolár, Necid, Rosicky e Lafata.

Portugal (4-3-3): Rui Patrício; João Pereira, Pepe, Bruno Alves e Fábio Coentrão; Miguel Veloso, João Moutinho e Raúl Meireles (Rolando 88'); Nani (Custódio 83'), Hélder Postiga (Hugo Almeida 40') e Cristiano Ronaldo.
Treinador: Paulo Bento. Suplentes Não Utilizados: Eduardo e Beto; Ricardo Costa, Miguel Lopes, Hugo Viana, Rúben Micael, Quaresma, Varela e Nélson Oliveira.

Disciplina:
Amarelos: Nani 26'; Miguel Veloso 27'; Limbersky 89'.

Marcador: 0-1 Cristiano Ronaldo 79'.

terça-feira, 19 de junho de 2012

Bailão: "Cidade torce muito mais pelo Barreirense"

(Bailão apontou doze golos ao longo da temporada, repartidos entre Campeonato e Taça.)
O 'ConversasRedondas' conversou com Bailão, extremo do Barreirense, que na primeira temporada ao serviço do clube, além de ser campeão distrital, venceu a Taça da AF Setúbal.
O avançado formado no V. Setúbal, começou precisamente por falar dos objectivos propostos na temporada, objectivos esses que foram cumpridos:
"As metas foram claramente definidas e apresentadas desde o início: subir de divisão e vencer a Taça. E para que tal sucedesse, teríamos um objectivo semanal que passava por vencer cada um dos jogos, em ambas as competições. Felizmente atingimos os objectivos consecutivamente e fomos vendo as metas cada vez mais próximas. Primeiro, vencemos a Taça, e por fim, sagrámo-nos campeões na última jornada."
Na temporada 08/09, Bailão representou um outro clube histórico do Barreiro: o Fabril. Para Bailão, os clubes são parecidos em certas medidas, mas a cidade pende 'claramente' para o Barreirense, no que toca à hora de apoiar:
"São clubes parecidos em certa medida, pouca é certo, que assenta sobretudo no peso histórico de ambos e ainda no facto de se tratarem de clubes que têm sempre cumprido com os seus compromissos, sendo estes exemplos cada vez mais raros no futebol amador e profissional. No entanto, são diferentes em tudo o resto. O Fabril possui infra-estruturas de topo, que proporcionam óptimas condições de trabalho às suas equipas, enquanto que o Barreirense é um gigante que se está a reerguer e acredito que dentro de pouco tempo conseguirá também proporcionar tudo o que é necessário para os seus atletas e respectivas equipas técnicas. No que diz respeito à fervorosidade e apoio à equipa por parte dos adeptos, isso sente-se muitíssimo mais no Barreirense. O impacto na cidade é bem maior no Barreirense, sem qualquer tipo de comparação."
Bailão elege, naturalmente, as conquistas ao longo da temporada, como o ponto alto da época, enquanto que por outro lado, aponta um golo falhado em Amora, como ponto baixo da época:
"Ponto baixo da época, assumo que se trata de um acontecimento individual que teve repercussões colectivas, e que consiste num 'golo feito' falhado em cima da linha de baliza num jogo fora frente ao Amora, a quatro jornadas do fim, e que acabámos por perder 1-0. Embora sinta a consciência tranquila e saiba que não foi golo apenas devido ao péssimo estado do terreno, em que a bola desviou a sua trajectória quando estava prestes a 'encostar', assumo que tinha a obrigação de ter previsto esta 'armadilha'. Acredito que se tivesse feito esse golo, não perderíamos. Enfim, fez-me crescer. Quanto ao ponto alto, para mim foram três: a final da Taça, em que vencemos por 2-1 a AD Quinta do Conde e saboreámos a nossa primeira conquista; a vitória fora com o Vasco da Gama, em que acelerámos rumo ao título num jogo em que tudo foi especial, desde o apoio dos adeptos à onda de entusiasmo que se viveu, passando pela emoção do jogo em si, e, por último, a conquista do campeonato, consumada com uma vitória por 6-1 sobre o Marítimo Rosarense e que nos permitiu sentir que todo o esforço e dedicação de uma época longa e dura não foi em vão, subindo este grande clube aos Nacionais."
Bailão alinhou em todos os jogos do Barreirense, entre campeonato e taça, tendo apontado doze golos. O avançado classifica a sua época a nível pessoal, como tendo sido muito positiva:
"Individualmente, confesso que fui muito feliz. Alinhei em todas as partidas, incluindo campeonato e taça, num total de trinta e seis jogos, marquei doze golos e fiz inúmeras assistências para colegas meus. Senti-me útil à equipa, em diferentes posições no campo e em momentos complicados, e acabei a época com a sensação de dever cumprido."
No que toca à próxima temporada, o avançado ainda não sabe onde vai jogar:
"Quanto ao futuro, estou a aguardar. Agora é momento de desfrutar do sucesso alcançado e das férias. Trabalharei para surgir ainda melhor no início da temporada. Espero que o sucesso individual e colectivo da temporada que terminou, se repita na próxima."
Formado no V. Setúbal, Bailão representou enquanto sénior: Palmelense, Fabril, Zambujalense e Alfarim, antes de chegar ao Barreirense na época 11/12.

AF Setúbal: Barreirense regressa aos Nacionais

(Um dos onzes utilizados por Duka, ao longo da temporada.)
Ao fim de três temporadas nos Distritais, o histórico Barreirense está de regresso aos campeonatos nacionais, depois de ter vencido a I Divisão da AF Setúbal com os mesmos pontos do Vasco da Gama, que foi segundo classificado.
Depois de três descidas em quatro temporadas - entre 05/06 e 08/09 - o histórico do Barreiro caiu para os Distritais, começando por fazer um oitavo lugar em 09/10, o terceiro em 10/11, e finalmente, o primeiro na temporada que recentemente chegou ao fim.
Orientado por Duka - que representou Espinho e Campomaiorense na I Divisão enquanto jogador -, o Barreirense venceu vinte e três dos trinta jogos do campeonato, somando ainda dois empates e cinco derrotas, oitenta e três golos marcados e apenas vinte sofridos, tendo conquistado setenta e um pontos.
Além do campeonato, os barreirenses conquistaram a Taça da AF Setúbal, depois de vencerem na final, a AD Quinta do Conde, da II Divisão Distrital.
Além do treinador Duka, os nomes que mais saltam à vista no plantel do Barreirense, são os de Bruno Costa e Nélson Costa, jogadores que tiveram curtas passagens pela Liga de Honra, e ainda o de Vasco Firmino, que além de formado no Benfica, representou a equipa bê dos encarnados.
Há também a destacar a saída em Janeiro do lateral Vasco Campos, que 'saltou' directamente do Distrital para o Freamunde, da Liga Orangina.
No que toca às instalações desportivas, o Barreirense trocou esta temporada o 'velhinho' Estádio Dr. Manuel de Mello, pelo moderno complexo desportivo da Verderena.
Na próxima temporada, e com a extinção da III Divisão, o histórico clube do Barreiro está 'obrigado' a nova subida, como forma a evitar novo regresso aos Distritais.

Euro 2012: Fase de grupos encerrada

(Karagounis parece passar pelo meio de Glushakov e Denisov, durante o Grécia 1-0 Rússia.)
Chegou hoje ao fim a fase de grupos do Euro 2012, com as maiores surpresas a serem as eliminações de Rússia e Holanda. No que toca aos oito apurados para os Quartos-de-Final, não há grandes surpresas.
No Grupo A, a Rep. Checa venceu a Polónia por uma bola a zero, com um golo de Jirácek aos 72' minutos, e venceu o grupo, enquanto que no segundo lugar ficou a Grécia de Fernando Santos, que bateu a Rússia também por 1-0, graças a um golo de Karagounis em cima do apito para o intervalo.
No Grupo B, a Alemanha venceu a Dinamarca por 2-1, com Podolski a abrir o activo para os germânicos aos 19', Krohn-Dehli empatou aos 24', e Bender aos 80' selou a vitória para os alemães, que garantiram também o primeiro lugar do grupo. Em segundo, ficou Portugal, que venceu a Holanda por 2-1, graças a um bis de Ronaldo aos 28' e 74' minutos, já depois de Van der Vaart ter dado vantagem à 'laranja mecânica' logo aos onze minutos.
No Grupo C, a Espanha bateu a Croácia com um golo de Jesus Navas aos 88', e garantiu o primeiro lugar do grupo, enquanto que em segundo ficou a Itália, que venceu a Irlanda por 2-0, com golos de Cassano aos 35' e de Balotelli em cima do minuto noventa.
No Grupo D, a Inglaterra venceu a Ucrânia por 1-0, com golo de Rooney aos 48', e venceu o grupo, enquanto que a França ficou no segundo lugar, apesar de ter sido derrotada pela Suécia por 2-0, com golos de Ibrahimovic aos 54' minutos, e de Larsson aos 90'.
Posto isto, cá fica o quadro de jogos dos Quartos-de-Final:

Quinta-Feira: República Checa vs. Portugal - 19h45 SportTv1/RTP1
Sexta-Feira: Alemanha vs Grécia - 19h45 SportTv1/TVI
Sábado: Espanha vs. França - 19h45 SportTv1/SIC
Domingo: Inglaterra vs. Itália - 19h45 SportTv1/RTP1

domingo, 17 de junho de 2012

Euro 2012: Portugal 2-1 Holanda

Venham os checos! Portugal está nos Quartos-de-Final do Euro 2012, depois de ter vencido esta noite a Holanda, por 2-1. A selecção lusa qualifica-se assim na segunda posição, e vai agora defrontar a República Checa, que venceu o Grupo A.
Van der Vaart inaugurou o marcador quando estavam decorridos 11' minutos, mas um bis de Ronaldo, aos 28' e 74', selaram o triunfo de Portugal.
Os holandeses entraram mais pressionantes perante a expectativa portuguesa, e quando pouco passava dos primeiros dez minutos de jogo, Van der Vaart com um remate colocado abriu o activo.
A resposta de Portugal surgiu pouco depois, por intermédio de Ronaldo, que arrancou pelo lado esquerdo, e viu o seu remate embater na base do poste direito da baliza de Stekelenburg.
O mesmo Ronaldo que aos 23', obrigou Stekelenburg a uma boa defesa após um golpe de cabeça, e que aos 28', isolado de forma magistral por João Pereira, empatou a partida, devolvendo o sorriso aos portugueses.
Ronaldo continuava imparável, e aos 33' minutos, tentou o golo de longe, proporcionando nova defesa apertada a Stekelenburg.
Portugal era dono e senhor do jogo, a Holanda não se via, e estava completamente partida, pois a sua fortíssima zona de ataque, raramente tinha a bola, e a sua zona defensiva, 'tremia' a cada ataque tuga. O intervalo chegou com naturalidade e já numa fase mais calma do jogo, sempre com domínio territorial luso, mas sem oportunidades claras de golo.
A segunda parte começou com um ritmo mais lento e pausado, o que naturalmente retirou algum interesse ao jogo, mas com os holandeses a tentarem criar perigo através de lances de bola parada.
A resposta portguesa surgiu por Postiga, que antes de ceder o lugar a Nélson Oliveira, desviou um remate de Ronaldo para o fundo da baliza, mas estava em posição ilegal.
Foi já com Nélson Oliveira em campo, que Portugal ficou perto do 2-1 aos 66', quando num rápido contra-ataque, Ronaldo assistiu Coentrão, e o esquerdino rematou para defesa apertada de Stekelenburg.
Aos 72', foi Nani, que também assistido por Ronaldo, e com a baliza escancarada para consumar a reviravolta no marcador, atirou contra o guardião holandês.
Portugal tanto ameaçou, que lá acabou por marcar dois minutos depois, agora com os papeis invertidos: Nani assistiu, Ronaldo sentou Van der Wiel e encostou para o 2-1.
Aos 80', após um canto, Bruno Alves assistiu Nélson Oliveira, que rematou fraco e à figura de Stekelenburg, e na resposta, Van der Vaart teve um espectacular remate em arco, que embateu em cheio no poste da baliza de Rui Patrício.
Quatro minutos devolvidos, Huntelaar apareceu pela primeira vez em jogo, com um remate forte que passou pouco ao lado da baliza portuguesa, e que antecedeu mais um remate de Ronaldo ao poste, quando o cronómetro estava em cima do minuto noventa.
Portugal somou desta forma seis pontos em nove possíveis, qualificando-se no segundo lugar do grupo, e vai agora quinta-feira, discutir com a República Checa, a passagem às Meias-Finais.
Este é também um dia histórico para o desporto português, uma vez que além da qualificação da selecção para os Quartos-de-Final do Euro, o automobilista Pedro Lamy, venceu o 24 Horas Le Mans na categoria GTE-AM, e o ciclista Rui Costa, venceu a Volta à Suiça em bicicleta.
Ficha de Jogo:

Jogo realizado no Estádio Oblast Sports Complex Metalist, em Kharkiv - Ucrânia
Equipa de arbitragem composta por: Nicola Rizzoli (Árbitro Principal - Itália); Renato Faverani, Paolo Tagliavento e Andrea Stefani (Árbitros Assistentes - Itália); Martin Atkinson (Quarto Árbitro - Inglaterra)

Portugal (4-3-3): Rui Patrício; João Pereira, Pepe, Bruno Alves e Fábio Coentrão; Miguel Veloso, João Moutinho e Raúl Meireles (Custódio 72'); Nani (Rolando 87'), Hélder Postiga (Nélson Oliveira 64') e Cristiano Ronaldo.
Treinador: Paulo Bento. Suplentes Não Utilizados: Beto e Eduardo; Ricardo Costa, Miguel Lopes, Rúben Micael, Hugo Viana, Varela, Quaresma e Hugo Almeida.

Holanda (4-2-3-1): Stekelenburg; Van der Wiel, Mathijsen, Vlaar e Willems (Afellay 67'); Nigel de Jong e Van der Vaart; Sneijder, Van Persie e Robben; Huntelaar.
Treinador: Bert van Marwijk. Suplentes Não Utilizados: Vorm e Krul; Heitinga, Boulahrouz, Bouma, Schaars, Van Bommel, Strootman, Kuyt, Luuk de Jong e Narsingh.

Disciplina:
Amarelos: Willems 51'; Van Persie 69'; João Pereira 90+2'.

Marcador: 0-1 Van der Vaart 11'; 1-1 Cristiano Ronaldo 28'; 2-1 Cristiano Ronaldo 74'.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Euro 2012: Segunda jornada encerrada

(Ibrahimovic em luta com Glen Johnson, durante o Inglaterra 3-2 Suécia de hoje.)
A segunda jornada da fase de grupos do Euro 2012, chegou hoje ao fim, num dia sem surpresas, que curiosamente contraria aquilo que tem sido o torneio, onde têm havido algumas surpresas.
No Grupo A, Rússia e Polónia empataram a uma bola, sendo que Dzagoev abriu o marcador para a Rússia aos 37', enquanto que Blaszczykowski empatou a partida aos 57'. No outro jogo, a Rep. Checa venceu a Grécia por 2-1 e subiu segundo lugar com três pontos, enquanto os gregos somam apenas um ponto, e estão perto de dizerem adeus à prova. Aos seis minutos, já os gregos perdiam por duas bolas a zero, com golos de Jirácek aos 3' e Pilar aos 6', de nada valendo o golo de Gekas aos 53', selando o 1-2 final.
Amanhã, a Rep. Checa defronta a Polónia, e a Rússia enfrenta a Grécia.
No Grupo B, Portugal estreou-se a vencer na fase de grupos, tendo batido a Dinamarca por 3-2, depois de ter estado a vencer por 2-0: Pepe aos 24' e Postiga aos 36', adiantaram a equipa lusa, que se deixou empatar com dois golos de Bendtner, aos 41' e 80', valendo Varela à equipa das Quinas, que com um remate certeiro aos 87' minutos, garantiu o triunfo. A Alemanha venceu a Holanda por 2-1, com um bis de Mario Gómez aos 23' e 38', sendo que Van Persie fechou o marcador aos 73'.
Domingo, Portugal mede forças com a Holanda, enquanto que a Alemanha joga frente à Dinamarca.
No Grupo C, a Espanha venceu a Irlanda por 4-0, sendo que os irlandeses foram a primeira equipa a dizer adeus ao Euro. Torres com um bis aos 4' e 70', David Silva aos 49', e Fàbregas aos 83', foram os autores dos golos da 'Roja'. No outro jogo, a Itália empatou a uma bola frente à Croácia, tendo se deixado surpreender por um golo de Mandzukic aos 72', depois de ter estado em vantagem com um golo de Andrea Pirlo aos 39' minutos.
Segunda-feira, Croácia e Espanha medem forças, enquanto que a Itália defronta a Irlanda.
Finalmente, no Grupo D, e em jogos disputados hoje, a França venceu a Ucrânia por 2-0, com golos de Menéz aos 53' e Cabaye aos 56', num jogo que esteve largos minutos interrompido devido às condições meteorológicas. No outro jogo, a Inglaterra venceu a Suécia por 3-2, depois de ter estado a vencer por 1-0 e a perder por 2-1: é que Carroll abriu o activo para os britânicos aos 23', mas Glen Johnson fez um auto-golo aos 49', que empatou a partida, e Mellberg fez o 2-1 para os suecos aos 59'. No entanto, Walcott aos 64' e Wellbeck aos 78', selaram o triunfo para os ingleses.
Terça-feira, a Inglaterra defronta a Ucrânia, enquanto que a França joga com a Suécia.
Na frente dos melhores marcadores da prova, estão três jogadores com três golos. São eles: Dzagoev da Rússia, Mario Gómez da Alemanha, e Mandzukic da Croácia.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Raúl: "CAF apresenta projecto sustentável e ambicioso"

(Raúl em acção frente ao Salgueiros, num jogo que o Ac. Felgueiras venceu por 2-1.)
Depois de uma temporada fantástica protagonizada pelo Ac. Felgueiras, o blogue procurou alguém que tenha estado envolvido neste feito do clube, e que tenha vivido dentro da realidade do outro Felgueiras.
Posto isto, o 'ConversasRedondas' chegou à fala com Raúl, médio dos felgueirenses, que representou o FC Felgueiras durante duas temporadas, ambas na Liga de Honra, depois de ter completado a formação no próprio clube.
O médio começou por abordar o facto do Ac. Felgueiras ter dominado a Divisão de Honra da AF Porto, praticamente de início ao fim, desvendando alguns dos 'segredos':
"Na minha opinião, houve vários factores que nos fizeram dominar o campeonato. Penso que começou pela escolha da equipa técnica e jogadores, quase na sua totalidade elementos de Felgueiras, que acima de tudo gostam da cidade e têm o desejo de voltar a ver o futebol em Felgueiras, ao nível que já esteve no passado. O espírito colectivo acima do individual foi um factor decisivo no êxito do clube. Para além de tudo isso, tentámos manter um futebol positivo e atractivo, que cativou os adeptos. Estes foram aparecendo cada vez mais no estádio e nos jogos em casa, e foram importantíssimos para o nosso sucesso. Para concluir, tivemos uma direcção que foi cumprindo com o estipulado no início da época, o que nos tempos que correm não é muito vulgar. Estes foram, para mim, os segredos do sucesso do Felgueiras nesta época."
Como já disse, Raúl representou Felgueiras na Liga de Honra, e jogou a temporada 11/12 nos Distritais. O blogue procurou saber as naturais diferenças existentes entre ambos os clubes, com o médio a salientar o projecto sustentável e ambicioso do CAF, e ainda a preocupação da população felgueirense em não colocar 'Académico' antes do nome da cidade:
"Cresci a ver o “velhinho” FCF. O estádio sempre muito bem composto, com uma paixão e um orgulho tremendo de todos os felgueirenses. Quando joguei nos seniores do FCF, o clube já estava numa fase decadente, completamente condenado à extinção. Por outro lado, o CAF é um clube novo, que nasceu quando o povo de Felgueiras ainda fazia o “luto” do FCF. Começou por jogar num campo pelado, com equipamentos diferentes, símbolo diferente e até adeptos diferentes do FCF. Nos dois últimos anos, o CAF tem tido a preocupação de cativar os felgueirenses, mantendo uma maior proximidade com as características que identificavam o FCF, desde as cores do equipamento ao símbolo. Tem havido também uma preocupação de todos os membros do clube em não chamar CAF, mas simplesmente Felgueiras. Comparando o FCF, quando o representei, e o CAF, neste momento, posso dizer que o FCF tinha uma maior massa associativa, mais apaixonada, e jogava na II Liga, que era obviamente um campeonato bastante atractivo. Por outro lado, o CAF apresenta um projecto sustentável, ambicioso e começa a recuperar os sócios, adeptos e toda a paixão que envolvia o FCF."
Raúl participou em trinta e um jogos - trinta como titular - e apontou quatro golos, perfazendo um total de dois mil seiscentos e cinquenta e cinco minutos de utilização.
O médio destaca uma época inesquecível, salientando o facto de ter ajudado o clube da terra a subir aos Nacionais, o que tornou a temporada ainda mais especial:
"Esta foi para mim uma época inesquecível. Jogar pelo clube da terra é sempre especial, mas ajudar esse clube a subir aos campeonatos nacionais faz com que o sentimento seja ainda mais forte. Estou satisfeito com o trabalho que desenvolvi ao longo da época. Esforcei-me em todos os treinos e jogos para dar o melhor de mim. Por vezes, as coisas não me correram bem, mas não foi por falta de dedicação. O estilo de jogo implementado pela equipa técnica, baseado no futebol ofensivo, com posse de bola, atractivo e dominante, beneficiou as minhas características enquanto jogador e dessa forma deu-me muito prazer jogar no meio campo do Felgueiras. Também estou satisfeito por ter sido dos jogadores mais utilizados, participando em trinta e um jogos."
Quanto ao ponto alto da temporada, o médio felgueirense destaca o início da segunda volta, em particular a vitória sobre o grande rival na luta pela subida, Salgueiros:
"Penso que o ponto alto da época, foram as primeiras três jornadas da segunda volta. Até esse momento tínhamos os mesmos pontos que o Salgueiros, recebemos a equipa de Paranhos no primeiro jogo da segunda volta, fizemos um grande jogo e ganhámo-lo. Esse momento deu-nos confiança e perturbou a equipa do Salgueiros, que no jogo seguinte consentiu uma derrota e depois um empate. Nessas três jornadas conseguimos uma vantagem de oito pontos que não desperdiçámos até ao final do campeonato. O ponto negativo da época, foi quando as obras de reconstrução do nosso estádio ainda não estavam concluídas, e as instalações que tínhamos para treinar só nos eram fornecidas às vinte e duas horas. Foram quase dois meses a treinar até à meia-noite. Aliado a isso ou consequência disso, tivemos quatro empates consecutivos. Foi uma fase difícil, que ultrapassámos com um grande empenho."
No final da próxima temporada, a de estreia do CAF nos Nacionais, a III Divisão terminará, o que 'obrigará' o clube a nova subida, para se manter no panorama futebolístico nacional.
Raúl refere que o clube não pode ter outro objectivo a não ser subir, considerando a próxima temporada decisiva para a história do Ac. Felgueiras:
"O facto de haver uma reestruturação dos campeonatos nacionais, acabando a III Divisão, e, por isso, descerem dez equipas de cada série aos campeonatos distritais, tornará a próxima temporada da III Divisão absolutamente decisiva para a história do clube. Desta forma, e tendo em conta a grandeza do clube, o seu estádio e tudo o que se fez nesta época, acho que o Felgueiras tem que apostar na subida à II Divisão, pois não faria sentido todo o esforço despendido este ano, se não houvesse o objectivo de continuar nos campeonatos nacionais. Independentemente de ficar no clube ou não, enquanto felgueirense, espero que este clube possa ser um dos melhores embaixadores do concelho, tal como acontecia com o FCF. Espero também que o mau exemplo das políticas dispendiosas e orçamentos irrealistas do anterior FCF, possam ser exemplos de erros a não cometer pelo 'novo' Felgueiras."
Formado no FC Felgueiras, clube no qual completou os dois primeiros anos de sénior, Raúl representou também Taipas e Lixa, antes de chegar ao Ac. Felgueiras na temporada 11/12, clube que já tinha representado nas temporadas 08/09 e 09/10.